domingo, 25 de abril de 2010

Caso de polícia

O Benfica está a um ponto de se sagrar campeão mas, quem pensava que já tinha assistido a toda a podridão, toda a batotice que o lobby lisboeta se predispôs a fazer esta época para levar o clube da Luz ao título, desenganou-se ontem ao assistir ao jogo entre o Vitória de Setúbal e o FC Porto. O desespero é tal que esta gente não desarma, não facilita, não corre riscos. A obscenidade, a pouca vergonha, a manipulação da verdade desportiva irá continuar até ao último segundo, até que não existam quaisquer hipóteses matemáticas de o Benfica ver escapar o ambicionado troféu.
Era sabido que Falcao se encontrava em risco de ver o quinto amarelo. Perante este cenário, já se adivinhava que o árbitro Pedro Henriques não deixaria escapar a mais pequena oportunidade para punir disciplinarmente o avançado portista, impedindo-o assim de defrontar o Benfica no Dragão. Restava-nos a esperança de que o bom senso e a consciência imperasse, ou, na falta destes, que o jogador portista fosse mais inteligente do que o árbitro e soubesse escapar a este jogo do gato e do rato que todos sabíamos que iria acontecer. Infelizmente, a falta de vergonha acabou por deitar por terra qualquer tentativa de fuga e o "rato" viu-se encurralado numa armadilha montada a três: o árbitro, que não perdeu a oportunidade de sacar do cartão; o árbitro-auxiliar, que não viu a falta cometida sobre Falcao mas não perdeu tempo a assinalar uma pretensa falta do colombiano; e o jogador do Vitória que, não obstante ter feito falta sobre o adversário, não teve qualquer pudor em lançar-se para o solo agarrado à cara, numa patética simulação de agressão.
A opinião de Jorge Coroado ilustra bem a falaciosa decisão de Pedro Henriques:

«O cartão amarelo é um absurdo, sem razão de ser. Considerando falta, por eventual bofetada, a sanção correcta seria o vermelho e nunca o amarelo. Mas, e curiosamente, quem merecia ser punido seria o jogador do Setúbal que lhe pontapeou a perna direita, cujo desequilíbrio levou Falcao a acertar na cara de Bruno Ribeiro.»

Na próxima jornada, o Benfica terá uma vez mais, a exemplo do que ocorreu durante toda a época graças aos vergonhosos castigos impostos a Hulk, Sapunaru e Vandinho, a vida facilitada na sua deslocação ao Dragão. No final, a intelectualmente corrupta comunicação social lisboeta tratará de enaltecer o "brilhante futebol praticado pelos encarnados" e a "justiça do campeonato conquistado", branqueando ou escamoteando aos olhos do povo a forma fraudulenta como toda a competição foi escandalosa e descaradamente manipulada por manobras de bastidor.
As autoridades possuem os meios para averiguar o que se passa no futebol português. Os meios existem, falta apenas a coragem e a vontade política para acabar definitivamente com esta palhaçada a que todos nós vamos assistindo semanalmente. Trinta e seis anos depois da Revolução dos Cravos, será pedir demasiado que a justiça comece finalmente a agir com o mesmo peso e a mesma medida para todos, ou será necessária outra revolução para que possamos ter uma verdadeira Democracia em Portugal?

9 comentários:

  1. Ainda não deves ter diferido os 3 secos que levaste na final da Taça da Liga! Ou os 75 golos do SLB esta época! Ou as 23 vitórias que temos no campeonato! Ou o milhão de espectadores na Luz!
    Chamas desonesta a comunicação social lisboeta? Mais K7? Mais choro?
    O teu clube é uma tristeza pelos adeptos que tem... se há corruptos no futebol, vai ao Youtube ver quem são!
    A chapada de Falcão não merece amarelo? Pois não, era para vermelho directo? Ou no teu mundinho vale dar chapadas? É que no mundo real não...
    Vai lavar a cara, a ver se te sai essa cor amarelada de quem anda enjoado! E a boca antes de falares do Benfica!
    Tu nem mau carácter és, és um autêntico porco!

    ResponderEliminar
  2. «O cartão amarelo é um absurdo, sem razão de ser. Considerando falta, por eventual bofetada, a sanção correcta seria o vermelho e nunca o amarelo. Mas, e curiosamente, quem merecia ser punido seria o jogador do Setúbal que lhe pontapeou a perna direita, cujo desequilíbrio levou Falcao a acertar na cara de Bruno Ribeiro.» - Jorge Coroado

    As palavras de Jorge Coroado dizem tudo quanto ao cartão amarelo mostrado a Falcao. Só não vê quem não quer ver ou quem for desonesto.
    Esta época ficará marcada por uma sequência de situações extra-futebol perfeitamente inacreditáveis que condicionaram completamente o normal desenrolar da competição. O Benfica não necessitava de ajudas externas para vencer o campeonato, mas está mais do que visto que os seus dirigentes não quiseram correr riscos e trataram de assegurar a conquista do título recorrendo a todo o tipo de subterfúgios. Ninguém que se diz sério pode pactuar com esta situação e é normal que as pessoas exijam a intervenção das autoridades para apurar se a verdade desportiva foi comprometida. Quem não deve, não teme! Se o Benfica nada deve, então nada terá a temer.

