domingo, 20 de maio de 2012

E Lisboa ficou a arder

E Lisboa ficou a arder. Não literalmente, como é óbvio, mas em títulos. Foi-se o campeonato, foi-se a Taça de Portugal, foi-se a Supertaça, foi-se a Liga dos Campeões, foi-se a Liga Europa. Salvou-se, como já se tornou hábito, a Taça da Liga que, ano após ano, vai-se assumindo cada vez mais como a tábua de salvação da mediocridade, pelo menos para o lado encarnado da 2ª Circular.
A Académica chegou à final da Taça de Portugal com imenso mérito e, fazendo jus ao seu epíteto, bateu-se de forma briosa com o Sporting, arrecadando o 2º caneco da sua história. Estão de parabéns os "estudantes" e particularmente Pedro Emanuel que conquistou assim o seu primeiro título como treinador principal.
Já se prevê que, amanhã, os leões, alicerçados como sempre na corrupta imprensa lisboeta, se vão atirar com unhas e dentes ao árbitro, transformando-o no bode expiatório de mais uma frustrante derrota. Não têm razão, como qualquer entendido em futebol pôde constatar ao longo dos 96 minutos de jogo, mas isso é pormenor insignificante para quem, desde há muito tempo para cá, se habituou a encontrar nas arbitragens a justificação mais fácil para a sua própria incompetência. Por tudo o que fizeram, os de Coimbra não mereciam uma análise tão redutora e muito menos serem sujeitos ao triste e deplorável espectáculo mais uma vez protagonizado pelo público afecto ao Sporting que, demonstrando mau perder e falta de fair-play, ainda tentaram estragar a festa com insultos, cuspidelas e arremesso de objectos contra a equipa de arbitragem, técnicos e jogadores academistas. Não deixa de ser irónico que a equipa coimbrã, que ainda hoje foi relembrada pelo seu imprescindível papel na luta pela liberdade e pela democracia nos tempos do fascismo, se veja agora vítima de quem, abusivamente, julga que os direitos conquistados em 25 de Abril de 1974 servem para justificar este tipo de comportamentos execráveis dignos de um país terceiro-mundista.

P.S. - Ressalve-se, em abono da verdade, o exemplar comportamento de Sá Pinto que, apesar dos muitos protestos no decorrer do jogo, teve uma postura muito digna no final da partida. Veremos se manterá essa atitude ou se, influenciado pelo ambiente crispado que logo se fez sentir entre os sportinguistas, mudará de opinião já amanhã.

Sem comentários:

Enviar um comentário