segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Terceira análise da pré-época: o treinador

Sinceramente, não me agradaram absolutamente nada as declarações de Villas-Boas no final dos jogos de Paris. Não sou daqueles que acha que existem assuntos "tabu" no futebol e aceito que um treinador refira todos os aspectos que considera importantes, mas não concordo que determinados argumentos sirvam de pretexto para deixar de falar naquilo que é verdadeiramente importante.
Todos nós vimos que o árbitro foi demasiado... francês. Pactuou com o jogo viril dos jogadores do Bordéus evitando agir disciplinarmente, assinalou faltas e faltinhas ao FC Porto em tudo quanto era lance dividido e, por fim, validou o golo do empate dos franceses fazendo vista grossa a uma falta evidente de Ciani que, descaradamente, foi empurrando tudo o que lhe apareceu à frente, incluindo Sapunaru (No outro jogo realizado neste Domingo, também os italianos da Roma manifestaram a sua revolta com o árbitro que permitiu o golo do empate do PSG sete minutos depois do tempo regulamentar, golo esse que valeria a conquista do torneio para a equipa de Bordéus. Nada que não se esperasse...). No entanto, justificar as derrotas e as más exibições com o árbitro, o estado da relva e o calor, soa a desculpa esfarrapada. Interessa agora reflectir sobre o que está mal na equipa e corrigir os erros e é apenas nisso que se exige que Villas-Boas se concentre nesta altura.
Por outro lado, tal como já afirmei aqui antes, não tenho a intenção de fazer (nem concordo que se façam) quaisquer comparações entre Villas-Boas e Mourinho. Quero, no entanto, recordar a todos aqueles que, precipitadamente, já se prestam a exigir a saída do treinador portista devido aos maus resultados da pré-época, que o Special One foi demitido do Benfica ao fim de cerca de três meses por ter sido considerado incompetente, tendo mais tarde ingressado no FC Porto onde conquistou nada mais nada menos do que a Taça UEFA e a Liga dos Campeões. Isto significa que, independentemente de termos o direito de exigir o máximo do nosso treinador e jogadores, é necessário termos a consciência de que para tudo é preciso tempo e ninguém consegue construir uma casa em poucos dias. Por favor, não queiramos implementar no FC Porto a mesma filosofia dos nossos rivais que, motivados pelo desespero de querer ganhar a qualquer custo e pela impaciência de quem já não consegue encarar o futebol como um desporto, vão dando sucessivos tiros no pé, destruindo aquilo que de bom se procura construir.
No próximo sábado teremos o primeiro grande teste à equipa de Villas-Boas. Saibamos apoiar o FC Porto como sempre fazemos e acreditar no valor e competência dos nossos profissionais. No final tiraremos as devidas ilações.

6 comentários:

  1. O Jesualdo era criticado porque não falava da arbitragem; este fala, e é criticado!
    Yes!

    ResponderEliminar
  2. "O Jesualdo era criticado porque não falava da arbitragem; este fala, e é criticado!"

    «Não sou daqueles que acha que existem assuntos "tabu" no futebol e aceito que um treinador refira todos os aspectos que considera importantes, mas não concordo que determinados argumentos sirvam de pretexto para deixar de falar naquilo que é verdadeiramente importante.»

    ResponderEliminar
  3. "motivados pelo desespero de querer ganhar a qualquer custo e pela impaciência de quem já não consegue encarar o futebol como um desporto, vão dando sucessivos tiros no pé, destruindo aquilo que de bom se procura construir". Quem diz a verdade não merece castigo.
    "o Special One foi demitido do Benfica ao fim de cerca de três meses por ter sido considerado incompetente". A ignorância é muito atrevida, ou será mesmo má fé? Vá lá confirmar os seus registos históricos. Ou será que a preocupação é tanta que já nem se importavam se o vosso treinador fosse o Manuel José?

    ResponderEliminar
  4. "A ignorância é muito atrevida, ou será mesmo má fé?"

    Sim, já sabemos que não foi por incompetência mas sim por "incompatibilidade com a Direcção do clube"...

    ResponderEliminar
  5. "O novo treinador do FC Porto, André Villas-Boas, também mereceu um comentário. Mourinho não se mostrou surpreendido pela opção do FC Porto pelo seu antigo adjunto – “no futebol já nada me surpreende” – mas pediu que não comparem o percurso do técnico portista ao seu.

    “Não venham fazer comparações comigo, porque eu quando fui para o FC Porto já tinha trabalho de campo feito, o que é bastante diferente”, argumentou.

    É tão diferente, que aqui os amigos do bibó já te confundem com o Manel Melancia.

    ResponderEliminar
  6. ...Todos nós vimos que o árbitro foi demasiado... francês.

    E meus amigos de que é que estão à espera? No próximo sábado o árbitro nomeado para o jogo vai ser demasiado vermelho...assim eu acertasse no euromilhões como isto vai ser verdade.

    Pois trata-se dum árbitro da confiança dos galinhas e além disso não gosta do FC Porto.
    Ainda não me esqueci daquela miserável actuação deste árbitro em Guimarães na qual permitiu impunemente (autenticamente) agredir o Costinha e o Areias pelos jogadores do Guimarães...!

    ResponderEliminar