domingo, 23 de janeiro de 2011

Gancho de direita

O final do jogo entre o Benfica e o Nacional da Madeira ficou marcado por graves incidentes ocorridos em pleno relvado do Estádio da Luz. As imagens televisivas, entretanto disponibilizadas no Youtube, comprovam que, no meio do sururú que se gerou entre as equipas, o treinador encarnado agrediu Luís Alberto, atingindo-o com a mão na face:


A análise de uma imagem ampliada no preciso momento em que se dá a agressão permite verificar que a mão de Jorge Jesus atinge a face de Luís Alberto com violência, levando o jogador a virar a cabeça.
Entretanto, o clube da Luz veio imediatamente a público alegar que nada de grave se teria passado entre o treinador encarnado e o jogador do Nacional e que o gesto de Jesus não teria passado de um mero... empurrão. Os encarnados foram ainda mais longe, acusando alguns órgãos de comunicação social de estarem a criar uma falsa polémica com o intúito de prejudicar o clube lisboeta. Obviamente, as imagens deitam completamente por terra esta versão, denunciando, isso sim, uma patética tentativa de branqueamento do caso por parte do Benfica.
Ficamos agora na expectativa de ver como irá a Comissão Disciplinar da Liga actuar perante este caso, tendo em conta que o artigo 104 dos regulamentos estipula que os dirigentes que agridam outros agentes (nomeadamente jogadores) são punidos com penas de suspensão de três meses a três anos, prazos estes que, no caso dos treinadores, são reduzidas a um quarto. Tal significa que, em circunstâncias normais, Jorge Jesus não se livraria de uma suspensão de, no mínimo, 23 dias. O problema é que, na base da abertura de um processo de inquérito, deverá estar o relatório do árbitro, o relatório do delegado da Liga no jogo, o relatório das forças policiais, ou ainda, uma denúncia fundamentada. Ora, como a imprensa noticiou hoje que o relatório do árbitro nada refere sobre a agressão e o próprio jogador do Nacional já veio afirmar que o treinador do Benfica se limitou a "empurrá-lo" (provavelmente com receio dele próprio vir a ser punido, uma vez que, como as imagens também comprovam, tentou responder à agressão de Jesus), não será de admirar que este caso não venha a motivar qualquer acção por parte da Comissão Disciplinar. E se a isto juntarmos o facto de alguns órgãos de comunicação social, bem conhecidos pelas suas ligações ao clube da Luz, pactuarem com a tentativa de branqueamento do caso recusando-se a admitir a existência da agressão de Jesus não obstante a evidência das imagens disponíveis, facilmente se prevê que o treinador benfiquista conseguirá sair impune de mais uma lamentável cena de pugilato.
Como todos se recordam, Jorge Jesus levantou recentemente a dúvida sobre como iria agir André Villas-Boas quando o treinador do FC Porto estivesse sob forte pressão. Ora, ao deixar-se envolver nos incidentes com os jogadores do Nacional, acabando mesmo por agredir um deles, Jesus demonstrou afinal que, se há alguém que não sabe lidar com a pressão, é ele próprio, algo que se torna ainda mais evidente se nos lembrarmos que esta não é a primeira vez que o mesmo se vê envolvido em cenas de violência. Há dois anos atrás, Rúben Micael, então jogador do Nacional da Madeira, queixou-se publicamente de uma agressão de que terá sido vítima no túnel da Luz, também protagonizada pelo treinador benfiquista, mas, apesar da denúncia ter sido efectuada perante as câmaras de televisão e de a mesma ter sido referida no relatório da PSP entretanto enviado para a Liga de Clubes, o caso caiu no esquecimento sem que Jesus tenha sido alvo de qualquer processo. 

P.S.- Tenho ainda alguma curiosidade em ver qual será a reacção de alguns comentadores televisivos afectos ao Benfica perante este caso, especialmente a de António-Pedro Vasconcelos que, desde o início da corrente época, tem aproveitado todo e qualquer pretexto para dirigir duras críticas a André Villas-Boas. Veremos agora que voltas irá o realizador cinematográfico dar ao enredo deste filme para branquear a agressão que as imagens evidenciam.

2 comentários:

  1. Caros portistas,
    Deste jogo safam-se os 3 pontos ganhos porque em futebol espectáculo pouco se viu, mas uma coisa é certa as oportunidades mais flagrantes foram criadas quase todas por o FCP como é óbvio e de esperar, apenas faltou mais uma vez, a eficácia da finalização, achei também que quem não esteve muito bem neste jogo foi Varela que esteve muito apagado. Em relação á palhaçada na Mourolândia realmente o que é de lamentar é a falta de tratamento que dão às escaramuças provocadas por elementos ligados ao clube do regime, estes indivíduos passeiam-se impunes no futebol português, isentos da punição adequada, ainda tem a lata de envergar a capa da justiça desportiva. Que nojentos de merda, e os árbitros uns autênticos cobardes que nem mencionam tais incidências no seus relatórios vergonhoso, cagados de merda. Portistas unidos contra tudo e contra todos, seremos CAMPEÕES.

    Cump.
    www.ultrasfcporto.com

    ResponderEliminar
  2. Pelas imagens disponíveis durante a transmissão da TVI, Jorge Jesus intrometeu-se entre Luís Alberto e Franco Jara, ao ver o médio brasileiro a reclamar com o avançado encarnado e agrediu Luís Alberto com uma chapada.

    Meus amigos, desenganem-se porque não vão haver quaisquer castigos.
    Nem o árbitro principal, árbitros assistentes, delegado da Liga e forças policiais viram nada.
    A comissão disciplinar já tinha mudado de canal, e como é óbvio não vai aparecer nenhum interessado a solicitar que seja aberto o tal inquérito disciplinar. A imprensa já está a escamotear esta situação.

    Será que o FC do Porto vai solicitar a abertura de um inquérito ?

    Abraço

    Paulo

    http://pronunciadodragao.blogspot.com/

    ResponderEliminar