quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Erro de casting

Se a eliminação da Taça da Liga pode ser, em certa medida, considerada como algo de aceitável aos olhos dos adeptos azuis e brancos, já a derrota do FC Porto frente ao SLB constitui uma verdadeira e pesada desilusão para as hostes portistas. Primeiro, porque o FC Porto se apresentava como favorito para este jogo, não só por jogar no seu estádio e perante o seu público, mas principalmente porque já havia demonstrado, por duas vezes esta época, ser clara e indiscutivelmente superior ao rival lisboeta. Segundo, porque, ao contrário da Bwin Cup, a Taça de Portugal foi sempre encarada pelos Dragões como um objectivo principal, um troféu prestigiado e apetecível que os adeptos querem ver mais uma vez acrescentado ao palmarés do clube.
Este resultado negativo de 2-0 impõe-nos agora a obrigatoriedade de ir à Luz vencer por uma diferença de dois golos, sob pena de nos vermos definitivamente afastados da final do Jamor. Ora, se tal tarefa se afigura à primeira vista como complicada,  não será de todo impossível, tal como os resultados dos dois confrontos anteriores entre estas mesmas equipas comprovam. Isto, obviamente, se forem corrigidos os erros cometidos e colmatadas certas fragilidades que a equipa azul-e-branca tem vindo a demonstrar nos últimos jogos. E é aqui, meus caros, que eu coloco algumas dúvidas...
Ao contrário do SLB, que assenta o seu jogo nos rasgos individuais de dois ou três jogadores de qualidade efectivamente acima da média, o FC Porto tem na força do colectivo a sua maior valia. Isto implica que, para que a equipa funcione como uma máquina bem oleada, todas as peças devem encaixar-se perfeitamente, algo que nem sempre tem acontecido. De facto, os erros cometidos por Maicon e Fernando, que de uma forma perfeitamente amadora permitiram ao adversário obter dois golos de forma facilitada, vieram, não apenas comprometer todo o trabalho da equipa, mas deixar a descoberto uma lacuna óbvia do plantel que o jogo colectivo e o bom momento de forma de Hulk têm conseguido disfarçar: a falta de uma alternativa credível a Falcao.
Estranha-se que o FC Porto tenha deixado terminar a época de transferências sem assegurar a contratação de um ponta-de-lança de créditos firmados. Não sei se a responsabilidade desta decisão (ou indecisão) será de André Villas-Boas, por considerar que está bem servido de avançados, ou da SAD, por considerar que os tempos são de apertar o cinto. O que é certo é que este "erro de casting" já comprometeu a continuidade do FC Porto na Taça da Liga e na Taça de Portugal. Esperemos que não venha a comprometer também algum dos restantes objectivos delineados para esta época.

1 comentário:

  1. Tal como critico, devo tambem congratulá-lo quando para tal há motivo. E é sem duvida o caso em relacão a este post. Era bom que não fossem tão raros estes... "rasgos". Espero que estas palavras o possam motivar de alguma forma a continuar mais nesta linha do que na mais habitual guerrilha.

    ResponderEliminar