sábado, 29 de agosto de 2015

Anda uma mãe a criar um filho para isto...

A insuspeita Leonor Pinhão, que está sempre pronta para ferrar os caninos em tudo o que vista de azul e branco, lá deve ter achado que pareceria demasiado mal deixar passar sem comentários o tráfico de droga em pleno Estádio da Luz e engoliu o sapo de tocar no assunto no seu mais recente artigo publicado no Record. Fê-lo, no entanto, com tal candura enternecedora que mais parece uma mãe de coração partido e lavada em lágrimas, ainda aturdida e incrédula com o crime hediondo cometido pelo seu angélico filho. 

Começa então ela por dizer o seguinte:

«Um funcionário (ou ex-funcionário do Benfica, tanto faz) foi alvo de uma perseguição na A1 vendo-se obrigado pela polícia a encostar o automóvel onde viajavam calados dez quilos de cocaína.» 

Repare-se como, assim de repente, o referido "funcionário" do Benfica (que afinal não é apenas um mero funcionário mas sim um director!) passou de criminoso a "alvo de perseguição" das autoridades! Eu acho que, se os agentes não tiveram o devido cuidado de pôr o triângulo reflector a 30 metros de distância e vestir o colete à pobre vítima, deviam ser processados por porem a sua vida em risco! Ah, e tendo em conta que as investigações já duravam há vários meses, bem podem ser acusados de assédio!

«Tudo indica que se trata de um caso de tráfico desmantelado pelas autoridades e um caso em que o nome do Benfica aparece envolvido

O nome do Benfica aparece envolvido??? Mas porque será??? Só porque se trata de um director do Benfica, que foi preso em flagrante com quase 10 quilos de droga na mala de um carro do Benfica e que se dedicava ao tráfico no escritório que tinha no estádio do Benfica??? Que injustiça!!!

«Justo e devido no entanto, é saudar a nossa polícia sempre que faz o seu trabalho sem olhar à cor ou às cores dos grandes meliantes, dos pequenos chantagistas ou dos ladrões mais vulgares e atrevidos.»

É de mim ou este parágrafo cheira a dor de corno? Para quem está tão habituado à protecção obscena do regime que lhes permite passar impunes em tudo o que de ilícito se passa debaixo do seu próprio tecto, deve custar! Ai deve, deve!

«Este episódio ocorreu há um mês e na notícia que foi dada no princípio desta semana pelo "JN", excepção feita à referência ao nome do Benfica e ao parágrafo francamente preconceituoso e indiscriminado para "os cidadãos de nacionalidade colombiana

Comentário preconceituoso e indiscriminado porquê??? Só porque é referida a nacionalidade dos indivíduos? Querem lá ver que agora referir simplesmente a nacionalidade de um indivíduo é xenofobia? Não tinhas mais nada por onde pegar, Leonor?

«O Benfica não será certamente um narco-clube como se constata olhando para a sua tão remediada realidade.»

Obviamente, não seria para benefício dos cofres do clube que se processava o tráfico de droga no interior das suas instalações, mas não lhe parece no mínimo preocupante que o clube estivesse a servir de fachada para tal? E não lhe parece que se justifica uma investigação séria por parte das autoridades para apuramento do possível envolvimento de outras personalidades do clube? Ou acha normal que, desde a direcção ao porteiro, ninguém se tivesse apercebido da circulação dos tais indivíduos de nacionalidade colombiana, alheios ao clube, no interior do seu estádio?

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Porta 18

Esta semana, ficamos a saber que, em Julho deste ano, a PJ deteve José Carriço, director do Benfica, que se encontrava na posse de, nada mais, nada menos que 9,5 quilos de cocaína. O caso veio agora a público com um atraso de um mês e pela mão de apenas dois jornais (JN e CM), o que atesta bem o desinteresse manifestado pela generalidade da comunicação social, o qual contrasta frontalmente com a postura assumida noutros casos, envolvendo outros emblemas. Tudo perfeitamente normal, conhecendo, como todos conhecemos, o manto de protecção de que o Benfica goza junto dos lobbies da capital. 
Entretanto, a direcção encarnada já veio a público afirmar que (pasme-se!) não se responsabiliza por actos perpetrados pelos seus funcionários e que não tolerará qualquer atentado ao seu bom nome. Não precisam de se preocupar, digo eu. Afinal, se há poucos anos tivemos de aceitar que o Benfica não tinha qualquer ligação com as armas de fogo com calibre de guerra, bastões e armas brancas encontradas pela PJ numa arrecadação do Estádio da Luz, porque haveríamos agora de suspeitar sequer que o clube tem alguma coisa a ver com o tráfico de droga realizado dentro dos seus escritórios por um dos seus directores?

