quinta-feira, 1 de julho de 2010

Stewards (só agora!) passaram a agentes desportivos

A Liga de clubes aprovou nesta quarta-feira em Assembleia Geral várias alterações aos regulamentos e acordou a definição dos stewards como agentes desportivos. Sobre este assunto, aqui ficam alguns comentários:


1) O facto de só agora a LPFP ter alterado os regulamentos no sentido de clarificar o estatuto dos stewards vem dar razão ao FC Porto na posição que sempre assumiu relativamente a esta questão. Na verdade, até uma criança compreende que, se os regulamentos fossem, anteriormente, claros quanto à classificação dos assistentes de recinto desportivo como agentes desportivos, não seria necessário vir agora a Liga alterar absolutamente nada.

2) Esta alteração de regulamentos é um reconhecimento implícito de que Ricardo Costa aplicou os castigos a Hulk e Sapunaru com base numa interpretação viciada pois, na altura em que a decisão foi tomada, não existia nada que suportasse juridicamente a ideia de que os stewards deveriam ser considerados agentes desportivos.

3) Tal como defende num comunicado publicado no seu site oficial, o FC Porto foi quem manteve maior coerência no seu discurso ao longo de todo este processo. O clube azul e branco nunca alegou que os seus jogadores não deveriam ser punidos, mas sim que a aplicação dos castigos deveria ser feita em função daquilo que está escrito, preto no branco, nos regulamentos e não nas deambulações filosóficas do presidente da CD que se julga no direito de interpretar as leis a seu bel-prazer e de inventar critérios sabe-se lá com que intencionalidade.

4) Se por um lado é verdade que é desajustado considerar os stewards como "público", não será menos verdade que considerá-los "intervenientes no jogo" roça o ridículo (tal como fez Ricardo Costa para justificar a sua opção de aplicar castigos absurdos aos jogadores portistas). Como tal, perante a ambiguidade dos regulamentos e na falta de um estatuto bem definido sobre o papel dos assistentes de recinto desportivo, mandava o bom-senso e os mais básicos princípios da justiça que a CD arquivasse o processo, deixando que o caso seguisse o seu curso normal na justiça civil.

5) Ninguém tem dúvidas nesta altura que a suspensão de Hulk e Sapunaru, aliada à suspensão de Vandinho, constituiu uma vergonhosa e despudorada manobra de manipulação da verdade desportiva e de ingerência no livre desenrolar do campeonato por parte de Ricardo Costa que teve assim influência directa na competição, retirando-lhe credibilidade.

16 comentários:

  1. Finalmente a lei ficou clara vindo provar que o FCP e as toupeiras portistas não tinham razão.
    Face aos acontecimentos e à oportunidade o órgão competente (que não é o Benfica) não teve dúvidas em considerar os stewards agentes desportivos, argumento que teve por base a justíssima deliberação do CD da Liga.
    Vir agora o FCP invocar coerência com os termos “intervenientes no jogo” não colhe, uma vez que o acórdão do CD Liga sempre usou agentes desportivos, classificação dos stewards que sustentou a decisão que tomou.
    E m conclusão, a deliberação hoje tomada só prova que Ricardo Costa tomou a decisão certa face à indefinição da lei vigente à data que o CJ da Federação por oposição foi ridículo ao considerar os stewards como publico.
    Ao ser aprovada em Assembleia prova que a maioria dos intervenientes na Liga passada estava de acordo com a decisão do CD da Liga.
    Assim sendo, o que roça o ridículo é o autor do blogue continuar com a imbecilidade de justificar o injustificável com os termos “intervenientes no jogo”. Em primeiro porque nunca tal foi usado pelo CD da Liga nem consta no RD ao contrário de “Agentes desportivos”, e em segundo, no limite, até os suplentes que não usados no jogo, não podem ser considerados intervenientes no jogo, porque não intervém. Não é?
    “Na verdade, até uma criança compreende que, se os regulamentos fossem, anteriormente, claros quanto à classificação dos assistentes de recinto desportivo como agentes desportivos, não seria necessário vir agora a Liga alterar absolutamente nada. Na verdade, até uma criança compreende que, se os regulamentos fossem, anteriormente, claros quanto à classificação dos assistentes de recinto desportivo como agentes desportivos, não seria necessário vir agora a Liga alterar absolutamente nada.”
    Pelos vistos o autor do blogue, já se esqueceu que ambos os órgãos denunciaram a falta de clareza da lei e ambos decidiram pelo que acharam mais adequado.

