segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Lyon 2 - 1 FC Porto

O FC Porto saiu esta noite derrotado daquele que constituiu o seu último teste antes do primeiro jogo a sério desta temporada, mas, para quem assistiu a esta partida, fica a ideia de que o resultado não condiz exactamente com o que realmente se passou dentro das quatro linhas.
Os dragões foram a equipa que mais oportunidades criou e que mais domínio demonstrou ao longo dos 90 minutos de jogo. Os azuis e brancos criaram inúmeras jogadas perigosas junto da baliza adversária que só um conjunto de condicionalismos - um guarda redes inspirado, um poste salvador e um desacerto generalizado dos avançados portistas - impediu que se traduzissem numa contabilidade de golos favorável aos campeões nacionais. Ora, é precisamente desta constatação positiva - que, com certeza, constituiria motivo de optimismo em caso de vitória - que sobressaem as duas questões de maior preocupação: primeiro, pelo facto do FC Porto se ter mostrado incapaz de traduzir em golos as inúmeras oportunidades criadas; segundo, porque os dois golos sofridos nasceram de erros clamorosos do sector defensivo.

Comecemos pela primeira questão, a dos avançados. Já o disse aqui e insisto: Kléber tem dado mostras de ser um bom avançado, mas não é substituto de Falcao. Quando o adversário coloca o autocarro à frente da baliza como o Lyon fez hoje (e isto é o pão nosso de cada dia na Liga Portuguesa...), a Kléber falta a mobilidade e matreirice de Falcao para aparecer onde menos se espera e desferir o golpe com a mesma letalidade. Ao contrário do colombiano, o brasileiro não se furta ao confronto físico, vai ao choque e disputa as bolas altas com os centrais, o que é excelente quando lhe dão espaço mas que se torna improdutivo numa molhada de jogadores. Varela continua a demonstrar que está muito longe dos níveis físicos que atingiu na época passada e perde imensas bolas, ou porque remata de forma deficiente, ou porque se perde com a bola no meio da defesa adversária. Perante tudo isto, torna-se incompreensível a escolha de Djalma em detrimento de Walter. Independentemente dos quilos a mais que o brasileiro possa ter, este já demonstrou muito mais acutilância e eficiência no momento do remate do que Djalma. O angolano demonstra que não possui o instinto matador de Falcao, a inteligência de James Rodrigues, a velocidade de Hulk ou mesmo a técnica de Varela. Resumindo: não trouxe absolutamente nada de novo para a equipa e pergunto mesmo se a sua contratação (e a insistência na sua inclusão no plantel) não passará de uma vingançazinha de Pinto da Costa pelo litígio que manteve com o presidente do Marítimo no caso da transferência de Kléber, ou, na melhor das hipóteses, uma manobra de marketing da SAD tendo em vista o mercado angolano. Ainda a propósito, todos sabemos que os jovens e talentosos jogadores brasileiros chegam à Europa com os vícios e tiques próprios da juventude, necessitando muitas vezes de tempo de adaptação a esta nova realidade. No entanto, não percebi a não inclusão de Kelvin nesta convocatória, principalmente quando o miúdo demonstrou, nos poucos minutos que jogou frente ao Peñarol, muito mais capacidade e empenho do que Djalma fez no triplo do tempo.
Resta-nos, como sempre, Hulk, o carregador de pianos da equipa, mas que, em dia de desacerto, lança a bola para fora do estádio a cada remate que desfere com o mesmo ímpeto com que o super-herói que lhe é homónimo arremessa os inimigos pelos ares. Refira-se em seu abono que teve pela frente um guarda redes corajoso que, num par de situações, deve ter ficado com as palmas das mãos a latejar perante a potência dos remates que sacudiu, mas nem isso apaga a ideia de que Hulk podia ter feito um bocadinho mais.   

