domingo, 10 de janeiro de 2010

Capital da violência e da impunidade

Decorria o minuto 79 do jogo Benfica - Porto da época de 2004/2005 quando o árbitro Olegário Benquerença assinou uma decisão que lhe viria a custar muito caro. O caso polémico conta-se em poucas palavras: o FC Porto encontrava-se a ganhar por 1-0 graças a um golo de McCarthy quando Petit rematou à baliza de Vítor Baía. O guarda-redes portista não conseguiu segurar o remate à primeira tentativa e depois, lançando-se no ar, desviou a bola com uma palmada, fazendo-a embater no poste direito da baliza, tendo a defesa completado o alívio. Os benfiquistas reclamaram veementemente alegando que a bola havia entrado na baliza, enquanto que os portistas defenderam que, em momento algum, a bola ultrapassou completamente a linha de golo. Quem tem razão? Até hoje, a dúvida permaneceu.
Não é necessário ser muito inteligente para compreender que a única forma de dissipar completamente as dúvidas sobre o lance seria através da análise de imagens vídeo obtidas por uma câmara posicionada exactamente no alinhamento da linha de fundo, pois só dessa forma se poderia concluir se a bola ultrapassou, em todo o seu diâmetro, a espessura total da linha de golo. Ora, as imagens do lance que os vários canais televisivos proporcionaram foram obtidas a varias dezenas de metros da baliza e segundo uma perspectiva oblíqua relativamente à linha de fundo, o que, obviamente, as torna inconclusivas. Apenas ficcionando ou conjecturando se pode afirmar que a bola entrou (ou não) na baliza de Vítor Baía e, perante isto, mandavam as mais básicas regras da lógica e do bom-senso (e os princípios do fair-play) que, na falta de provas que comprovassem o erro, se desse o benefício da dúvida a Olegário Benquerença. Não obstante este facto, a corrupta imprensa da Capital, vendida aos interesses do Lobby Lisboeta, tratou imediatamente de apresentar aos olhos do público uma visão completamente distorcida dos factos que, como se esperava, ia ao encontro da perspectiva encarnada. Rapidamente os inúmeros jornais e programas televisivos se encheram de “opinion makers” que, como que munidos de uma extraordinária omnisciência e omnipresença, juraram a pés juntos que a bola tinha de facto entrado na baliza de Vítor Baía, arrastando atrás de si milhões de portugueses que se esqueceram que, se Deus lhes deu o intelecto, foi para pensarem pela sua própria cabeça e não para se deixarem conduzir como um rebanho de carneiros em nome dos interesses mesquinhos de lobbies políticos ou económicos.
Aquilo que nunca deveria ter passado de mais uma estéril e infrutífera discussão futebolística entre malucos da bola, transformou-se num caso de polícia e Olegário Benquerença passou a ser alvo de uma perseguição impiedosa por parte dos benfiquistas que não lhe perdoam o facto de ter desperdiçado uma boa oportunidade de lhes oferecer um pseudo-golo que, de outra forma, a sua equipa não demonstrava capacidade para alcançar (e que muito jeito lhes faria, pois acabaram por perder o jogo). Até os Gato Fedorento não se fizeram rogados em dedicar-lhe recentemente um “Tesourinho Deprimente” em que, ao jeito de chalaça, trouxeram uma vez mais à baila o assunto do golo que não foi mas que eles queriam que tivesse sido.
Por mais anos que passem, continuaremos a ouvir falar desse caso e esta insistência começa a ultrapassar os limites do racional. É legítimo questionar agora se esta pressão obsessiva sobre o árbitro leiriense não terá como objectivo condicionar as suas actuações de forma a levá-lo a pensar duas vezes antes de soprar no apito quando tal possa por em causa os interesses da equipa encarnada. Nesta perspectiva, a arbitragem deplorável protagonizada por Olegário Benquerença no jogo Benfica - Nacional realizado no passado dia 3 de Janeiro para a Taça da Liga devia ser alvo de uma análise profunda, dada a quantidade de erros graves e inacreditáveis cometidos pelo juiz leiriense. Infelizmente, aqueles que, alegadamente, defendem a verdade desportiva, parecem padecer de um grave problema de visão sempre que estas arbitragens acontecem em benefício da equipa da Luz.
Não vou discutir aqui grandes penalidades nem golos anulados por fora-de-jogo inexistentes porque tal poderia servir de pretexto para alguns desviarem as atenções daquilo que foi realmente grave: a sequência de agressões inacreditáveis que, não obstante terem ocorrido nas barbas do árbitro e dos juízes assistentes, passaram completamente impunes (ou quase, o que, na prática, ainda levanta mais suspeitas sobre o seu julgamento).
Aos 28 minutos de jogo, Luisão agrediu Salino com um violento pontapé, um lance sem bola em tudo comparável ao desvario de Pepe que valeu um castigo de 10 jogos de suspensão ao defesa do Real Madrid. Apesar da violência da agressão, Olegário Benquerença limitou-se a punir o defesa brasileiro com um simples cartão amarelo, o que, não só permitiu que o jogador benfiquista prosseguisse em campo, como impede qualquer possibilidade de lhe ser instaurado um processo sumaríssimo, ficando assim disponível para os próximos encontros a contar para a Liga Portuguesa.
No seguimento desse lance e já com o jogo parado, Javi Garcia agride Amuneke com uma cotovelada na cara, ao que o jogador do Nacional respondeu com uma palmada nas costas do benfiquista. Mais duas expulsões que ficaram por assinalar, ainda que, nesta caso, seja aceitável a ideia de que o árbitro possa não ter visto. Veremos pois o que irá fazer a Comissão Disciplinar da Liga, mas não é preciso ser bruxo para adivinhar que nada irá acontecer.