    ResponderEliminar
  2. "Finalmente a lei ficou clara vindo provar que o FCP e as toupeiras portistas não tinham razão."

    Esta sua afirmação é um contra-senso. Se você começa por afirmar que só agora a lei ficou clara, então está a reconhecer implicitamente que antes não o era. Logo, está a dar razão ao FC Porto quando este afirmava que Ricardo Costa não tinha legitimidade jurídica para aplicar os absurdos castigos de 3 e 4 jogos aos jogadores portistas, baseando-se num pressuposto que os regulamentos, pura e simplesmente, não clarificavam. Aliás, foi exactamente nesse princípio que se baseou a decisão do CJ da Federação de revogar os castigos anteriormente aplicados pela CD.

    "argumento que teve por base a justíssima deliberação do CD da Liga."

    Nenhum juiz tem o direito de aplicar castigos com base em meros pressupostos. Ricardo Costa viciou a interpretação da lei, retirando conclusões que nela não existiam. Logo, a sua decisão nunca poderá ser considerada justa, mas sim uma viciação da verdade em nome de interesses obscuros que deveriam ser devidamente investigados pelas autoridades portuguesas.

    "o acórdão do CD Liga sempre usou agentes desportivos, classificação dos stewards que sustentou a decisão que tomou."

    Mais uma vez, você dá um tiro no pé ao reconhecer que a decisão da CD se baseou num pressuposto que só agora consta nos regulamentos. A função do Ricardo Costa é aplicar os regulamentos de acordo com o que neles está definido e não inventar novas leis com base nas suas interpretações pessoais.

    "Pelos vistos o autor do blogue, já se esqueceu que ambos os órgãos denunciaram a falta de clareza da lei e ambos decidiram pelo que acharam mais adequado."

    E pelos vistos você esquece-se (ou finge esquecer-se) que o CJ justificou a posição que tomou com base no princípio de que, sendo a lei ambígua ou permitindo dualidade de interpretações, deve o tribunal decidir-se por aquela que constitui a menor pena para o arguido. Este princípio básico da justiça não foi seguido por Ricardo Costa, o que vem levantar ainda mais suspeitas sobre as verdadeiras intenções que estarão por detrás de toda a sua actuação neste processo.
    O Ricardo Costa agiu sempre de forma contrária àquela que deve ser a actuação de um juiz isento e idóneo: viciou a interpretação dos regulamentos de forma a retirar falsas conclusões e optou por punir os arguidos com a moldura penal mais pesada. Graças a esta atitude, interferiu directamente com o normal desenrolar do campeonato, influenciando o livre desenrolar da competição. Por esse motivo, existem óbvios e justificados motivos para uma investigação profunda por parte das autoridades. Se Ricardo Costa agiu de forma legal, então nada terá a temer. Pelo contrário, se agiu de forma ilícita, então terá de arcar com as consequências do seu crime e responsabilizar-se pelos prejuízos causados ao FC Porto e seus jogadores.

    ResponderEliminar
  3. @ anónimo

    «Assim sendo, o que roça o ridículo é o autor do blogue continuar com a imbecilidade de justificar o injustificável com os termos “intervenientes no jogo”»

    1) fica muito feio e é de muito mau tom entrar na casa dos outros a insultar (gratuitamente) quem nos recebe.

