sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Obrigado Benquerido

Não creio que haja muito a dizer sobre a justeza do cartão vermelho mostrado por Olegário Benquerença a João Pereira em virtude da entrada duríssima que o jogador do Sporting protagonizou sobre um adversário no jogo das meias-finais da Taça da Liga frente ao Benfica. Também não haverá nada a dizer sobre a suspensão de dois jogos imposta pela CD na sequência desse lance, um castigo que me parece normal. Recorde-se, no entanto, que Olegário Benquerença demonstrou uma atitude completamente distinta no jogo Benfica-Nacional, também a contar para a Taça da Liga, quando puniu o Luisão com um simples cartão amarelo depois do jogador benfiquista agredir a pontapé um adversário que se encontrava no chão. Perante isto, a questão que se levanta é esta: que motivações poderão levar um árbitro experiente, detentor da insígnia da FIFA e convocado para o Mundial da África do Sul, a tomar decisões tão distintas perante dois casos igualmente graves? Com que critério expulsa, sem apelo nem agravo, um jogador que tem uma entrada dura no decorrer de um jogo e condescende com outro que, alheando-se completamente da bola, agride intencionalmente um adversário?
Atendendo a que as suspensões originadas por cartões vermelhos mostrados na Taça da Liga são cumpridas nos jogos do campeonato, o Sporting ver-se-á assim impedido de contar com a participação de João Pereira nos próximos dois jogos. O mesmo não aconteceu com o Benfica, uma vez que, graças à estranha complacência de Obrigado Benquerido, perdão, Olegário Benquerença, Luisão passou completamente ao lado de qualquer punição disciplinar.

P.S. - Entretanto, Hulk e Sapunaru já levam onze jogos sem jogar por se terem envolvido em incidentes com "elementos da segurança" da Luz. Dá gosto ver a justiça desportiva a actuar no nosso país...

2 comentários:

  1. Ora aqui está um post pertinente, assim como o anterior.
    Fosse eu jornalista e já tinha três perguntas preparadas para estas personagens do futebol português.
    Ao Benq perguntava-lhe qual o critério de mostragem de um cartão vermelho e depois dele responder (provavelmente citando as regras escritas pela FIFA) perguntava-lhe se nos critérios dele também entra o símbolo cosido nas camisolas dos jogadores.
    Ao J Jesus perguntava-lhe simplesmente se mantém a opinião proferida por ele próprio nesta conferência de imprensa, quando era treinador do Braga.
    Não era de se lhes fazer estas perguntas?

    FC PORTO SEMPRE E PARA SEMPRE

    ResponderEliminar
  2. "perguntava-lhe se nos critérios dele também entra o símbolo cosido nas camisolas dos jogadores"

    É claro que ele responderia que não, mas os actos falam por si. Há qualquer coisa de muito podre por detrás de tudo isto e as autoridades teriam muito que investigar, caso tivessem interesse em fazê-lo.

    "Ao J Jesus perguntava-lhe simplesmente se mantém a opinião proferida por ele próprio nesta conferência de imprensa, quando era treinador do Braga."

    Ora, isso é o que eu gostaria de o ver responder, principalmente se fosse confrontado com o ridículo castigo de 3 meses aplicado ao Vandinho por "tentativa de agressão"!

    "Não era de se lhes fazer estas perguntas?"

    Obviamente que sim, mas há muita falta de coragem e, principalmente, muitos interesses obscuros a condicionar a actuação da comunicação social. O silêncio que se verifica por parte da Direcção portista (e dos outros clubes) perante a pouca-vergonha a que se tem assistido também não contribui nada para o esclarecimento destas situações. O Pinto da Costa está de facto a ficar velho porque, noutros tempos, esta palhaçada não passaria despercebida.

    ResponderEliminar