sexta-feira, 11 de março de 2011

O General Inverno faltou à chamada

Ao longo da sua história, a Rússia foi muitas vezes invadida por vários exércitos como os mongóis, em 1223, os franceses, em  1812, e os alemães, em 1941. Em todos esses conflitos, os russos souberam sempre fazer uso estratégico de um grande aliado seu, a que chamavam "General Inverno", para desgastar os inimigos, pouco habituados e preparados para o rigor do inverno russo.
Mesmo considerando que o historial do FC Porto apresenta algumas vitórias conquistadas sob condições climatéricas bem adversas (das quais se destaca, por motivos óbvios, a Taça Intercontinental conquistada em Tóquio debaixo de um intensíssimo nevão) a verdade é que o frio e a neve já nos pregou partidas bem amargas no passado. Por esse motivo, as temperaturas negativas que se esperavam esta noite em Moscovo eram, obviamente, um factor a temer, mas felizmente o General Inverno desta vez não quis aparecer com a força que lhe é reconhecida. Apareceu apenas um Sargento com uns míseros 7 graus negativos (coisa pouca para os nossos rapazes), daí que os russos, sem o seu histórico aliado, claudicaram frente ao FC Porto, deixando as portas abertas para a passagem dos azuis-e-brancos à próxima eliminatória.
Mas atenção! O CSKA jogou muito bem e, tal como aconteceu em Sevilha, bem podemos agradecer a Helton o facto de não termos sofrido golos. Agora, sem nada a perder, a equipa de Moscovo vem ao Dragão bater-se como se não houvesse amanhã e lembrem-se que eles já demonstraram aquilo que podem fazer fora de casa (o Sporting que o diga). Temos a vantagem de jogar num relvado natural, a temperaturas bem mais agradáveis e perante o nosso público. Há que encher o Dragão pelas costuras e apoiar fortemente a equipa, fazendo regressar as velhas noites de glória europeias que tantas e tantas vezes o FC Porto nos ofereceu. Estou certo de que, se a equipa jogar como pode e sabe, os quartos de final estão já ali ao virar da esquina.

2 comentários:

  1. Parabens ao FCP por uma vitória consistente num campo sempre muito difícil.

    ResponderEliminar
  2. Bom dia,

    Mostramos mais uma vez que perante qualquer adversidade, temos capacidade de adaptação e conseguimos vencer.

    Ontem num relvado sintético, Hulk e James não se adaptaram, e na primeira parte pouco jogo ofensivo produzimos.

    Limitamos-nos a tentar controlar o excelente tridente ofensivo russo, que nos causou imensos calafrios.

    Na segunda parte a partir dos 60 minutos, e depois das alterações de Villas Boas, dominamos o jogo, chegamos à vantagem, e podíamos mesmo ter sido "gulosos" e ter lutado pelo 2 a 0, mas a equipa não quis arriscar, pois o adversário, face à qualidade dos elementos que entraram Nedic e Tosic, também poderia marcar e colocar em risco o excelente resultado.

    Valeu Helton, sempre seguro a transmitir tranquilidade a uma defesa que esteve num excelente nível. Grande exibição de Otamendi, Rolando, Sapunaru e Fucile muito bem. No meio campo Fernando e Moutinho estiveram ao seu nível. Varela entrou muito bem no jogo, tal como Cebola e Guarin foi uma aposta ganha de Villas Boas.

    Agora no Dragão temos de ser mais eficazes do que fomos diante do Sevilha, para marcarmos e não andar na corda bamba até final do jogo.
    Esta equipa russa provou ontem que pela qualidade dos seus atacantes, pode marcar em qualquer campo.

    Nós somos superiores no computo geral e temos uma vantagem que nos permite chegar aos quartos de final.

    Bravos os nossos adeptos que se deslocaram a Moscovo apara apoiar a equipa.

    Abraço

    Paulo

    http://pronunciadodragao.blogspot.com/

    ResponderEliminar