quarta-feira, 22 de julho de 2009

E se falássemos de concorrência desleal?

De acordo com os dados divulgados pela comunicação social, o FC Porto era, até há dois dias atrás, o clube português que mais dinheiro gastou em contratações para a próxima época. De facto, os Dragões gastaram até ao momento cerca de 17,8 milhões de euros em reforços, sendo Falcao, Valeri, Álvaro Pereira e Belluschi os principais investimentos, correspondendo estes a cerca de 14,53 milhões. No entanto, com a contratação de Javi Garcia, o Benfica ultrapassou o Porto, tendo até agora feito um investimento de 23 milhões em reforços. Ramires custou 7,5 milhões, Javi Garcia 7 milhões, Saviola 5 milhões, Patric 2 milhões e Shaffer 1,5 milhões. Nas contas dos portistas faltará acrescentar ainda o Prediger, assim como nos encarnados falta acrescentar o Weldon. Pelos valores avançados pela imprensa, podemos antever que a diferença de gastos dos dois rivais no final da pré-época não deverá ser muito significativa. Refira-se ainda, por curiosidade, que o Sporting gastou apenas 3,5 milhões em Matias Fernandez.
Aquilo que marca realmente a diferença entre os clubes são os rendimentos originados pela venda de jogadores. O F.C. Porto é destacadamente o clube português que mais dinheiro encaixou neste mercado de transferências e é aliás o terceiro posicionado a nível mundial tendo até agora arrecadado 65,8 milhões de euros (24 milhões de Lisandro, 18 de Lucho, 15 de Cissokho, 5 de Ibson, 3,5 de Paulo Machado e 300 mil euros de Vieirinha). Só dois clubes conseguiram fazer melhor do que o F.C. Porto: o Manchester United com 103,1 milhões de euros (94 de Ronaldo, 4 de Campbell, 2,75 de Manucho e 2,25 de Lee Martin) e o Milan, com 80 milhões de euros arrecadados (65 milhões de Kaká e 15 milhões de Goucurff). Já o Benfica conseguiu apenas o encaixe de 2,5 milhões de euros com a transferência de Katsouranis para o Panathinaikos. Contas feitas, podemos facilmente deduzir que o FC Porto fechará a pré-época com um lucro de cerca de 40 milhões de euros, enquanto que o SLB terá um prejuízo de cerca de… 20 milhões! Perante isto, é óbvio que o presidente do Sporting tinha toda a legitimidade para questionar de onde vem o dinheiro com que os clubes rivais reforçam os seus planteis. A diferença, que com certeza José Eduardo Bettencourt já compreendeu, é que no Porto a origem desse dinheiro está bem à vista e implica sacrifícios para a estabilidade do plantel que, de ano para ano, vê sair os seus jogadores principais, enquanto que na Luz o dinheiro parece vir comodamente de alguma árvore das patacas que eles lá têm plantada no quintal. Tantas vezes ouvimos falar de transparência e de verdade desportiva... E se falássemos também de concorrência desleal?

Sem comentários:

Enviar um comentário