segunda-feira, 12 de julho de 2010

Dino Supremo

Portugal não saiu da África do Sul de mãos a abanar. Ganhamos a Taça? Claro que não. O Cristiano Ronaldo ganhou o prémio de melhor jogador? Nem por sombras. O Hugo Almeida ou o Liedson ganharam o prémio de melhores marcadores? Longe disso. O Eduardo foi eleito o melhor guarda-redes? Nem isso, sequer. Mas foi um português que foi considerado o FIFA's World Cup 2010 Best Supporter numa votação realizada no FIFA.com. É esta a nossa sina: não ganhamos nada, mas somos vistos como... os maiores cromos.

13 comentários:

  1. Companheiros,

    Pinto da Costa passou mais uma vez a perna ao Orelhas.

    Sei que amanhã Ramires será apresentado nas Antas. Ele está neste momento em La Corunha e deve dirigir-se para o Porto na tarde de Domingo.

    A negociação que o idiota do presidente dos galináceos fez com Kia Joorabchian abriu portas a uma saída por 15 milhões para qq clube. Essa foi uma das condições que Kia impôs para o negócio.

    O Kadafhy dos Pneus aceitou porque nunca pensou que o FCP fosse capaz de bater os 15 milhões por 50% do passe e nem pensou que Kia tivesse feito o negócio com o acordo já feito com Pinto da Costa.

    O Porto compra para já 50% do jogador e compromete-se a comprar os outros 50% em parcelas por 10 milhões até ao final da época de 2011/2012.

    Tanto Kia como PdC esperam que o jogador valorize e creça, podendo ser vendido em 2 ou 3 anos por 40 a 50 milhões de euros.

    PdC arrisca muito mas rouba os melhores jogadores ao Benfica e Sporting, garantindo um meio-campo de luxo.

    Seremos campeões contra tudo e contra todos!!!!

    ResponderEliminar
  2. Roubar pagando

    Vai tomar banho, seboso

    ResponderEliminar
  3. "Não precisam fazer propaganda do que vocês efectivamente são os maiores e com muitas bandeiras."

    Nesse aspecto, dou-lhe inteira razão. Não precisamos de propaganda, ao contrário do clube do regime que não vive sem ela. Parabéns pela lucidez.
    Quanto ao resto, apenas continuo a lamentar que a promiscuidade do Benfica com o poder político continue a impedir que as autoridades de Lisboa investiguem a podridão que grassa em torno do clube da Luz, pois, se a verdade viesse ao de cima, então veríamos quem é que na realidade tem mais jeito para roubar neste país.

    ResponderEliminar
  4. "...autoridades de Lisboa investiguem a podridão que grassa em torno do clube da Luz, pois, se a verdade viesse ao de cima, então veríamos quem é que na realidade tem mais jeito para roubar neste país...."

    Maiiii nada!

    ResponderEliminar
  5. Não conseguem mesmo perceber que não estão acima de ninguém e que em muitos aspectos até são piores... como na honestidade!

    Vão protestando ao ritmo dos factos que mostram que estão enganados!

    Vocês é que estão bem, os outros em maioria, é que estão mal.

    Mais ainda, só vocês é que estão bem!

    ResponderEliminar
  6. Caro Sr. Armindo,

    As autoridades da Lisboa nada mais fazem do que investigar. Só que tiveram azar, começaram pelo Norte e não conseguem sair do Porto, é trabalho que nunca mais acaba.

    Descanse que vão chegar a Lisboa, um dia, quando muita coisa mudar no Porto. Não é preciso mudar tudo, que há aí muito de bom, o pior é o resto.

    É o problema da justiça branda que deixa escapar quem prevarica continuando os mesmos sempre a prevaricar, depois o trabalho não acaba.

    É no que dá quando se declaram certas inocências.

    ResponderEliminar
  7. "As autoridades da Lisboa nada mais fazem do que investigar. Só que tiveram azar, começaram pelo Norte e não conseguem sair do Porto, é trabalho que nunca mais acaba."