terça-feira, 18 de agosto de 2015

Recordista mundial de colinho

Não estavam sequer decorridos 10 minutos sobre o início da participação do Benfica nesta Liga e já o clube lisboeta tinha sido beneficiado com um erro grosseiro de arbitragem, algo que deve constituir um recorde mundial! Aliás, o Benfica devia propor a inclusão deste recorde no Guiness, pois sempre ajudava a compensar a recente perda do estatuto de clube com mais sócios do mundo!

domingo, 19 de julho de 2015

Esse ser chamado... Maxi Pereira

Ainda que se avizinhe um curto mas merecido período de férias, quero aproveitar a deixa do 2º jogo de preparação do FC Porto frente aos alemães do Duisburgo (que os azuis e brancos venceram por 2-0) para regressar ao convívio dos meus companheiros de bluegosfera, dando assim início a mais uma época de são convívio futebolístico. Uma época que, como todos esperamos, fará regressar o FC Porto à senda de sucesso a que nos habituou desde há muitas décadas. Infelizmente, o motivo que me traz a escrever este primeiro texto não é dos mais agradáveis...

Como qualquer adepto, também eu fui idolatrando, ao longo dos anos, muitos dirigentes, técnicos e jogadores que, pelas suas carreiras ao serviço do FC Porto, foram adquirindo maior notoriedade. No entanto, nunca, em caso algum, considerei quem quer que fosse acima do nosso amado clube. Para mim, ninguém está acima do emblema do FC Porto e ponto final.  Como tal, por muito que o meu portismo me obrigue a apoiar, sem excepção, qualquer jogador que envergue a camisola azul e branca, é com total liberdade e frontalidade que expresso o meu completo repúdio por esse ser chamado... Maxi Pereira. 

Ao contrário do que a imprensa lisboeta nos tentou convencer ao longo dos oito anos em que envergou a camisola do Benfica, Maxi Pereira é muito mais do que um jogador duro e viril. Recordo-me, sem grande esforço, de meia-dúzia de lances em que, com a bola pousada no solo ou fora do alcance, o uruguaio atingiu os adversários com patadas ao nível dos joelhos, virilha ou abdómen, algo que só pode ser confundido com simples virilidade por quem vê o futebol com palas encarnadas. Isso, em qualquer parte do mundo - excepto na Capital do Império Ultramarino - é pura violência!
Maxi Pereira é um jogador maldoso, que recorre à agressão para intimidar e limitar fisicamente os adversários. Obviamente, tal estratégia, a todos os níveis condenável, só foi possível ao longo dos últimos oito anos graças ao clima de impunidade instalado em torno do Benfica, fruto da cumplicidade obscena da arbitragem portuguesa que, de uma forma cobarde e subserviente, foi fechando os olhos aos inúmeros casos polémicos protagonizados pelo uruguaio.

Compreendo que, na perspectiva desportiva, Pinto da Costa reconheça em Maxi Pereira um jogador "à Porto". Não há dúvida de que, pelo seu esforço e entrega ao jogo, o uruguaio nos faz recordar alguns ídolos do nosso passado, mas as semelhanças ficam-se por aí. É conveniente que alguém da equipa técnica portista explique o mais rapidamente possível a Maxi Pereira que deve alterar radicalmente o seu comportamento violento, sob pena da equipa vir a ser gravemente penalizada no futuro. Primeiro, porque o FC Porto  não possui o manto protector de que o Benfica goza junto da arbitragem e não se espera a mesma complacência por parte dos senhores do apito agora que Maxi veste de azul e branco; segundo, porque tal comportamento violento pode ser muito bem aceite lá para as bandas da Capital, mas não se enquadra nos valores que os adeptos portistas defendem e exigem aos seus jogadores.

Nota de rodapé: já fui confrontado por alguns benfiquistas com a hipótese de mudar a minha opinião sobre Maxi Pereira, em virtude da sua mudança para o Dragão. Tal como procurei deixar aqui bem claro, o meu portismo exige que apoie os jogadores do FC Porto e Maxi não será excepção, mas nem por isso mudarei a minha opinião sobre essa pessoa. Por outro lado, ficarei também atento a todos aqueles que, durante oito anos, foram branqueando as atitudes do uruguaio enquanto jogador do SLB. Veremos se, esses sim, não virão agora exigir cartões vermelhos por actos que, até aqui, eram vistos como meras demonstrações de... virilidade.

sexta-feira, 5 de junho de 2015

Ri-te, ri-te...


...que logo choras!
O dia que Rui Gomes da Silva deu uma gargalhada com a possibilidade de Jorge Jesus ir para o Sporting. #JM
Posted by Ups, mete gelo on Quinta-feira, 4 de Junho de 2015