    "Tu nem mau carácter és, és um autêntico porco!"

    Os seus insultos nada valem. Demonstram apenas o seu baixo nível e a sua falta de argumentos quando confrontado com as verdades.

    ResponderEliminar
  3. Blá, blá, blá! Pulha, é o que és! E desonesto és tu... também, com os exemplos que tens e defendes não admira! És rasca, pá!

    ResponderEliminar
  4. Meu Caro,
    "O Benfica não necessitava de ajudas externas para vencer o campeonato"
    Aì está algo que ninguém vai conseguir provar. Foram muitas as ajudas para conseguir concluir algo sememlehante. É que acho que necessitava, e muito...

    ResponderEliminar
  5. "Blá, blá, blá! Pulha, é o que és!"

    Cresça. Como cidadão e como ser humano, cresça.

    ResponderEliminar
  6. Memória selectiva ou outros casos de polícia teria havido:

    Xistra diz que Miccoli tentou «tirar desforço»

    26 OUT 06O

    árbitro Carlos Xistra entende que o avançado do Benfica Miccoli tentou «tirar desforço» e, por isso, mereceu o segundo cartão amarelo, que lhe valeu a expulsão na partida de sábado frente ao E. Amadora. A justificação vem no relatório do árbitro, citado pelo jornal «A Bola».
    O árbitro Carlos Xistra justificou o segundo amarelo e a consequente expulsão do avançado do Benfica Miccoli com o facto de o jogador ter tentado «tirar desforço», noticia o jornal «A Bola».

    Citando um pequeno excerto do relatório que o juiz de Castelo Branco fez do Benfica-E. Amadora, o diário desportivo explica que o árbitro não terá gostado da atitude de Miccoli, quando este correu na direcção de Rui Duarte.

    Ainda segundo este diário, os dirigentes do Benfica continuam a insistir que Carlos Xistra cometeu um «erro técnico grave» nesta partida da sétima jornada da Liga, o que impediu que o italiano possa actuar no Dragão no sábado.

    «A Bola» diz mesmo que o Benfica poderá participar à Liga de Clubes, numa «iniciativa mais complexa que a tradicional exposição, uma vez que pode envolver a abertura de um processo de inquérito a Carlos Xistra, com a operacionalidade semelhante à do processo sumaríssimo».

    Caso a Comissão de Arbitragem determine que houve de facto erro técnico, a Comissão Disciplinar da Liga abrirá um processo contra o árbitro que «em última instância, poderá redundar na suspensão» de Carlos Xistra «por um determinado número de jogos».

    O trabalho de Carlos Xistra na partida de sábado foi bastante criticado pelo dirigentes "encarnados" que acusam o árbitro de Castelo Branco de ter expulso de forma premeditada o avançado italiano para que este não pudesse actuar frente ao FC Porto.

    Perante estas acusações, o árbitro está a ponderar se irá avançar com uma queixa para os tribunais contra os responsáveis do Benfica.

    Fonte: http://tsf.sapo.pt/paginainicial/interior.aspx?content_id=751864

    ResponderEliminar
  7. "o avançado do Benfica Miccoli tentou «tirar desforço» e, por isso, mereceu o segundo cartão amarelo"

    "o árbitro não terá gostado da atitude de Miccoli, quando este correu na direcção de Rui Duarte."

    1) Basta ler estas frases para constatar que os casos em análise nada têm de semelhante, uma vez que, no caso do Falcao, o jogador não terá tentado tirar desforço nem correu em direcção a ninguém. Como tal, a comparação é absurda e a argumentação perde credibilidade por falta de sustentação lógica.

    2)Verifica-se que, no caso do Benfica, existe a aceitação do direito de reclamar e até de exigir a abertura de um processo de inquérito sobre a actuação do árbitro. Pergunto-me se, na opinião do participante anónimo, o clube da Luz beneficia de algum regime de exclusividade no que se refere ao direito à indignação, uma vez que parece não concordar que o FC Porto assuma uma postura semelhante quando também ele se sente prejudicado por acções dúbias dos árbitros.

    ResponderEliminar
  8. Meu caro, desde quando a um árbitro se dá o direito de punir uma atitude antes de ela se produzir? Pune por antecipação? É isso? E o ir correr em direcção ao adversário constitui só por si um crime? De facto os lances são dissemelhantes em tudo. No caso do Miccoli, este nem do adversário se aproximou. No caso do colombiano a bofetada deu-se, a intencionalidade, essa sim, poderá ser questionada, mas o árbitro está lá para avaliar situações concretas e não abstractas, como sucedeu com Carlos Xistra, daí a indignação do Benfica.
    Já agora, sugiro nova vigília, muito sinceramente.
    Ah... e regimes especiais sabemos nós quem os tem tido há quase 30 anos.

    ResponderEliminar
  9. Já lá vai o tempo em que podiam agredir a matar adversários em campo...

    ResponderEliminar