terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Leonor, a patetinha

Na passada quinta-feira, Leonor Pinhão escreveu um artigo de opinião no jornal A Bola do qual transcrevo aqui um parágrafo:

«A imprensa noticiou na semana passada a morte do sócio número 3 do Futebol Clube do Porto. Tinha 95 anos; nascera em 1915. É curioso constatar como o FC Porto, que foi fundado em 1893 segundo os seus historiadores oficiais só terá tido dois sócios nos seus primeiros 22 anos de vida. E isto se o sócio número 3, que morreu no final de 2010, tivesse sido filiado no ano em que nasceu».

Leonor Pinhão não tem a obrigação de gostar de António Santos Ferreira Silva, nem tão pouco lhe seria exigido que escrevesse palavras bonitas sobre ele, mesmo na hora da sua morte. Esperava-se, isso sim, que a jornalista tivesse o bom senso de perceber que há alturas em que mais vale estar calada, principalmente quando não se tem nada para dizer.
Servir-se do falecimento do adepto portista como arma de arremesso contra o FC Porto não constitui apenas mais um exemplo do fanatismo doentio e do anti-portismo básico que sempre a caracterizou e que já não causa surpresa a ninguém. É, mais do que isso, uma execrável demonstração de profunda falta de respeito pela família enlutada. E como se já não bastasse a bestialidade de tal acto, ainda temos de levar com o ridículo dos seus argumentos. De facto, é difícil de entender que, no clube da Leonor, não se façam actualizações dos associados (o que em parte explica os mais de 300 mil sócios que afirmam ter, entre os quais se contam inúmeras pessoas que já partiram deste mundo), mas mais difícil é de entender que uma jornalista chegue ao cúmulo da patetice ao fingir desconhecer que no FC Porto (como em qualquer clube normal) são feitas actualizações periódicas dos associados, o que permite aos filiados mais antigos irem baixando na numeração à medida que outros desistem ou morrem. Enfim...

P.S. - Inicialmente, dada a proximidade do falecimento de Pôncio Monteiro, interpretei erradamente que Leonor Pinhão se referia a ele no seu artigo. Corrigido o meu erro (que em nada altera o conteúdo fundamental da minha crítica nem tão pouco justifica a atitude da jornalista Leonor Pinhão), aqui deixo as minhas condolências à família de António Santos Ferreira Silva.

9 comentários:

  1. Essa é que quando morrer ninguém vai dar pela falta dela e provavelmente até terá de ser incinerada pois é de uma toxicidade que nem deve dar para ser simplesmente enterrada.
    Desde já; "Paz à sua inteligência, bom senso, educação e vergonha", pois é tudo algo que nessa senhora(?!) morreu há muito tempo.

    ResponderEliminar
  2. ""Paz à sua inteligência, bom senso, educação e vergonha", pois é tudo algo que nessa senhora(?!) morreu há muito tempo."

    De facto, chamar "senhora" a esse ser execrável é um eufemismo. E quando digo isto não me refiro à sua aparência física (cada um nasce como nasce e ninguém tem nada com isso), mas sim à sua postura tasqueira, arruaceira, provocatória, desonesta e facciosa que vem na mesma linha do seu falecido pai, Carlos Pinhão, e de outros da mesma geração como Alfredo Farinha e Rui Cartaxana, cujos textos eram um insulto para a inteligência humana e um atentado aos mais básicos princípios democráticos em que se deve basear o jornalismo num estado de direito. Houvesse autoridade neste país e há muito que esta mulher veria ser-lhe retirada a carteira profissional. Infelizmente, andamos nós a fazer revoluções em Portugal em nome da liberdade de expressão e da liberdade de imprensa para depois vir esta gente emporcalhar os direitos conquistados com o seu fanatismo doentio.

    ResponderEliminar
  3. Só uma pergunta de quem não leu o artigo da Leonor Pinhão: Pôncio Monteiro tinha 95 anos de idade? Estaria ela a referir-se a um outro sócio? Há qualquer coisa que não bate certo...alguém me pode esclarecer?

    ResponderEliminar
  4. Já encontrei a resposta com uma simples pesquisa no Google:

    http://arganil.eu/index.php?option=com_content&view=article&id=1968:faleceu-o-socio-no-3-do-fc-porto-&catid=74:sao-martinho-da-cortica&Itemid=100156

    Não merece menos respeito que Pôncio Monteiro, só por ser um cidadão anónimo, mas vocês já tinham um bocadinho mais de atencão antes de escrever também. A pressa em atacar tem destas coisas, e o facciosismo é tão grande de um lado como do outro da barricada...repito as minhas palavras escritas em outros comentários: dada a postura extremista e parcial deste blog, não têm legitimidade moral para apontar o dedo a quem quer que seja, mesmo quando têm razão.

    Da minha parte expresso o meu sincero pesar pelos falecimentos de Poncio Monteiro e do sr. António Ferreira Silva.

    ResponderEliminar
  5. "Não merece menos respeito que Pôncio Monteiro"

    Reconheço que, dada a proximidade com o falecimento de Pôncio Monteiro, interpretei erradamente que a Leonor Pinhão se referia a ele. No entanto, tal como você mesmo refere, o facto de se tratar de um cidadão anónimo não o faz menos merecedor de respeito nem justifica a atitude de Leonor Pinhão.

    "A pressa em atacar tem destas coisas"

    Quem atacou foi a Leonor Pinhão. Eu limitei-me a contestar.

    "o facciosismo é tão grande de um lado como do outro da barricada"

    Bom, pelo menos reconhece que a Leonor Pinhão é facciosa, o que já não é mau apesar de se mostrar incapaz de a criticar pela sua atitude. Agora só lhe falta perceber que esse facciosismo é inaceitável numa jornalista.

    "não têm legitimidade moral para apontar o dedo a quem quer que seja, mesmo quando têm razão."

    Você é um cómico!

    ResponderEliminar
  6. Reconheci que a Leonor Pinhão é facciosa e parcial e isso implica obviamente que a estou a criticar pela sua atitude neste caso. De resto, como mais tarde referi, acho que há razões para criticar o seu comportamento.

    O problema é que vocês aqui malham em tudo o que mexe, com o maior dos facciosismos (repito), parcialidade e cegueira clubística. Não é menos que ódio aquilo que move este blog, em que a esmagadora maioria dos comentários são sobre o SLB e não sobre o FCP. E é por isso que digo que não têm moral para criticar, mesmo quando há razões para isso. É que até um relógio parado está certo duas vezes por dia...

    ResponderEliminar
  7. "O problema é que vocês aqui malham em tudo o que mexe, com o maior dos facciosismos (repito), parcialidade e cegueira clubística."

    Seremos nós facciosos, parciais e cegos, ou será você que, pelo seu benfiquismo doentio, se recusa a aceitar os argumentos que aqui lhe são expostos, devidamente fundamentados com factos concretos e opiniões credíveis?

    ResponderEliminar
  8. Posso indicar-lhe uma mao-cheia de comentarios meus neste mesmo blog (e outros se pretender) onde critico sem problemas a direccao do meu clube, e inclusivamente o comportamento de alguns adeptos benfiquistas. Nunca o vi fazer o mesmo aqui em circunstancia alguma. Se sofro de benfiquismo doentio, o que dizer do seu "portismo".

    ResponderEliminar
  9. E mais: a sua definicao de "factos concretos e opiniões credíveis" é no mínimo duvidosa, a avaliar pela generalidade dos posts que aqui são colocados.

    ResponderEliminar