Já aos 31 minutos, mais uma agressão que ficou por punir, desta feita numa entrada de Maxi Pereira ao joelho do adversário. As imagens documentam a violência do lance mas Olegário Benquerença esqueceu-se que as entradas violentas, passíveis de causar lesões graves ao adversário, são puníveis com vermelho directo.

Caso o árbitro de Leiria tivesse agido em conformidade com as leis (nestes e noutros lances), pelo menos três jogadores de cada equipa teriam sido expulsos e consequentemente suspensos para os próximos jogos, o que significa que a arbitragem de Olegário Benquerença não teve apenas influência directa num simples jogo da Taça da Liga mas em todo o desenvolvimento da Liga Portuguesa. É difícil compreender os motivos que levam um árbitro a agir com esta passividade perante actos de violência gratuita tão óbvios como os que as imagens documentam, mas, sejam quais forem esses motivos, as entidades que regem o futebol português, em particular a arbitragem, não podem continuar a fingir que nada vêem. Em nome da verdade desportiva, as incidências deste jogo deveriam ser devidamente investigadas.

17 comentários:

  1. Os meus parabéns ;) Disseste tudo o que havia para dizer!

    ResponderEliminar
  2. este blog tipicamente provinciano é engraçado ate.
    se fizéssem 1 com as "peripécias" da ekipa da provincia do Porto n havia servidor q aguentásse as inumeras páginas.
    Desde a fruta ás viagens "calheiristas", passando pelo cafe com leite.

    ResponderEliminar
  3. O post anterior teve o alto patrocinio das pastilhas Rennie e da Farmácia Calheiros

    ResponderEliminar
  4. "este blog tipicamente provinciano é engraçado ate."

    Atendendo a que uma elevada percentagem de benfiquistas nasceram e vivem na província, chamar provinciano com intuitos insultuosos ou pejorativos é sinal de fraca inteligência, se é que me faço entender...

    "n havia servidor q aguentásse as inumeras páginas."

    Os processos abertos contra o Pinto da Costa também continham inúmeras páginas e, no entanto, não consta que não tenham cabido nas prateleiras quando foram arquivados.

    ResponderEliminar
  5. De facto 2010 não mudou a "inteligência" do autor do blogue!
    Continua escassa e em risco de extinção!
    Em resumo: PC é o maaiiore, o FCP é o maaiiore, o benfiquismo é um cancro (o Portismo é uma virtude), Lisboa é uma porcaria (mesmo sendo a capital do país) e o Porto é mi maaiiore!
    Resta dizer que o autor deste bloque é o maaiiore ... com ou sem carago!

