domingo, 11 de março de 2012

E não adianta chorar

O que raio se passa com esta equipa??? Um semana depois de ter ido à Luz derrotar o seu mais directo adversário na corrida ao título, demonstrando estofo e categoria de campeão, o Porto espalhou-se ao comprido frente à Académica e viu voar mais dois preciosos pontos. Assim, meus caros, é difícil!
É realmente inacreditável a forma displicente como a equipa portista consegue desperdiçar 45 minutos de jogo com uma absurda apatia, consecutivos passes falhados e uma falta de imaginação atroz. Apesar do aparente domínio territorial que consegue impor, o futebol é demasiado lento, mastigado, pastoso, ineficaz. Não parecem existir sequer mecanismos e tudo se vai reduzindo a acções individuais que, ora funcionam, ora não, conforme a inspiração momentânea dos jogadores.  Como pode uma equipa com Lucho, Moutinho, Rames e Hulk ficar reduzida a isto? Este tipo de situações é compreensível entre amadores que se juntam ao fim-de-semana para jogar uma peladinha, nunca numa equipa profissional que ocupa a sua semana a treinar!
Deve existir um vírus qualquer no balneário do clube que afecta os avançados, transformando-os em vegetais. Não consigo conceber outra explicação para a atitude passiva de Janko, que parece ter decido roubar a Kléber o papel de avançado mais inútil da história do FC Porto. A quantidade de vezes que o austríaco é apanhado em posição de fora-de-jogo, se deixa antecipar pelos defesas, ou comete faltas sobre os adversários, é demonstrativa de uma confrangedora ingenuidade, imprópria para um jogador da sua idade e com a sua experiência. Sinceramente, começa a assemelhar-se mais a um barrete do que a uma contratação de sucesso.
Fernando tem sido uma das pedras basilares desta equipa e a sua saída por lesão, não só foi extremamente prejudicial no desenrolar desta partida, como constitui uma enorme preocupação para os próximos jogos. Refira-se, aliás, que o colmatar dos jogadores indisponíveis para a próxima jornada irá apresentar-se como mais um enorme desafio para Vítor Pereira. Se o treinador já dá mostras de ser incapaz de preparar eficazmente uma equipa para as normais circunstâncias de um jogo, até tremo só de pensar como irá ele lidar com mais uma adversidade acrescida.
Por último, uma palavra para a arbitragem. Marco Ferreira é mais um daqueles árbitrozitos à portuguesa que entra de peito feito armado em homem, distribuindo uns cartões aqui e acolá com tiques de "quero, posso e mando", mas depois se borra pelas pernas abaixo na hora de tomar decisões importantes. Ainda na primeira parte, assinalou fora da área um corte com a mão que seria penalty, deixou passar em claro um soco na cara de Sapunaru em plena área da Briosa e, mesmo em cima do intervalo, interrompeu erradamente uma jogada de ataque do  Porto em que Hulk se encontrava isolado em frente da baliza. Mas o erro mais grave ocorreu já na segunda parte, quando viu uma simulação de Hulk onde devia ter visto um penalty contra a Académica, mostrando um cartão amarelo que afastará o Incrível do jogo com o Nacional da Madeira. Não sei se o facto de ser madeirense terá pesado na sua decisão, mas o certo é que, num só lance, o árbitro com cara de porquinho-da-índia conseguiu prejudicar duplamente o Porto e só não sai do Dragão com o carimbo de ladrão na testa porque, pelo menos, teve a dignidade de assinalar a grande penalidade já em período de descontos. Um penalty tão óbvio, mas tão óbvio, que nem merecia comentários, não se desse o caso de ser favorável ao FC Porto, o que, aos olhos dos escribas da capital, constituirá sempre uma praia para espairecer o seu anti-portismo primário. Mas afinal, de gente que conseguiu ver no ajeitar da bola com as duas mãos de Cardozo um lance normal, o que mais se pode esperar?

P.S. - Acredito que o afastamento de Hulk do próximo jogo por castigo possa ser uma oportunidade para Iturbe. Infelizmente, a falta de ritmo competitivo do argentino motivada pela quase nula utilização ao longo da época retira-lhe a preparação necessária para constituir uma verdadeira alternativa. É mais uma demonstração da falta de planeamento e de visão da equipa técnica.

3 comentários:

  1. Como é que não sabendo o que o Iturbe vale, podes fazer um comentário destes? Quantas vezes o viste jogar antes de vir para o Porto, e que maravilhosos jogos viste dele quando teve oportunidade de se mostrar?
    A oportunidade terá de ser para o Djalma, que se esforça e não faz beicinho nem vai twittar quando não é convocado...

    ResponderEliminar
  2. Eu já vi o suficiente de Iturbe para saber que este miúdo é de facto talentoso e que, se for devidamente acompanhado, tem um futuro brilhante à sua frente. Apesar da sua tenra idade e fraca experiência, podia perfeitamente ser uma alternativa credível e extremamente útil, principalmente em alturas como esta em que será necessário colmatar as lacunas provocadas pelas lesões e castigos. Além disso, o Porto tem demonstrado muita passividade nos jogos e necessita de jogadores de sangue na guelra, capazes de dar um abanão quando necessário e, por aquilo que vi, Iturbe pode muito bem ser esse jogador.
    Não concordo com as pessoas que alegam que o argentino não aproveitou as oportunidades que lhe foram dadas, pois, além de ter feito uma bela exibição num deles, qualquer jogador precisa de jogar para ganhar ritmo competitivo e não é com dois ou três jogos que o consegue.
    Os desabafos dele no Twitter são naturais para a sua idade e até já vimos jogadores mais velhos terem atitudes bem piores e ninguém os pôs de castigo. Se o Porto não tinha lugar para ele no plantel principal, se a intenção era relegá-lo para terceiro plano, mais valia terem-no emprestado a um clube secundário, tal como fizeram com Kelvin que ingressou imediatamente no Rio Ave.

    ResponderEliminar
  3. Deste Vitor Pereira já estamos habituados a tudo. Também dispensou Atsu, porque era isto, era aquilo, tal como Fucile, Guarin, Sousa, Belushi, Walter, etc e nós continuamos a constatar que ficou sem alternativas. Mesmo nos centrais, que era o ponto forte do Porto, com as suas substituições, criou um clima de desconfiança, que agora é um treme-treme incompreensível nos jogadores que jogam. Não seria muito mais fácil, barato e proveitoso, em vez de desvalorizar os jogadores que dispensa por tuta e meia, dispensar o treinador e colocar o Paulinho Santos até final da época, pelo menos garra teríamos e não viviamos vergonhas de perder com Apoel ou sermos eliminados pelo Zenith.

    ResponderEliminar