    As autoridades não precisam de sair do Porto simplesmente porque também existem autoridades em Lisboa. A diferença está na forma de actuação de ambas.
    Existem demasiados interesses políticos envolvidos para que as autoridades de Lisboa tenham a liberdade de investigar o que de podre se passa em torno do clube da Luz, pois todos sabemos que, no dia em que fossem abertos processos de investigação sobre o Estorilgate ou o Campeonato dos Túneis, muita coisa iria acontecer que, com certeza, não iria agradar a milhões de adeptos encarnados. Qual é o Governo que se pode arriscar a mexer com tamanho vespeiro?
    Não foi por mera coincidência que o Vale e Azevedo se deu ao luxo de cometer todo o tipo de crimes enquanto dirigente encarnado e só foi preso pela PJ exactamente no dia a seguir a ter perdido as eleições. É óbvio que existiu aqui a intenção clara por parte das autoridades de proteger o clube de qualquer envolvimento com os actos do seu ex-presidente, salvaguardando-o assim das consequências de tais actos. No entanto, a mesma actuação não se verificou com o Boavista, que se viu seriamente prejudicado pelos alegados crimes cometidos pelos Loureiros, mesmo quando os mesmos já haviam deixado a presidência do clube há muitos anos. Este é apenas um dos muitos exemplos da dualidade de critérios das autoridades portuguesas. Nenhum cidadão português pode aceitar esta situação, pois o mesmo significa pactuar com a viciação da Justiça em nome dos interesses mesquinhos de Lisboa.

    "É o problema da justiça branda que deixa escapar quem prevarica continuando os mesmos sempre a prevaricar, depois o trabalho não acaba."

    Em primeiro lugar, não me parece que seja da sua competência julgar seja quem for e muito menos pôr em causa as decisões dos tribunais, apenas pelo facto das mesmas não irem ao encontro das suas vontades pessoais. Para todos os efeitos, todos os dirigentes que foram constituídos arguidos dos vários processos conexos ao Apito Dourado foram ilibados dos crimes que lhes eram imputados. Ora, se as provas que existiam dos crimes alegadamente cometidos por tais dirigentes fossem efectivamente indiscutíveis, com certeza nenhum tribunal encontraria legitimidade para ilibar, não lhe parece?
    Em segundo lugar, se você se preocupa verdadeiramente com a verdade e a justiça, não será muito mais legítimo que, em vez de se preocupar com aqueles que, tendo sido alvo de processos judiciais, foram ilibados em tribunal, se preocupasse com aqueles que, não obstante terem sido apanhados nas escutas telefónicas a encomendar árbitros, conseguiram sair airosamente dessa situação sem terem sido sequer alvo de um processo de investigação? Não lhe parece que a impunidade de que estes dirigentes parecem gozar junto das autoridades de Lisboa, designadamente da PJ e do Ministério Público, é muito mais preocupante sob o ponto de vista da justiça e da verdade?

    ResponderEliminar
  8. "Em primeiro lugar, não me parece que seja da sua competência julgar seja quem for e muito menos pôr em causa as decisões dos tribunais, apenas pelo facto das mesmas não irem ao encontro das suas vontades pessoais."

    Não me parece que tenha moral para escrever essa frase. Também não é, COM TODA A CERTEZA, da sua ... competência ... julgar seja quem for.
    Já se esqueceu que concorda com os tribunais quando absolvem segundo o seu critério e critica o ministerio publico quando indicia em sentido contrário às suas preferências.
    Sem esquecer a minha obvia subjectividade (eu reconheço porque existe em qualquer opinião), vou vendo factos que são o indiciar constante de certas pessoas e a sua subsequente absolvição. Alguém está de certeza errado, e como aparte as preferências clubisticas vejo acontecer mais ou menos o mesmo noutras áreas, preocupo-me com a (falta) de justiça.
    No meio de todos os casos, os do futebol são os menos graves, na minha optica.

    A proposito: o Vale e Azevedo foi condenado, cumpriu pena, e ainda tem mais para cumprir e tem o Benfica contra ele. Para mim as condenações que teve foram brandas, mas ainda foi condenado, coisa que outros não foram por que são ... inocentes??????

    ResponderEliminar
  9. "Já se esqueceu que concorda com os tribunais quando absolvem segundo o seu critério..."

    Falso! Eu concordo com os tribunais quando absolvem ou condenam, independentemente do meu critério. Por exemplo, se o presidente do Benfica fosse alvo de um processo em tribunal por tráfico de influências e acabasse ilibado, eu aceitaria a decisão. Você, pelo contrário, é que parece não concordar com a actuação dos tribunais quando estes decidem contrariamente aos seus desejos.

    "e critica o ministerio publico quando indicia em sentido contrário às suas preferências."

