quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

El Atleti engaña al fútbol

Pelo pouco que o Porto produziu nesta edição da Liga dos Campeões, até podia perder o jogo em Madrid por uma goleada que nada haveria a fazer senão enfiar a viola no saco, mas ir ao Vicente Calderón enviar 4 (quatro!) bolas aos ferros da baliza colchonera e ainda falhar um penalty, tenham lá santa paciência mas é uma injustiça. A equipa madrilena ganhou sem saber ler nem escrever e quem disser o contrário está a mentir. Não está em causa o mérito da sua passagem aos oitavos de final, mas, esta noite, o Atleti enganou o futebol. Tudo saiu bem aos espanhóis, incluindo uma arbitragem caseiríssima de mais um daqueles juízes sem categoria que só a UEFA poderá explicar como pode ter sido escolhido para arbitrar um jogo deste nível.
Resta-nos agora esse prémio de consolação que é a Liga Europa e, há que reconhecer, não merecemos mais. Aliás, questiono-me se até isso merecemos.

sábado, 30 de novembro de 2013

Tudo ao molho e fé em Deus

Detesto ver pessoas nas bancadas a acenar com lenços brancos. Detesto porque, de uma forma geral, não passam de patetas que raramente vão ao estádio e que se acham no direito de, à primeira oportunidade, pôr em causa o trabalho dos jogadores e do treinador, só porque pagaram meia-dúzia de euros pelo bilhete e não ficaram satisfeitos com o espectáculo. Infelizmente, Paulo Fonseca terá de me perdoar esta traição, mas hoje fui eu quem teve vontade de sacar de um lenço branco e acenar. Não sei bem se ao treinador, aos jogadores ou aos dirigentes, mas acenar. Se não o fiz, foi pela vergonha e pela vontade de sair dali o mais depressa possível. 
O futebol praticado pelo FC Porto é verdadeiramente confrangedor. Não existe fio de jogo, não existe uma jogada com princípio, meio e fim, não existe nada. A táctica que parece imperar é a do "tudo ao molho e fé em Deus", à espera de um golpe de sorte ou de um lance fortuito. O festival de passes falhados e cabeçadas sem nexo está ao nível de uma equipazeca amadora. Assistir ao arrastar desta equipa pelo campo ao longo dos 90 minutos é um exercício de masoquismo, um tormento a que nenhum portista deveria ser forçado. Por favor, poupem-nos! Ganhem vergonha e poupem-nos! Eu não gasto nem mais um cêntimo para ver o meu FC Porto, o tri-campeão nacional, reduzido a esta pálida imagem do que deve ser uma equipa de futebol profissional! E não, não é por causa da crise, nem do frio, nem do raio que os parta, é simplesmente porque já não suporto ver isto!
Eu sei que muita gente não concordará comigo, mas a culpa não é só do treinador. Este plantel não tem a qualidade a que o FC Porto nos habituou nas últimas décadas. Aliás, eu diria mesmo que é a pior equipa que os portistas apresentaram desde há muitos, muitos anos. 
Fala-se muito das falhas da defesa, mas, na minha opinião, o maior problema reside no meio-campo. A saída de João Moutinho não foi compensada com contratações do mesmo nível e o resultado está à vista: um meio-campo fraco, sem imaginação, incapaz de criar jogo. Josué, por exemplo, pode até ser um indefectível portista, mas não é jogador para o Porto. Defour é mediano e está muito longe de merecer a titularidade. Lucho é um enormíssimo jogador, mas o peso dos anos já se faz notar nas suas pernas. Herrera foi um barrete e Fernando não chega para as encomendas. No ataque, também escasseiam as soluções. Jackson é insuficiente e Ghilas foi mais uma daquelas contratações para encher os bolsos a alguém. Varela parece ser um adversário infiltrado na equipa portista para nos prejudicar, tal é o número de jogadas que estraga.
Diz-se que o FC Porto pretende reforçar a equipa em Janeiro com os possíveis regressos de Quaresma e Anderson, mas se do brasileiro ainda espero alguma coisa, já do cigano não espero nada. Quaresma é um jogador peneirento, uma pseudo-vedeta que passou ao lado de uma grande carreira graças à sua arrogância e vaidade. Não é o jogador trabalhador e desequilibrador que o FC Porto precisa urgentemente, um "carregador de pianos" capaz de sacudir esta equipa. Sinceramente, se isto é o máximo que a SAD consegue fazer, mais vale desistir já deste campeonato porque o título é uma miragem. E ainda nem a meio da época chegamos...  

