quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Lutar como? Só se for na Playstation!

É muito interessante relembrar agora as declarações de Jorge Jesus quando era treinador do SC Braga, proferidas há cerca de um ano atrás, logo após o jogo entre o Benfica e o clube minhoto disputado no Estádio da Luz:
Eu gostava que alguém tivesse a coragem de confrontar o actual treinador do Benfica com estas declarações do antigo treinador do Braga. Afinal, o que teria dito Jorge Jesus, quando era treinador do SC Braga, se visse a CD da Liga suspender um jogador seu por 3 meses devido a uma alegada tentativa de agressão que as imagens não comprovam? E o que pensará ele sobre isso agora? Será que a mudança de "trincheira" fez Jesus mudar de opinião sobre a impossibilidade do Braga lutar contra os "grandes" do futebol português ou manterá a coerência sobre o que disse anteriormente, considerando que os minhotos lutam contra forças superiores?

4 comentários:

  1. já que estamos em maré de lembranças... lembram-se daquela "defesa" do baía em que ele está 2 metros dentro da baliza ? lolol

    ResponderEliminar
  2. Imagino que deve estar a referir-se àquele pseudo-golo do Petit. Não é necessário ser muito inteligente para compreender que a única forma de dissipar completamente as dúvidas sobre esse lance seria através da análise de imagens vídeo obtidas por uma câmara posicionada exactamente no alinhamento da linha de fundo, pois só dessa forma se poderia concluir se a bola ultrapassou, em todo o seu diâmetro, a espessura total da linha de golo. Ora, as imagens do lance que os vários canais televisivos proporcionaram foram obtidas a varias dezenas de metros da baliza e segundo uma perspectiva oblíqua relativamente à linha de fundo, o que, obviamente, as torna inconclusivas. Apenas ficcionando ou conjecturando se pode afirmar que a bola entrou (ou não) na baliza de Vítor Baía e, perante isto, mandavam as mais básicas regras da lógica e do bom-senso (e os princípios do fair-play) que, na falta de provas que comprovassem o erro, se desse o benefício da dúvida a Olegário Benquerença. Não obstante este facto, a corrupta imprensa da Capital, vendida aos interesses do Lobby Lisboeta, tratou imediatamente de apresentar aos olhos do público uma visão completamente distorcida dos factos que, como se esperava, ia ao encontro da perspectiva encarnada. Rapidamente os inúmeros jornais e programas televisivos se encheram de “opinion makers” que, como que munidos de uma extraordinária omnisciência e omnipresença, juraram a pés juntos que a bola tinha de facto entrado na baliza de Vítor Baía, arrastando atrás de si milhões de portugueses que se esqueceram que, se Deus lhes deu o intelecto, foi para pensarem pela sua própria cabeça e não para se deixarem conduzir como um rebanho de carneiros em nome dos interesses mesquinhos de lobbies políticos ou económicos.
    Aquilo que nunca deveria ter passado de mais uma estéril e infrutífera discussão futebolística entre malucos da bola, transformou-se num caso de polícia e Olegário Benquerença passou a ser alvo de uma perseguição impiedosa por parte dos benfiquistas que não lhe perdoam o facto de ter desperdiçado uma boa oportunidade de lhes oferecer um pseudo-golo que, de outra forma, a sua equipa não demonstrava capacidade para alcançar (e que muito jeito lhes faria, pois acabaram por perder o jogo).

    ResponderEliminar
  3. Muito bem escrito.

    E cobrem-se de ridículo quando dizem coisas tipo "2 metros dentro da baliza". Nem nas imagens virtuais é possível ter a certeza que a bola passou completamente a linha:

    http://www.youtube.com/watch?v=LtSiUP41ipM

    ResponderEliminar
  4. "E cobrem-se de ridículo quando dizem coisas tipo "2 metros dentro da baliza"

    É por isso que os benfas são muito infelizes com as mulheres. Não sabem distinguir 2 centímetros de 2 metros e depois sofrem grandes desilusões, LOL!!!

    ResponderEliminar