sábado, 10 de setembro de 2011

Glorioso roubo de Duarte Gomes

O que faz o Benfica, época após época, para justificar os seus deploráveis resultados desportivos? Queixa-se da arbitragem, protesta contra a arbitragem, reclama da arbitragem. E o que faz o Benfica, época após época, para justificar as escandalosas arbitragens de que beneficia sistematicamente? Critica o FC Porto, acusa o FC Porto, desvia as atenções para o FC Porto. É sintomático. É recorrente. A postura de queixume e de vitimização está tão enraizada na filosofia do clube lisboeta que se tornou factor intrínseco à própria maneira de estar e de ser benfiquista. A hipocrisia e a desonestidade também.
Na primeira jornada, o Benfica empatou com o Gil Vicente beneficiando de um golo irregular por fora de jogo. Na segunda jornada, viu o árbitro perdoar duas grandes penalidades - uma delas clamorosa - e a expulsão a Maxi Pereira. Hoje, frente ao Vitória de Guimarães, beneficiou de TRÊS! penalties assinalados a seu favor em menos de 10 MINUTOS, dos quais apenas o primeiro não sofre contestação, e ainda viu perdoada uma grande penalidade e novamente a expulsão de Maxi Pereira. Resumindo: em apenas quatro jornadas, o Benfica já beneficou directamente de erros de arbitragem em pelo menos três jogos. Perante este facto, esperava-se que os responsáveis encarnados tivessem algum recato na hora de prestar declarações, mas naquele clube o queixume e a vitimização falam sempre mais alto do que a razão e o bom senso. A hipocrisia e a desonestidade também.
Há uma semana atrás, Jorge Jesus teve o descaramento de vir a público contestar as arbitragens dos jogos do FC Porto, alegando que os penalties assinalados a favor dos azuis e brancos eram injustificados. Hoje, confrontado com os três penalties assinalados por Duarte Gomes a seu favor, mudou radicalmente de discurso. Aquilo que até aqui eram lances banais de contacto físico passaram a ser, na perspectiva do técnico encarnado, motivo incontestável de grande penalidade. Um remate que embate na cabeça de um defesa, também. Nada a que não estejamos habituados, vindo de quem vem.
Se a Justiça em Portugal actuasse com igual peso e medida de Norte a Sul, não tenho dúvidas de que Duarte Gomes iria passar um bom par de horas sentado nas instalações da Polícia Judiciária, tentando explicar a sua deplorável actuação desta noite. Mas, como as autoridades da capital só parecem preocupar-se com o que acontece a Norte do Mondego, não só o árbitro de Lisboa irá passar impune, como ainda merecerá a confiança da APAF para arbitrar um jogo importante da próxima jornada, um merecido prémio pelo papel preponderante que teve na manipulação do resultado deste jogo em favor do clube do regime.

P.S. - Na próxima reunião que Vieira realizar com Godinho Lopes para propor uma estratégia comum na corrida ao poder do futebol português, talvez o presidente do SLB se digne a mostrar o vídeo deste jogo como ilustração do conceito de verdade desportiva que pretende implementar em Portugal. Estou certo de que o presidente leonino ficará elucidado sobre as suas boas intenções.

Sem comentários:

Enviar um comentário