    2) não gostas do que lês? desagrada-te? consideras que és o dono da Verdade - mesmo a desportiva? então, cria um blogue e expressa nele o teu sentir - mesmo que seja ridículo, bacoco e demagógico. já para não referir o distorcer da Realidade - mas isso é "algo" inerente a alguém que só vê, pensa e sente o «glorioso» e não consegue distinguir a árvore da floresta.

    saudações PENTACAMPEÃS!

    ResponderEliminar
  4. LOL! Very! A inteligência p(l)asmada em mais um número de saltos mortais e piruetas. O circo continua a ser o maior espectáculo do mundo.

    ResponderEliminar
  5. @ Marinho

    é curioso verificar como há "artistas" que não dispensam "comprar bilhete" para esse mesmo «circo», por muito que não gostem do "espectáculo".

    ResponderEliminar
  6. Uma vez mais o autor só comenta o que lhe convém!

    Demagogia de que quem se julga ... melhor que os outros!

    Se o julgamento do CD da liga fosse considerado uma injustiça, a ASSEMBLEIA não tinha conseguido aprovar de ânimo leve a lei actual.

    Fica este deixa, só para reflexão!

    ResponderEliminar
  7. OK!

    Você fica com a sua, e eu com a minha! Perante a indefinição, a decisão agora tomada, revela que estão mais comigo do que consigo! Mas isso não importa.

    Espero que na próxima epoca não haja necessidade da lei, agora clarificada, para qualquer dos clubes!

    ResponderEliminar
  8. "Se o julgamento do CD da liga fosse considerado uma injustiça, a ASSEMBLEIA não tinha conseguido aprovar de ânimo leve a lei actual."

    Essa é uma falsa questão, levantada por gente desonesta que pretende branquear o que de grave se passou por detrás da actuação da CD: a viciação dos regulamentos graças a uma interpretação pessoal dos mesmos por parte de Ricardo Costa. Não deixa de ser curioso que você me acuse de achar que sou mais do que os outros, mas admita que Ricardo Costa tenha passado por cima daqueles que tinham, esses sim, o direito de decidir sobre a alteração dos regulamentos.
    Eu também acho que os assassinos deviam ser condenados a prisão perpétua e não apenas a uma pena máxima de 25 anos, mas não será por isso que os tribunais passarão a decidir dessa forma, por muitos que sejam os portugueses que até possam concordar comigo. Não é pela vontade pessoal dos juizes, nem tão pouco dos cidadãos, que se aplicam as penas, mas sim com base naquilo que está definido, preto no branco. De outra forma, este país virará uma anarquia, em que qualquer juiz decidirá em função dos seus próprios critérios.
    Se os regulamentos estão errados ou omissos, então devem ser alterados em sede própria por quem de direito (tal como agora aconteceu). Nenhum tribunal (e muito menos uma comissão disciplinar) tem o direito de passar por cima daqueles que detêm o poder de deliberar sobre os regulamentos (neste caso, os clubes), aplicando castigos com base em leis inexistentes. Ora, a decisão de Ricardo Costa foi tomada com base numa lei que, pura e simplesmente, ainda não existia. Perante este cenário, são questionáveis os motivos que moveram o presidente da CD a agir dessa forma.

    ResponderEliminar
  9. "Espero que na próxima epoca não haja necessidade da lei, agora clarificada, para qualquer dos clubes"

    Eu espero é que, havendo necessidade de aplicar esta ou qualquer outra lei, a CD tenha a dignidade e a honestidade de honrar a função para a qual foi eleita, aplicando as penas expressamente de acordo com o que se encontra definido nos regulamentos e não na interpretação viciada dos mesmos, ditada por interesses obscuros.

    ResponderEliminar
  10. "Eu espero é que, havendo necessidade de aplicar esta ou qualquer outra lei, a CD tenha a dignidade e a honestidade de honrar a função para a qual foi eleita, aplicando as penas expressamente de acordo com o que se encontra definido nos regulamentos e não na interpretação viciada dos mesmos, ditada por interesses obscuros."