    ResponderEliminar
  6. "De facto 2010 não mudou a "inteligência" do autor do blogue!"

    O meu texto refere-se à agressões dos jogadores do Benfica que passaram impunes. Não tem mais nada a dizer sobre isso senão insultar-me? Parece-me que a sua visão dos factos é um bocadinho curta para quem acusa os outros de falta de inteligência...

    ResponderEliminar
  7. Quem com ferros mata, com ferros morre!
    Para quem insulta sistematicamente a cidade de Lisboa e os Benfiquistas com argumentos idiotas, de cancro, pronuncia efeminada, estava a espera de quê?
    Tenha é a coragem de se mostrar e pode ser que os detentores da pronuncia efeminada lhe tirem o pio de "macho" e o ponham a "chiar" fininho.
    Para defender a sua cidade e o seu clube não precisa de cobardemente ofender os outros!

    ResponderEliminar
  8. "Para quem insulta sistematicamente a cidade de Lisboa e os Benfiquistas com argumentos idiotas, de cancro, pronuncia efeminada, estava a espera de quê?"

    1) Os meus argumentos só são idiotas para quem está cego pela lavagem cerebral feita pela máquina propagandista lisboeta em nome dos interesses mesquinhos de Lisboa. A realidade é que raramente encontro alguma resposta no meu blogue que procure contra-argumentar as minhas ideias de forma estruturada e fundamentada, o que demonstra que as minhas opiniões não estarão tão erradas como alguns querem fazer crer.

    2) Eu não acusei Lisboa de ser um cancro. Convinha que lesse melhor os textos antes de tecer qualquer tipo de consideração porque, está mais que visto, demonstra que não sabe exactamente do que está a falar.

    3) A sua ameaça não me admira. Já estou habituado a que as pessoas reajam com violência quando se apercebem que não possuem argumentos para se defender de outra forma. Espanta-me, no entanto, que tenha tão pouca sensatez a ponto de não compreender que acaba de dar um tiro no próprio pé. Afinal, está a confirmar a minha opinião sobre o benfiquista tipo, quando afirmei o seguinte:

    "Não admira que os benfiquistas reajam de forma tão agressiva, por vezes fanática, sempre que o Benfica é criticado ou alvo de uma qualquer acusação, por mais fundamentada e legítima que esta seja. Na verdade, não é o facto do clube em si ser atacado que origina essa reacção intempestiva e desmesurada, pois a sua relação com o clube é extremamente distante. É, isso sim, o facto de sentirem que a crítica ou a acusação põe em causa a sua própria imagem enquanto benfiquistas, essa imagem que adoptaram para auto-promoção, transformando assim aquilo que não deveria passar de um assunto do foro futebolístico numa questão pessoal, um ataque à sua própria pessoa."

    4) A minha cidade e o meu clube são constantemente alvo dos insultos e das agressões de Lisboa, o mesmo se passando com o resto do país, principalmente aqueles que, de alguma forma, ousam fazer frente ao poder centralista da Capital. Desafio-o a pôr a mão na sua consciência e a pensar se, na sua própria forma de estar e de ver Portugal, não será você e as pessoas que o rodeiam que ofendem cobardemente todos aqueles que não partilham dos vossos interesses. Se for honesto e se analisar com atenção o que se passa à sua volta, perceberá o que eu quero dizer.