Em relação à defesa, há a salientar que o FC Porto sofreu dois golos nas duas únicas oportunidades dignas desse nome criadas pela equipa francesa ao longo de todo o jogo. E se no primeiro golo a passividade e lentidão dos defesas portistas ainda é disfarçada pelo brilhantismo do nosso querido Lisandro Lopez (que, numa demonstração de respeito pelo seu ex-clube, não festejou o golo), já no segundo tento não há perdão para tamanha falta de concentração de todo o sector defensivo, a começar no Maicon, que falhou o corte, e a acabar em Fernando que fez um passe de morte para os pés do avançado do Lyon. Refira-se aliás que este erro do Polvo foi apenas um (o mais grave, pelas consequências que teve) entre muitas asneiras que protagonizou. É caso para dizer que, se é este tipo de contribuição que tem para dar à equipa, mais vale deixá-lo seguir  a sua carreira noutro clube, como aliás parece ser sua intenção.

Para a história fica uma derrota num jogo a feijões mas que acabou por constituir um teste importante para a preparação da nova época que está prestes a começar, principalmente por ter posto a nu as debilidades que atrás referi e que, como se espera, o treinador será capaz de identificar e solucionar. Não há dúvida de que o plantel do FC Porto está mais rico e apresenta agora mais soluções para as várias posições da equipa, mas nem sempre a maior quantidade se tem reflectido em melhor qualidade. Ressalva-se, obviamente, o importante facto de ainda se encontrarem indisponíveis alguns jogadores que, na época passada, constituíram os pilares da equipa vencedora da Liga Europa (como é o caso de Falcao, Guarín, Álvaro Pereira e James Rodriguez), assim como de vários reforços muito promissores (como Iturbe, Danilo e Alex Sandro), mas, ainda assim, esperava-se que, numa fase de preparação tão adiantada, a equipa fosse capaz de apresentar melhor rendimento. Esperemos que, a exemplo do que aconteceu no ano passado, o jogo da Supertaça, frente ao Vitória de Guimarães, nos catapulte para mais uma época gloriosa, recheada de conquistas nacionais e internacionais.

P.S. - Espanta-me que os designers da Nike (e os responsáveis da SAD que aceitam as suas propostas) ainda não tenham compreendido que as cores escuras dos equipamentos alternativos não são a escolha ideal para as transmissões televisivas. A uma certa distância, o azul escuro confunde-se com o preto e as listas roxas tornam-se pouco visíveis, criando um efeito visual muito pouco atractivo. Curiosamente, tive a oportunidade de ver em alguns blogues sugestões de equipamentos alternativos para esta época, criadas por adeptos que, provavelmente, não possuem qualquer experiência profissional nesta área, mas que me pareciam bem mais interessantes do que o equipamento oficial adoptado.

1 comentário:

  1. Bom dia,

    Ontem fizemos uma excelente exibição sobretudo na primeira metade. Fomos dominadores, acutilantes e só a nossa ineficácia ofensiva, e a valia do guardião francês impediram que iniciássemos a segunda parte a vencer.
    Na segunda parte, a partir do momento que iniciamos as substituições, e retiramos o nosso tridente de meio campo e Kléber que estava a fazer um excelente trabalho no ataque, perdemos fio de jogo e em mais um erro defensivo, acabamos por permitir o golo que deu a vitória do Lyon.

    Destaques para Moutinho e Ruben que efectuaram um excelente jogo. Otamendi e Rolando muito seguros, Sapunaru e Fucile com um jogo excelente.
    Hulk, Varela e Hléber muito bem no ataque, onde só faltou eficácia.

    Souza está a jogar melhor, mas errou no primeiro golo de Licha, mas depois fez um jogo tranquilo.

    Dos que entraram, nenhum esteve ao nível dos que saíram.
    Fernando entrou desastrado, a rematar sem nexo, cada passe que fazia era uma pedrada que atirava aos colegas, e fez aquele disparate que permitiu o golo da vitória do Lyon.
    Não sei se está a jogar contrafeito ou se é das lesões, mas uma coisa é certa, o Fernando que parecia um eucalipto que secava tudo em volta, está muito mal neste início de época, e Souza não é alternativa segura.

    Castro e Djalma dos que entraram foram os que mais batalharam, mas em vão.
    Belluschi está sem ritmo e Ruben ganhou-lhe o lugar.

    Para terminar destaque para o fairplay entre as equipas, a festa nas bancadas, e para Licha que teve um enorme respeito pelo FC Porto ao não festejar o golo. Foi também bom rever Cissokho.

    Um abraço e boa semana

    Paulo

    pronunciadodragao.blogspot.com

    ResponderEliminar