    Falso! A minha crítica ao Ministério Público não é nem nunca foi dirigida pelo simples facto deste ter indiciado em sentido contrário às minhas preferências. É, isso sim, pelo facto de indiciar uns e não indiciar outros, demonstrando assim uma gritante e inaceitável dualidade de critérios.

    Ao Ministério Público, assim como aos tribunais, exige-se que actuem com idoneidade e isenção. Ora, quando vemos um Ministério Público a abrir processos de investigação e a constituir arguidos determinados dirigentes desportivos com base em escutas telefónicas, enquanto outros se dão ao luxo de serem apanhados nas mesmas escutas a encomendar árbitros e conseguem sair de tudo isto sem a mais pequena beliscadura, é óbvio que algo de muito podre se passa no nosso país. Nenhum cidadão que se preze pode concordar com tamanha disparidade de critérios na aplicação das leis.

    "A proposito: o Vale e Azevedo foi condenado, cumpriu pena, e ainda tem mais para cumprir e tem o Benfica contra ele."

    Em primeiro lugar, você está a fugir à questão. O problema que eu coloquei prende-se com o facto das autoridades terem, convenientemente, esperado que o Vale e Azevedo perdesse as eleições no sentido óbvio de proteger o clube de qualquer envolvimento nos crimes que eram imputados ao seu ex-presidente. Se compararmos essa atitude com a que as autoridades tiveram relativamente ao Boavista, constata-se facilmente que existiu aqui uma clara discrepância de critérios.

    Em segundo lugar, é muito fácil ao Benfica colocar-se na posição de acusador quando o Vale e Azevedo deixou de ser presidente e foi condenado. A verdade é que os benfiquistas estiveram sempre ao lado do seu ex-presidente quando este cometeu todo um conjunto de crimes que foram desde o rasgar de contratos unilateralmente até à fraude fiscal da qual o clube tirou proveitos directos. Há portanto aqui muita hipocrisia nessa postura.

    Em terceiro lugar, não me parece que, aos olhos da lei, o simples facto do Benfica posicionar-se agora contra Vale e Azevedo ilibe o clube das repercussões dos crimes cometidos enquanto presidente. Repare que os boavisteiros também se mostram hoje revoltados contra Valentim e João Loureiro, e, no entanto, nem assim o clube do Bessa deixou de ser punido pelos actos dos seus ex-dirigentes. Será que o Boavista é menos do que o Benfica?

    "Para mim as condenações que teve foram brandas, mas ainda foi condenado, coisa que outros não foram por que são ... inocentes??????"

    Eu não sei se os outros são ou não são inocentes, mas de uma coisa tenho a certeza: foram ilibados em tribunal. Já não tenho tanta certeza (nem você poderá ter) se o presidente do Benfica seria ilibado caso o Ministério Público ganhasse coragem (e decência) de lhe mover um processo de investigação.

    ResponderEliminar
  10. é que dá ir de férias...

    é curioso verificar como o "anónimo" preocupa-se tanto com a Verdade Desportiva e a Justiça em situações que envolvam o FC Porto e os seus dirigentes - utilizando subtilezas como «o indiciar constante de certas pessoas e a sua subsequente absolvição» - e fique todo eriçado quando os mesmos princípios "atacam" o carácter (ou a falta dele) dos dirigentes do clube da águia...

    porque tenho para mim que não devo colocar a minha mão no fogo por nenhum dirigente de futebol e, também que todos os clubes têm os seus "telhados de cristal" reafirmo que continuo a considerar curiosa a forma como esse mesmo "anónimo" tem um gosto especial em persistir no "lançamento de pedras" ao "telhado" do vizinho.
    na minha terra chama-se dualidade de critérios, para ser brando.

    saudações PENTAcampeãs!

    ResponderEliminar
  11. Caro Penta

    Apenas para acrescentar que cá no Norte, terra de montes, serras e pedreiras os telhados sempre foram edificados utilizando o material que a Natureza oferecia, quem inovou na industria vidraceira não fomos nós. Agora - concordando com "não devo colocar a minha mão no fogo por nenhum dirigente" e aqui diria antes desportivo e não "de futebol" - não podiamos ficar cegos e quedos quando outros conseguiram tamanha iluminação com seus famosos vitrais.
    À terra onde fores ter faz como vires fazer.

    ResponderEliminar
  12. @ pois

    acho que não foi só à custa de «vitrais». há muitos «túneis» que também explicam essa mesma «iluminação», «penso eu de que» ;)

    abraço

    ps: em terra de cegos, quem tem olho é rei

    ResponderEliminar