quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Mais um deplorável espectáculo com selo SLB

No dia 3 de Janeiro de 2010, o Benfica recebeu o Nacional da Madeira na Luz, em jogo a contar para a Taça da Liga. Com apenas 28 minutos decorridos, Luisão agrediu Salino, que se encontrava no solo, com um violento pontapé. O lance sem bola foi em tudo comparável ao desvario de Pepe que valeu um castigo de 10 jogos de suspensão ao defesa do Real Madrid, mas, apesar da violência da agressão, Olegário Benquerença, que se encontrava a poucos metros de distância, limitou-se a punir o defesa brasileiro com um simples cartão amarelo, o que, não só permitiu ao jogador benfiquista prosseguir em campo, como impediu qualquer possibilidade de lhe ser instaurado um processo sumaríssimo, ficando assim disponível para os encontros seguintes a contar para a Liga Portuguesa.

Este foi apenas um exemplo das várias agressões e desacatos protagonizados pelo capitão encarnado desde a sua chegada a Portugal (facilmente visionáveis através dos muitos vídeos disponíveis no Youtube) e que contrariam completamente a imagem de jogador correcto e leal que a corrupta imprensa da capital procura agora passar para o público na tentativa de branquear mais um incidente grave, desta feita com o árbitro alemão Christian Fischer. Obviamente, a comunicação social estrangeira não pactua com o compadrio obsceno existente entre o Benfica e a imprensa que, infelizmente, é comum no nosso país e que vai permitindo aos dirigentes, técnicos e jogadores do clube lisboeta passarem ao lado de qualquer condenação jurídica ou moral sempre que protagonizam mais um dos seus deploráveis exemplos de mau comportamento, pelo que rapidamente surgiram, de toda a Europa, as mais duras críticas, não apenas à agressão em si, mas também às reacções dos restantes elementos do clube.  
De facto, mais chocante do que a agressão de Luisão ao árbitro foi, sem dúvida, ver a expressão de gozo estampada nos rostos dos restantes jogadores e técnicos encarnados perante o sucedido, algo que só encontra mais uma vez justificação no clima de total impunidade a que se habituaram no nosso país. E como se tal não fosse suficientemente grave, ainda se assistiu ao discurso abjecto de um dirigente que, recorrendo aos mais ridículos argumentos, procurou justificar o injustificável, e a um inqualificável comunicado oficial do clube que, ao ser traduzido e publicado por um jornal alemão, mais não foi que a estocada final na já depauperada imagem do Benfica aos olhos da Europa. Enfim, foi mais um deplorável espectáculo de anti-desportivismo protagonizado pelo clube de Lisboa que, mais do que fazer rir, nos envergonhou a todos nós, portugueses. Ou, pelo menos, aqueles a quem ainda resta alguma noção do ridículo.

Resta saber como irão agora proceder a FIFA ou a UEFA. Caso decidam tomar as rédeas do processo, prevê-se mão pesada para o jogador e para o clube, o que motivará a reacção histérica de todos aqueles que, iludidos pela campanha de viciação dos factos desde logo montada pela imprensa lisboeta, se consideram vítimas de uma cabala do árbitro alemão que age, provavelmente, sob a orientação do omnipresente e omnisciente Pinto da Costa. No entanto, caso os organismos que superintendem o futebol internacional decidam atribuir à Federação Portuguesa de Futebol a responsabilidade de decidir sobre este processo como alguns peritos já deram a  entender que poderá vir a acontecer, o mais certo será virmos a assistir a mais um vergonhoso e cobarde arquivamento sumário, o que permitirá aos jogadores, técnicos e dirigentes encarnados saírem airosamente de mais um triste incidente por si criado. O que esta gente poderá não compreender é que é precisamente este clima de impunidade de que gozam em Portugal que está na origem do crescendo de indisciplina que se verifica no Benfica desde há vários anos, o que, para além do desgaste de imagem que provoca nos adeptos, fartos e cansados que estão destes lamentáveis espectáculos, abre as portas a novos e mais graves incidentes cujas repercussões, mais tarde ou mais cedo, se farão sentir. É que, por muito poderosa que seja a máquina política e propagandista do regime, há sempre um limite para tudo. Até para a pouca vergonha.

2 comentários:

  1. Não sei se será possível o trajecto futurista que traço a seguir para este filme de categoria V(de vergonhoso) mas até seria engraçado que as altas estâncias do futebol dissessem que sim senhor, eles lá na federação portuguesa que apliquem o castigo que achem correcto e depois aqui os amiguinhos e amigalhaços lhe dessem qualquer coisa como uns ridículos 2 ou 3 jogos de suspensão ao jogador e mais castigo nenhum nem a treinador nem ao clube e que por causa de tão escassa punição o arbitro recorresse novamente para estâncias superiores e internacionais e uma vez aí chegados eles perguntassem como raio chegaram a uma pena tão reduzida perante tão grande desvario de jogadores, técnicos e até do próprio clube com os seus comunicados de apoio (e incentivo) a tão reles actos?.

    Aí sim, saber-se-ia na Europa toda o que é a verdade desportiva à moda de Portugal.

    ResponderEliminar
  2. Caro «O Porto é o maior carago».

    Julgo que terá conhecimento desta abstrusa declaração de um ignóbil advogado, fanático do S L Benfica!
    Ora leia;

    A teoria de Pragal Colaço, advogado e fervoroso adepto benfiquista, não tem pés nem cabeça. Afirmar que o episódio Luisão tem "objectivos políticos subjacentes" e que "a Alemanha, como principal financiadora das ajudas europeias, procura exercer o seu poder através do episódio que envolveu o capitão do Benfica", é um exercício no mínimo disparatado. Como se o que veio a acontecer estivesse preparado pelo senhor árbitro e pelos responsáveis do clube alemão, e como se os alemães tivessem algum interesse em perseguir o Benfica ou Portugal.
    Tivesse este episódio acontecido com um certo clube do Norte e Pragal Colaço seria o primeiro a condenar o ato e a exigir sanções disciplinares para o jogador. Mas como o ato irreflectido foi praticado por um jogador nosso há que desculpabilizar a sua atitude e diabolizar os alemães. Esta falta de coerência é um dos cancros que tem minado a sociedade portuguesa. A falta de vergonha na capacidade de hoje se dizer o que ontem se abjurara é absolutamente condenável e que não enobrece quem tem estes comportamentos.


    IN - http://almabenfiquista.blogspot.pt/

    Este texto está neste blogue, almabenfiquista, demonstrando a total insanidade mental deste indivíduo o tal que solicitou pegar em armas contra o F C Porto e naturalmente comentador da Benfica TV!

    Incrível não?! Simplesmente a demonstração da ponta do iceberg que estes mentecaptos encarnados são.
    Aceite os melhores cumprimentos
    ftavares

    ResponderEliminar