    Desta vez temos, segundo o seu ponto de vista, alguém acima de qualquer suspeita atendendo às várias proveniências.

    Portanto se se queixar, não devem ser os interesses de Lisboa ou do Benfica, mesmo que decididos por alguém do ... Porto e FCP. OU será que serão?

    ResponderEliminar
  11. @ Marinho

    «Eu espero é que, havendo necessidade de aplicar esta ou qualquer outra lei, a CD tenha a dignidade e a honestidade de honrar a função para a qual foi eleita, aplicando as penas expressamente de acordo com o que se encontra definido nos regulamentos e não na interpretação viciada dos mesmos, ditada por interesses obscuros.»

    se é este o seu ponto de vista, então porquê tanto 'burburinho' da sua parte e tanto cinismo sobre uma decisão que teve uma pena que extrapolou - e de acordo com as suas próprias palavras - «o que se encontra definido nos regulamentos»?

    talvez seja porque os jogadores que prevaricaram foram do FC Porto, certo? e há que castigá-los e puni-los severa e exemplarmente para que (todos) os outros não sigam o seu mau exemplo, certo? pois... a este tipo de pensamento chama-se justiça justiceira, ao invés de verdade desportiva. de relembrar que houve um outro órgão colegial - o Conselho de Disciplina da FPF - que pensou exactamente o mesmo.

    em resumo: só nos convém o que interessa para as nossas cores porque "pimenta no rabiote dos outros é refresco para mim". o problema residirá quando a pimenta começar a "queimar" noutros rabiotes que não lá para os lados do Dragão...

    ResponderEliminar
  12. Oh Penta, mas você anda a sonhar comigo? Eu venho ao "circo", e pago o mesmo bilhete que Vexa, mas isso não lhe permite sonhar comigo. Sonhe com o Noddy, até porque isso melhorará a sua argumentação: em vez de ter sempre a mira assestada ao SLB, passará a disparar contra os promotores do Cabaz do Natal ao SatéliteCP. Ou o Miguel Sousa Tavares enganou-se outra vez?

    ResponderEliminar
  13. "se é este o seu ponto de vista, então porquê tanto 'burburinho' da sua parte e tanto cinismo sobre uma decisão que teve uma pena que extrapolou - e de acordo com as suas próprias palavras - «o que se encontra definido nos regulamentos»?

    Desde quando é que os regulamentos definiam o papel dos assistentes de recinto desportivo, vulgo "stewards", como agentes desportivos, se só agora foram alterados pela Liga de Clubes nesse sentido? Você é assim tão limitado de inteligência que ainda não percebeu que é essa a questão fulcral neste caso, desde o início?

    ResponderEliminar
  14. Eu venho ao "circo"

    Tu só vens a este "circo" porque qualquer "circo" precisa de palhaços.

    ResponderEliminar
  15. @ Marinho

    a tua presunção é tanta que pensas que sonho com homens, tal como tu...
    se a tua argumentação é essa, estamos conversados.

    já agora, sonhar com o Noddy é um pouco pedófilo, na minha opinião. para além de que será sempre virtual. mas, tu lá o saberás porque escolheste esse personagem da ficção infantil. mas que não abona em nada a tua imagem, para mim não abona.

    @ anónimo de 07 de Julho das 13:29

    precisamente o que eu penso.
    bem-vindo! é sempre um prazer sentir que estamos em sintonia .

    já agora, assume a tua identidade. afinal, como há um palhaço em cada anónimo que por aqui gravita, não te ficaria nada mal e sempre serias um palhaço mais feliz. e com "eles" no sítio, também.

    @ anónimo de 07 de Julho das 13:20

    «limitado de inteligência» és tu e quem te fez, que não ponderou, sequer!, que a sua descendência seria tão cobarde ao ponto de não admitir um simples registo para emitir uma opinião/comentário. e isto para não descer ao teu nível rasca...

    ResponderEliminar
  16. Meus caros amigos,

    Vocês não acreditam!!!

    ResponderEliminar