    ResponderEliminar
  9. Não vê mesmo um palmo à frente do nariz!
    Nem sou Lisboeta nem tão pouco Benfiquista!
    Acho sim, que o Porto e o FCP merecem muito melhor que você!
    É mesmo para rir!"Lisboa não é um cancro" mas " A minha cidade ... agressões de Lisboa" está escrito, uma no cravo outra na ferradura!
    Pensa que convence alguém com essa "rectidão" imparcial a que recorre quando lhe mostram as parvoíces que escreve?
    Acusou ou não os Lisboetas de pronuncia efeminada?
    Afirmou ou não que o Benfiquismo era o cancro da sociedade?
    Não considera que essas posições estão muito para além da mera opinião a que todos (até você) tem direito, e são insultos?
    Estou muito longe de Lisboa, a minha região é das mais pobres de Portugal, e de certeza que o Porto é a ultima região de Portugal com razão de queixar. Todas as outras estão à frente do Porto para esse fim.
    Ou será que pensa que se a regionalização avançar o Porto também (tal como Lisboa)não terá de repartir o que tem com o resto do país, especialmente com o interior.
    É que as grandes diferenças não são entre Lisboa e Porto, são entre o litoral e o interior.
    Consegue perceber isso?
    Tenho dúvidas, mas faça lá um esforço, e quanto ao futebol só tenhp pena que o meu clube da III Divisão não ganhe. Não digo é mal do Sporting, Benfica, Porto, enfim dos grandes. E quanto a Lisboa é a minha Capital. Está muita coisa mal, efectuada pelos orgãos de soberania residentes em Lisboa tutelados por pessoas de todo o país.
    Neste momento temos um Presidente Algarvio, um PM Beirão e um Ministro das Finanças Portuense, comece por se queixar a esse que é seu vizinho.

    ResponderEliminar
  10. "Nem sou Lisboeta nem tão pouco Benfiquista!"

    Sim, e eu até possuo dados suficientes para adivinhar quem você é e o que pensa... Você deve ser muito jovem, atendendo à infantilidade das suas afirmações.

    "É mesmo para rir!"Lisboa não é um cancro" mas " A minha cidade ... agressões de Lisboa" está escrito, uma no cravo outra na ferradura!

    Você está a fazer-se de parvo. Sabe muito bem que, no meu artigo, eu considero o benfiquismo um cancro na sociedade portuguesa, não Lisboa.
    Mesmo alegando que não o é, a sua atitude é tipicamente benfiquista, distorce desonestamente as afirmações alheias sempre que se sente acusado para denegrir aqueles que lhe dirigem as críticas, mas aqui tem pouca sorte porque, infelizmente, já estamos habituados a essa política em Portugal, resquícios do fascismo de que não conseguimos libertar-nos.
    Quanto ao resto, afirmei e reafirmo: o benfiquismo é um cancro da sociedade portuguesa e os motivos dessa opinião estão descritos no meu artigo que me parece muito explícito. Só não compreende quem não quer.

    "É que as grandes diferenças não são entre Lisboa e Porto, são entre o litoral e o interior."

    Decididamente, você não sabe do que fala nem conhece o país real em que vive.

    "Todas as outras estão à frente do Porto para esse fim."

    Se você fosse um bocadinho inteligente (e um bocadinho mais maduro), teria compreendido através dos meus textos que eu não nego esse facto. Antes pelo contrário! Se defendo a regionalização e critico Lisboa, é precisamente por não aceitar os desníveis que existem entre as regiões portuguesas e revolta-me a passividade e a subserviência dos portugueses perante a situação em que o país se encontra. É exactamente por esse motivo que eu digo que o benfiquismo é um cancro: levou a que os portugueses se aglutinassem em torno dos interesses lisboetas, enchendo os bolsos aos caciques da Capital, em vez de lutarem por aquilo que é verdadeiramente seu.
    Leia os comentários que foram escritos sobre o texto "Verdades que custam a dizer a uns e a ouvir a outros". Se não ler, não compreenderá absolutamente nada.

    ResponderEliminar
  11. Felizmente que o numero de comentários de acordo com a minha (apontada por si) "falta de inteligência" é superior ao numero que concordam com a sua "ofuscante, absoluta, verdadeira e superior inteligência".
    É mais um cancro como o Benfiquismo!
    Gostaria de perceber, sem ser via futebol, donde vem toda essa revolta contra Lisboa e o Benfica.
    Tenho filhos Lisboetas, simpatizantes (só)do Benfica e do Sporting, os netos para lá caminham, os quais são odiados pelo local onde nasceram e pelo clube pelo qual nutrem simpatia.
    Enfim, só você é que está bem!

    ResponderEliminar
  12. Sempre houve rivalidade entre Porto e Lisboa e vai continuar a haver!

