quinta-feira, 23 de julho de 2009

Justiça salomónica ou cobardia crónica?

27 de Junho de 2009 é uma data que irá ficar registada na memória dos adeptos do futebol e da qual ainda muito se irá falar. Não pelos melhores motivos, infelizmente, mas sim porque nela ocorreu um dos episódios mais vergonhosos a que pudemos assistir numa partida de futebol realizada em Portugal nas últimas décadas. Mais grave do que isto, só mesmo se recordarmos o assassinato de um adepto em pleno Estádio Nacional durante o desenrolar da final da Taça de Portugal. Coincidência ou não, dois acontecimentos distantes no tempo mas protagonizados pelos mesmos intervenientes.

Antes de mais devo dizer que sei perfeitamente o que os miúdos sentem quando encaram uma partida decisiva como aquela que se realizou (ou deveria ter realizado) naquele dia em Alcochete. Sei porque também já fui miúdo e porque conheço miúdos que jogam futebol. Apesar de não conhecer nenhum daqueles jogadores, acredito mesmo que alguns deles nem sequer conseguiram dormir na noite que antecedeu o encontro, com o entusiasmo, o nervosismo, a alegria e a expectativa de participar num jogo de atribuição do título de campeões nacionais. Imagino também a tristeza e o desgosto que devem ter sentido quando o mesmo foi literalmente transformado numa “intifada” pelas claques das duas equipas que, sem nada que aparentemente o justificasse para além do fanatismo clubístico doentio, se envolveram numa autêntica guerra de pedras. Para esses miúdos, das duas equipas sem distinção, aqui fica o meu abraço de solidariedade e o desejo de que consigam ultrapassar rapidamente este lamentável acidente de percurso nas suas carreiras.

Quanto ao resto, dizem os testemunhos (e os relatórios da Polícia confirmam) que a claque benfiquista foi recebida à pedrada por elementos da claque sportinguista ainda fora da Academia e que respondeu na mesma moeda. Se tal for verdade, então aceita-se e justifica-se a decisão do Conselho de Disciplina da FPF de punir ambos os clubes. Mas, atenção! As claques até se poderiam ter envolvido em confrontos na Estação de Santa Apolónia ou no Colombo, o que seria igualmente grave mas não prejudicaria directamente o normal desenrolar de uma partida que, até determinado momento, estava a decorrer de forma pacífica! Uma coisa é as claques envolverem-se em incidentes, outra, bem mais grave, é provocarem a interrupção de um jogo, principalmente quando sabem que essa interrupção pode levar ao desfecho a que agora assistimos: a entrega do título de campeão por decreto. As imagens disponíveis demonstram que os incidentes que levaram à interrupção da partida se deram apenas quando a claque do SLB chegou próximo do campo de futebol e começou a apedrejar a assistência, logo, não se compreende que a Federação tenha aplicado punições idênticas aos dois clubes originando assim esta inacreditável inversão da verdade desportiva.

Fica no ar a ideia de que esta decisão aparentemente equitativa e equilibrada não passa, na verdade, de uma forma cobarde de disfarçar a incompetência daqueles que deviam fazer cumprir os regulamentos com isenção mas que não conseguem libertar-se do medo de tomar decisões impopulares para determinados clubes e quadrantes da sociedade. Se este fosse um caso isolado ainda poderíamos dar o benefício da dúvida, mas todos sabemos que isto vem na sequência de outros actos graves em que as autoridades e as entidades responsáveis do futebol tiveram a mesmíssima atitude irresponsável. Basta recuar à época passada para recordar aquele triste episódio em que um adepto afecto ao SLB invadiu o terreno de jogo, em pleno Estádio da Luz, para ir apertar o pescoço ao juiz-de-linha. Ainda hoje, vários meses passados, estamos à espera para saber qual será a punição aplicada ao clube do adepto infractor, o mesmo cujos dirigentes demonstraram uma completa falta de pudor ao virem agora lançar as culpas para cima do Sporting por alegada má organização e afirmar que o campo de treinos de Alcochete não tinha condições para a realização de jogos deste nível. Por essa ordem de ideias, o Estádio da Luz também não tinha, mas nessa altura ninguém os ouviu a dizer nada.

2 comentários:

  1. Gostei muito deste blog.
    Desde os temas ao design e escrita leve e fluída!
    Continua com força e espero que transformes este espaço numa referencia de visita obrigatória a todos que navegamos na internet e amamos o nosso FC Porto.
    Parabéns!

    ResponderEliminar
  2. Estou de acordo com o artigo, e quero aqui dizer que estou a gostar muto do teu blog, excelente design, muita força!
    continua, vou passar a vir ca ler regularmente

    um grande abraço

    ResponderEliminar