segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Let's look at the trailer


Em noite de entrega dos Óscares da Academia de Hollywood, Portugal assistiu nauseado a mais um deplorável espectáculo televisivo ocorrido em pleno relvado do Estádio da Luz, um triste e lamentável "trailer" que não passa afinal de um "remake" de um filme já anteriormente visto esta época, protagonizado pelo mesmíssimo "artista".
Esta sequela apresenta menos violência do que o original já que nela não se vislumbram agressões, mas a linguagem insultuosa, a troca de empurrões e as provocações aos adversários (em suma, a peixeirada e a ordinarice...) são uma espécie de imagem de marca deste realizador que já nos habituou ao que de pior se produz no nosso país em matéria de fair-play.
Não sabemos se o facto de as imagens televisivas comprovarem a presença da equipa de arbitragem no meio dos desacatos ocorridos no final do jogo Benfica-Marítimo será suficiente para obrigar os seus elementos a escreverem no relatório aquilo que viram, ou se, na linha dos incidentes ocorridos anteriormente no mesmo estádio no final do jogo com o Nacional, irão uma vez mais fingir que nada viram. Mas, independentemente dos ataques de cegueira (ou cobardia) dos árbitros, este novo episódio televisionado veio comprovar que Jorge Jesus só não sofreu ainda (nem sofrerá) consequências pelos seus actos simplesmente porque as entidades que gerem o futebol no nosso país não querem!
Todos se recordam, com certeza, que esta época já outros treinadores foram expulsos do banco e, consequentemente, suspensos, simplesmente por manifestarem o seu desacordo com as decisões dos árbitros. Não haverá ninguém com um mínimo de bom-senso que, comparando a gravidade dessas palavras com os destemperos de Jorge Jesus, consiga compreender a benevolência até agora demonstrada pela Comissão Disciplinar para com o treinador benfiquista. As imagens televisivas são por demais evidentes e já nada explica o clima de total impunidade de que goza o técnico encarnado. Excepto, obviamente, os intrincados jogos de influência e compadrio que possam ainda existir no seio da Liga, que já na época passada interferiram directamente com o livre e normal desenrolar da competição e que se preparam agora, uma vez mais, para viciar a verdade desportiva em favor da equipa lisboeta.
Jorge Jesus pode refugiar-se nos seus 20 anos de experiência para tentar justificar a sua forma doentia de estar no futebol, mas a sua atitude é a de um homem perigoso e desequilibrado que transpira ódio e violência nos gestos e nas palavras. Acabou-se definitivamente a paciência para aturar semelhante personagem.


P.S. - Após o visionamento das imagens televisivas e da leitura das opiniões manifestadas pelos analistas de arbitragem sobre os lances polémicos ocorridos no decorrer do jogo Benfica- Marítimo, torna-se claro que o árbitro terá decidido bem ao não assinalar grande penalidade favorável aos encarnados e ao invalidar o golo do Benfica. Comprova-se assim que Jorge Jesus não tinha razão absolutamente nenhuma nos protestos que fez durante e após o jogo. Apesar disso, ninguém espera que o treinador encarnado tenha a hombridade de assumir a frio o seu erro, tal como antes fez o seu rival do FC Porto. Para tal é necessário uma força de carácter que Jesus não possui.

4 comentários:

  1. Como não sou hipócrita e só tenho uma cara, aqui estou para reconhecer o óbvio: Jorge Jesus já deveria ter sido castigado. Não se compreendem as accões no fim de dois jogos que ganhou (como se houvesse justificacão para aquilo) e onde não tinha necessidade nenhuma de intervir daquela forma. No jogo com o Nacional não me apercebi de como comecou a confusão, mas com o Maritimo claramente foram os jogadores insulares que rodearam o arbitro e abriram as hostilidades. JJ só tinha que retirar os seus jogadores da confusao e manter-se à parte. De realcar a atitude de Rui Costa e jogadores como Roberto que tiveram a cabeca fria para aligeirar a situacao. Como Benfiquista, envergonham-me estas imagens e não me revejo a mim nem à grandeza do meu clube nestas accões de Jorge Jesus.

    Devo fazer só um ultimo comentario: não quero dizer que concordo com o seu comentário na totalidade. Principalmente com o tom, a linguagem e as extrapolacões que dele faz. Estou-me a limitar ao factos, como tanto gosta de referir. Aliás, a esse proposito, não posso deixar passar um comentário seu no blog do Antonio Boronha há uns dias onde revela de forma clara todo o ódio que sente pelo meu clube, e onde comeca a enumerar factos na primeira metade, mas depois parte para opiniões e teorias distorcendo pseudo-factos e virando a tal "verdade" para onde mais lhe convem. É uma técnica já vista, que quando usada por gente inteligente é muito perigosa. Há quem lhe chame propaganda, você chamar-lhe-á outra coisa qualquer. Como pessoa inteligente que o tomo, gostaria que virasse o espelho com que analisa o Benfica e os benfiquistas para si mesmo, porque estou convencido que veria reflectido nesse comentário o manancial de ódio e a cartilha extremista que Pinto da Costa tanto fez por implementar no seu clube. É por isso que quando escreve sobre JJ "a sua atitude é a de um homem perigoso e desequilibrado que transpira ódio e violência nos gestos e nas palavras" não posso deixar de soltar uma gargalhada irónica.

    ResponderEliminar
  2. Uma pergunta que não tem tido resposta e muito menos aprofundamento: Porque será que Pinto da Costa referiu, e a quê, quando disse no final do jogo de Olhão, que os adversários do Porto andavam a ser aliciados por outros...?! E porque será que a comunicação social não quer mexer sequer no assunto?

    Sobre o tema do post, é uma vergonha a super-protecção oficial e mediática que continua a ser dada aos mouros vermelhos e o branqueamento de agressões durante e no fim dos seus jogos!

    http://longara.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  3. Haja calma, muita calma. O jorge Jesus vai ser castigado... sim, de certeza que vai ser castigado... sim!!! No fim da época e durante o defeso!!!
    Vale um almocinho?!!!

    ResponderEliminar
  4. Todos os dias nós vemos a imprensa lisboeta a enaltecer a brilhante prestação do Benfica no campeonato que leva já não sei quantas vitórias consecutivas. O facto do FC Porto ainda não ter sofrido qualquer derrota na Liga não merece o mesmo destaque, apesar de ter justificado a vinda de uma equipa de jornalistas do Japão para entrevistar André Villas-Boas no mês passado. Curioso, não é?
    Agora, eu pergunto: será que uma eventual suspensão do treinador benfiquista não provocaria uma quebra do rendimento da equipa encarnada? Será que os jogadores não se ressentiriam em campo da falta do lider que, como sabemos, tanto incentivo dá à equipa com os seus gestos e palavras? E isto já para não falar da pressão que exerce sobre os árbitros com as seus constantes reclamações...
    E ainda se queixa o Benfica de ser prejudicado. Perante esta flagrante protecção da Liga, o que aconteceria se fossem beneficiados? Seriam campeões por decreto?

    ResponderEliminar