    Para quem não sabe..o Porto foi a cidade que deu o nome a Portugal, e foi a cidade que foi capital do Condado Portucalense (reino que deu o nome a Portugal), sendo Lisboa depois a capital do nosso país, presumo que a rivalidade tenha começado aí!

    Na minha modesta opinião, a cidade do Porto representa muito mais o País no estrangeiro, que a cidade de Lisboa! E no entanto parece que o País é só Lisboa! Existe uma grande diferença de mentalidades entre as pessoas das duas cidades, enquanto que no Norte as pessoas são simples, directas e tentam viver à sua maneira, em Lisboa têm a mania das riquezas e de querer imitar os estrangeiros! São VIP's lool

    Quanto à rivalidade entre clubes é normal que haja, visto que o SLB no tempo da ditadura era levado ao colinho...Tal como o famoso Pedroto dizia: "Nem vale a pena atravessar a ponte!". Acabou se a ditadura e agora verificamos a verdade sobre o que se passava!

    Mas não há melhor pessoa, que o actual presidente do SLB, para demonstrar que se calhar não existe tanta rivalidade como falam! Foi sócio tantos anos do FCP, e só deixou de o ser, porque deixou de pagar as quotas no mês de Junho :D Um presidente do SLB, socio do FCP è vários anos ;) Esperava mais um cadito e tinha recebido a roseta de prata!!

    Aliás posso aqui afirmar, que tenho familiares directos benfiquistas e sportinguintas, a viver no Porto, e nunca se queixaram de serem mal tratados! No Dragão, em Derbis tão ao meu lado, na bancada dos Super Dragões e não é por isso que deixam de gritar golo!

    Realmente somos um GRANDE CLUBE :D

    ResponderEliminar
  13. Entre os Portuenses, Portistas, Lisboetas e Benfiquistas existem boas e más pessoas. Não é o local de nascimento, de residência ou a opção clubistica que define ser boa ou má pessoa, e muito menos limita a opção de se ser Lisboeta e Portista, ou Portuense e Benfiquista.
    Pena é que exista uma facção a que o autor deste blogue pertence.
    Até o presidente do Benfica foi sócio do FCP, e daí, é um exemplo que se calhar outros deviam seguir em vez de incendiarem as rivalidades e hostilidades.
    Quanto às diferenças entre Porto e Lisboa são para serem respeitadas mutuamente, sem duvida que ambos os locais haverá pior e melhor que no outro respectivamente.
    Quanto ao futebol, é simplesmente só isso.

    ResponderEliminar
  14. Felizmente que o numero de comentários de acordo com a minha (apontada por si) "falta de inteligência" é superior ao numero que concordam com a sua "ofuscante, absoluta, verdadeira e superior inteligência".

    É natural que a maioria de comentários seja de benfiquistas que se sentem atingidos pelas minhas opiniões. Isso não significa, contudo, que não exista igualmente um grande número de pessoas que partilham da minha opinião, ainda que não a manifestem.

    "Gostaria de perceber, sem ser via futebol, donde vem toda essa revolta contra Lisboa e o Benfica."

    Eu já o disse aqui no blogue várias vezes: revolta-me ver o país no estado miserável em que está. Revolta-me que Lisboa continue a canalizar para si o grosso dos fundos europeus. Revolta-me que a região de Lisboa e Vale do Tejo esteja acima da média europeia enquanto o resto do país se encontra na cauda da Europa. Revolta-me ver os desequilíbrios sociais, o desemprego e a miséria de muitos em favor do bem estar de alguns. Revolta-me a subserviência do povo português perante o centralismo absurdo de Lisboa. Revolta-me a propaganda fascista que é feita todos os dias para aglutinar os portugueses em torno dos interesses mesquinhos da Capital. Revolta-me ver os caciques lisboetas a encherem os bolsos à custa das mentes simplórias que os idolatram. E, principalmente, revolta-me a passividade de um povo outrora orgulhoso e lutador perante a derrocada de Portugal graças a um sistema político que, como está provado, não funciona!

