sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Lucílio Cup II - A saga continua

Eu poderia começar por falar aqui do golo anulado ao Vitória de Guimarães no último minuto ou do penalty que ficou por marcar a favor dos vimaranenses no decorrer do jogo Guimarães-Benfica a contar para a Taça da Liga. No entanto, tal como aconteceu no texto anterior, não vou aqui falar de erros de arbitragem passíveis de suscitar discussões estéreis que desviem as atenções daquilo que é verdadeiramente importante. Vou apenas focar o óbvio e restringir-me aos factos: neste jogo, houve mais uma agressão que passou impune apesar de ter ocorrido nas barbas do árbitro. Aos 30 minutos, Aimar enervou-se e pontapeou as pernas de um adversário. Mesmo considerando que esta agressão não é comparável à violência com que Luisão agrediu o jogador do Nacional, Salino, não deixa de ser motivo mais do que justificativo para a amostragem de cartão vermelho directo, mas o árbitro, Carlos Xistra, que estava a poucos metros do lance, limitou-se a passar um pequeno raspanete ao argentino do Benfica, lançando às malvas o que ditam as regras do jogo.
A quantidade de situações graves deste género que tem ocorrido em jogos consecutivos do Benfica e a inexplicável benevolência demonstrada pelos árbitros perante agressões óbvias e indiscutíveis, já há muito provou que não estamos na presença de uma mera coincidência mas sim de uma intenção objectiva de proteger a equipa encarnada.
As evidências do proteccionismo por parte dos árbitros à equipa da Luz são tantas que os próprios benfiquistas já perceberam que não possuem argumentos para justificar o que se passa, escondendo-se agora na falácia de que esta protecção ocorre apenas na Taça da Liga e não no campeonato. Ora, este argumento, não só é facilmente desmontável através da análise dos erros de arbitragem que, ao longo do campeonato, ocorreram em favor dos encarnados, como ainda pretende esconder uma realidade: sabendo-se que os cartões vermelhos mostrados em jogos da Taça da Liga representam uma suspensão dos jogadores em jogos do campeonato, é óbvio que as repercussões da passividade demonstrada pelos árbitros nesta competição se estende ao normal desenrolar da Liga. Assim sendo, caso Luisão, Javi Garcia, Maxi Pereira e agora Aimar tivessem sido expulsos como mandam as leis do futebol, não estariam disponíveis, no mínimo, para os próximos jogos do campeonato. Esta é uma verdade de La Palice.
Desde há dois anos que os portugueses vão assistindo a este espectáculo degradante em que uma equipa, patrocinada pela mesma entidade que subsidia a prova, é escandalosamente levada ao colo até à final, graças a uma sequência verdadeiramente inacreditável de erros de arbitragem. A polémica final da época passada, cujo desfecho foi claramente manipulado por um indivíduo que há muito devia ter sido irradiado do futebol, foi um filme de terror que muitos desejaram não ver repetido mas que, infelizmente, terá esta época a continuação da sua saga. Lamentavelmente, aqueles que, em determinadas situações, tanto defenderam a justiça, a transparência e a verdade desportiva, calam-se agora numa atitude cúmplice, auto-denunciando assim a hipocrisia das suas intenções e a mesquinhez dos seus verdadeiros objectivos. Na verdade, de nada valerão as novas tecnologias no futebol português enquanto não existir seriedade por parte de todos os intervenientes e, principalmente, coragem das autoridades para agirem com o mesmo peso e medida em todas as situações, independentemente da cor das camisolas e do poder social, económico ou político dos clubes.

7 comentários:

  1. De facto, o homem é um "animal" de habitos!

    Os Benfiquistas e os Lisboestas já se habituaram às marradelas constantes do autor deste blogue!

    Continua, afinal o Porto e o Funchal tornaram-se nas capitais da palhaçada com os lideres ídolatrados supremos Jardim e Costa, e os seus correligionários!

    OLÉ, carago!

    ResponderEliminar
  2. "Os Benfiquistas e os Lisboestas já se habituaram às marradelas constantes do autor deste blogue!"

    Da mesma forma que os portistas, portuenses e demais portugueses que não se deixam guiar como carneiros pela máquina propagandista lisboeta já se habituaram a ouvir os benfiquistas chamarem "marradelas" às verdades incómodas que não lhes interessa ouvir.
    Aquilo que eu escrevo são factos fundamentados em imagens e apoiados por artigos jornalísticos. Em compensação, as respostas que recebo não passam de frases soltas, geralmente recheadas de insultos, agressões verbais e acusações pessoais sem nexo nem fundamento e desprovidas de toda a lógica.

    ResponderEliminar
  3. Ah, e já agora, palhaços são os pobres de espírito que, em vez de defenderem e lutarem por aquilo que é verdadeiramente seu, preferem idolatrar traficantes de droga e se deixam levar pela propaganda lisboeta para encher os bolsos aos caciques de Lisboa.

    ResponderEliminar
  4. Nada tenho a ver com os comentários que lhe fizeram, mas acha que merece mais?

    Estão apenas ao seu nível!

    ResponderEliminar
  5. A justiça é soberana e verdadeira quando absolve o PC, mas claro que é tendenciosa e falsa quando não acusa o LFV.

    Claro! Abre os olhos!

    Já que o Porto é a capital da pureza vai a Lisboa buscar os caciques oriundos do Porto que lá estão! Abre os olhos!

    ResponderEliminar
  6. "A justiça é soberana e verdadeira quando absolve o PC, mas claro que é tendenciosa e falsa quando não acusa o LFV."

    Não são os tribunais que abrem os processos de investigação. Aqueles que criaram o processo Apito Dourado, esses sim, agiram com dois pesos e duas medidas ao permitir que o presidente do Benfica passasse completamente ao lado de uma investigação séria e profunda, quando os factos apontavam para a existência de actividades altamente suspeitas. Não é preciso pensar muito para compreender que, se o caso Estoril-Gate tivesse sido devidamente investigado, Filipe Vieira e José Veiga teriam muito a explicar perante os tribunais e talvez os benfiquistas estivessem agora a lamentar, não só a perda do campeonato, como a descida à 2ª Divisão.

    "Já que o Porto é a capital da pureza vai a Lisboa buscar os caciques oriundos do Porto que lá estão!"

    O Porto não é a capital da pureza, mas não seja ingénuo ao ponto de pensar que Lisboa é. E se abrir você os olhos, constatará que, não obstante todos terem telhados de vidro, as autoridades de Lisboa só se preocupam com o que se passa acima do Mondego.

    ResponderEliminar
  7. "Estão apenas ao seu nível!"

    Ninguém os obriga a ler o meu blogue. Quem não gosta de ler as minhas opiniões, tem uma solução fácil: vão ler os blogues de adeptos do Benfica onde, com certeza, todos partilham da mesma visão encarnada da realidade. Assim, poderão dormir mais descansados, acreditando que todo o Mundo gira em torno dos ideais benfiquistas.

    ResponderEliminar