quinta-feira, 17 de junho de 2010

Deitem-lhe ketchup!

Não é por acaso que a Costa do Marfim é considerada por muitos analistas como a melhor equipa africana da actualidade. A selecção marfinense pratica um futebol físico e rápido, bem ao estilo africano, aliado a uma capacidade técnica dos seus jogadores bastante acima da média. A típica imaturidade táctica das equipas africanas é aqui, em parte, compensada pela superior orientação de Sven Goran Eriksson, que conseguiu incutir nos jogadores marfinenses uma maior coesão e sentido de posicionamento em campo. Estes factores foram bem visíveis no jogo com Portugal, em que os jogadores nacionais se viram incapazes de ultrapassar a sólida estrutura defensiva montada por Eriksson. Foi notória a estratégia de posicionar os onze jogadores atrás da linha da bola, jogando no erro do adversário e partindo rapidamente para o ataque, mas também a rapidez com que os jogadores marfinenses recuperavam as suas posições defensivas após perderem a bola no sector mais avançado, retirando completamente o espaço para quaisquer tentativas de contra-ataque por parte dos portugueses, o que espelha bem o espírito colectivo implementado pelo treinador sueco. Não é de esperar que, frente ao Brasil, a Costa do Marfim altere a sua estratégia. No entanto, mesmo tendo em consideração o desacerto demonstrado frente à Coreia do Norte, a selecção brasileira possui muito mais soluções de ataque do que Portugal, pelo que não tenho dúvidas de que bastará ao Brasil abrir o marcador para obrigar os marfinenses a adoptar um estilo de jogo bem diferente, oferecendo muito mais espaço para a criatividade brasileira funcionar.

Vistas as coisas com realismo, o empate de Portugal frente à Costa do Marfim não foi um mau resultado. Pior foi, sem dúvida, a exibição: fraca, sem chama e sem soluções, que deixou no ar muitas interrogações quanto ao verdadeiro potencial desta equipa. Ora, para poder continuar  a alimentar esperanças de passar aos oitavos de final, a selecção nacional vê-se agora na obrigação de vencer a Coreia do Norte, partindo desde logo do pressuposto que será muito difícil pontuar frente ao Brasil. O problema é que os norte-coreanos demonstraram, precisamente frente aos brasileiros, que estão longe de ser uma pêra doce. A equipa é rápida nos contra-ataques, tacticamente disciplinada, joga de forma coesa, possui técnica QB e demonstra algo que não é comum encontrar ao nível de selecções: lutam do primeiro ao último minuto de jogo como se não houvesse amanhã. Portugal tem, ainda assim, a vantagem dos coreanos não praticarem um tipo de futebol físico (algo com que os nossos jogadores, decididamente, não se dão bem), preferindo a marcação à zona, o preenchimento de espaços e a antecipação para cortar linhas de passe. Veremos, portanto, se será desta que Cristiano Ronaldo conseguirá "explodir" como todos desejamos e se a selecção nacional conseguirá finalmente condimentar o seu jogo com um bocadinho de... ketchup. Bem precisa, já que a sua última exibição foi demasiado sensaborona.

8 comentários:

  1. Então, porteiro simpático! Lembrou-se de não entrar benfiquistas na sua tasca e agora o negócio esmorece? Não há entusiasmo?

    ResponderEliminar
  2. estamos no defeso de uma época que findou - com túneis, reservas de rotundas antecipadas e afins...
    decorre um Mundial de Futebol, na África do Sul, com a «selecção de todos nós» presente nas melhores 32 de todo o Mundo.
    entretanto, temos as SCUTS para alegrar os bolsos dos nossos governantes e o preço do barril de petróleo a baixar - mas sem este decréscimo se reflectir no meu bolso.
    temos um Sol esplêndido, a convidar uma ida à praia - mesmo durante a semana e para quem vive junto à costa.
    se formos estudantes, estamos em período de exames.

    e, mesmo assim, há "artistas" que persistem em viver no Passado...
    enfim, haja paciência. deve ser da 'silly season'...

    ResponderEliminar
  3. É meus caros,

    Isto nunca mais começa, andamos em banho-maria e nem podemos ir a banhos não vá o tempo mudar e trazer gripes e constipações.
    No futebol como na política hoje é e amanhã já não é, embora ultimamente seja mais hoje não é e amanhã já é. Foi assim com a recessão, com a subida de impostos, vai ser com a portagem nas SCUTS, com a venda do Di Maria e esperamos não o seja com a venda do Falcão.
    A selecção, já o disse, tenho muita pena que não possa contar com Bosingwa, Nani e Pepe na máxima força e de uma vez ou afirmava C. Queirós ou acabava com o mito eterno.
    Para terminar meu caríssimo administrador, é quando o negócio esmorece que devemos aumentar a qualidade de produto/serviço oferecido e não o contrário, não opte por incluir "mercadoria chinesa"
    Saudações PORTISTAS

    ResponderEliminar
  4. "Lembrou-se de não entrar benfiquistas na sua tasca e agora o negócio esmorece?"

    As únicas coisas que aqui deixaram de entrar foram a ignorância e a imbecilidade.
    Porque não aproveita esta altura, em que o tema do dia é a selecção nacional, para escrever alguns comentários com algum sentido, fundamento e inteligência, em vez de persistir nessa postura de provocação infantil?

    ResponderEliminar
  5. Ninguém diria! Limpe o espelho, rapaz.

    ResponderEliminar
  6. "Ninguém diria! Limpe o espelho, rapaz."

    Cresça.

    ResponderEliminar
  7. @ Marinho

    porque é que não vais reservar uma rotunda para o título de campeão nacional de juniores sub-19?

    ou então, porque é que não vais comemorar a vitória do teu clube sobre o Zbording, no terceiro jogo para se decidir o campeão nacional de futsal de 2009/2010?

    ou melhor ainda: porque é que não crias o teu próprio blogue sobre o «glorioso» universo das «gloriosas» papoilas saltitantes e deixas este em paz e sossego?

    são só três modestas sugestões.

    saudações PENTACAMPEÃS!

    ResponderEliminar
  8. Olá Marinho,

    Seja bem (re)aparecido!

    "para cada nome que vocês invocam nós temos 6 ou 7 para vos recordar"

    Não se esqueceu disto, pois não?!

    ResponderEliminar