    ResponderEliminar
  15. O que faz, para além de nos seus insultos atingir pessoas inocentes na causa do que está mal, para melhorar a situação?
    Percebeu que aconteceu o 25 de Abril, a queda do muro de Berlim, etc, mas parece-me que pertence ao grupo da cassete, certo?
    Acha que contribui para algo de positivo com esse comportamento?
    Simples curiosidade: qual a sua profissão?
    E porque mistura futebol com politica?
    Porque acusa um local, quando nesse local, como em todos os outros, até nos que defende, há bons e maus? Não lhe parece que é uma cegueira crónica que por vezes merece outras designações pouco simpaticas.

    ResponderEliminar
  16. Muito sinceramente eu acho que se o(a) senhor(a) não gosta do que se escreve aqui, ou sismplesmte não entende o que aqui se escreve, devia deixar de visitar o blog...nunca ouviu dizer: "quem está mal, que se mude"? ;)

    ResponderEliminar
  17. "O que faz, para além de nos seus insultos atingir pessoas inocentes na causa do que está mal, para melhorar a situação?"

    Ninguém é inocente. A culpa do estado do país é de todos nós, principalmente daqueles que são cúmplices com o seu silêncio, a sua passividade e a sua subserviência.

    "Percebeu que aconteceu o 25 de Abril, a queda do muro de Berlim, etc."

    Claro que percebi, assisti a ambos. E lamento desapontá-lo mas não pertenço ao "grupo da cassete". Rejeito a cor vermelha, nas suas mais variadas vertentes. Acredite ou não, a minha "cassete" sou eu que a faço.

    "Acha que contribui para algo de positivo com esse comportamento?"

    Eu não espero mudar as mentalidades porque tenho a noção de que não possuo o poder e o alcance necessários para tal. Mas, se eu conseguir despertar as consciências daqueles que me lêem, já terá valido a pena o trabalho e o tempo gasto. Está provado que a governação de Lisboa ao longo do último século levou Portugal à derrocada total. O nosso país encontra-se na cauda da Europa e, exceptuando a região de Lisboa e Vale do Tejo, todas as restantes regiões portuguesas são consideradas das mais pobres do espaço europeu. Os cidadãos têm que ter a consciência de que algo tem de mudar e está nas suas mãos fazê-lo. Nada é tido como garantido excepto isto: continuar no mesmo caminho, é persistir no erro.

    "Simples curiosidade: qual a sua profissão?"

    A seu tempo saberá quem eu sou.

    "E porque mistura futebol com politica?"

    Digam lá o que disserem, em Portugal o futebol e a política estiveram sempre misturados e não foi graças ao FC Porto que tal aconteceu. As relações promiscuas entre o Benfica e o poder político sempre existiram e foi graças a essa promiscuidade que o clube lisboeta tem passado impune aos olhos das autoridades, mesmo perante as evidências de corrupção, tráfico de influências, falsificação, fraude fiscal, etc, etc, etc.
    Como se explica que o clube da Luz tenha andado dois anos a roubar Portugal graças a uma fraude fiscal gigantesca que ascendeu os 2 milhões de contos e, no final, tenha visto o Governo, não só perdoar a multa e os juros de mora, como aceitar acções sem qualquer valor como garantia de pagamento? E como se explica que as autoridades não tenham demonstrado o mínimo interesse em investigar as declarações fiscais falsas que o Benfica apresentou na Liga para poder inscrever jogadores? Enquanto foi presidente do SLB, Vale e Azevedo agiu com toda a impunidade. Foi detido um dia depois de perder as eleições para a presidência. Coincidência?

    "Porque acusa um local, quando nesse local, como em todos os outros, até nos que defende, há bons e maus?"

    O seu problema (como o de muitos outros) é personalizar a questão. Eu não tenho absolutamente nada contra si, nem os seus familiares, nem os seus amigos. Protesto, isso sim, contra uma mentalidade, uma filosofia, uma corrente de pensamento difundida por Lisboa através da sua máquina propagandista que aglutina os portugueses em torno dos seus interesses mesquinhos. O Benfica é apenas uma das faces mais visíveis desta realidade.

    ResponderEliminar