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Lá vai ele, cantando e rindo

Jorge Jesus completa hoje 100 dias à frente do Benfica desde que a presente época começou e, graças às relações promiscuas que o clube do regime mantém com o poder politico, vai poder orientar a equipa no jogo frente ao Anderlecht. Por muito menos do que fez JJ, já outros foram punidos com uma severidade incomparável ficando privados de jogar a nível nacional e internacional por um período muito maior, mas este psicopata prossegue cantando e rindo, beneficiando de uma despudorada protecção, não obstante ter protagonizado as cenas mais degradantes em plenos relvados nacionais.

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

"Parvalorens" somos nós!

Segundo os jornais de hoje, a Parvalorem, empresa criada pelo Estado para gerir os créditos do BPN, herdou uma dívida àquele banco no valor de 17 milhões de euros, que terá sido contraída no âmbito de um esquema de burla no qual a empresa do presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, estará implicada.  
Ao mesmo tempo que a empresa de Vieira detinha uma posição accionista de 1,4% na Sociedade Lusa de Negócios (dona do BPN), terá tirado proveito de um crédito de 20 milhões de euros para financiar um aumento de capital no fundo imobiliário BPN Real Estate. O BPN apresentou uma queixa-crime no Departamento Central de Investigação e Acção Penal, argumentando que teria sido montado um esquema financeiro com o objectivo de a empresa se desfazer das acções que detinha e de amortizar a dívida de 20 milhões ao banco.
Saliente-se que o Ministério Público está já há quatro anos a investigar se Vieira foi ou não cúmplice desta eventual burla ao BPN, mas, apesar das buscas de que as casas do presidente dos encarnados e do o seu sócio foram alvo em 2010, o inquérito ainda se encontra pendente.
Está visto que quem vai pagar os 17 milhões desta burla vamos ser todos nós, os parvos dos portugueses, através da tal Parvalorem que é uma empresa do Estado. Quanto à investigação, das duas uma: ou é arquivada por falta de provas, ou fica pendente até que Vieira perca as eleições no Benfica para que o clube do regime não venha a sofrer consequências dos actos do seu presidente. Onde é que já vimos isto antes? 

Polémica de treta

Admito que o gesto de Josué ao mostrar o dedo aos adeptos suecos não foi bonito e era dispensável. No entanto, parece-me aceitável que, num momento de calor do jogo, numa altura em que Portugal marcou um golo que praticamente ditou a ida ao Mundial do Brasil, um jogador possa cometer um deslize deste género. O que não será tão compreensível é ver um estádio repleto de adeptos suecos a assobiar o hino nacional da equipa visitante, e com isso os jornais suecos não parecem muito preocupados.

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Levas um mesito e não digas que vais daqui...

Por ter agredido um steward, o Hulk ficou 4 meses sem jogar. Por agredir um agente da PSP à bofetada, à frente de Portugal inteiro, o Jesus levará um mesito de suspensão (e ainda me admiro por não ser aplicado durante as férias) e voltará a ficar disponível exactamente no jogo com o FC Porto!
Por muito que o Benfica queira passar uma imagem de paladino da justiça e da transparência, sempre pronto para criticar e acusar os outros com os seus habituais discursos de falsa moralidade, a verdade é que o clube lisboeta foi sempre, ao longo da sua história, um dos maiores símbolos da prepotência e arrogância de quem está acima da lei. Lamenta-se que ainda haja milhões (não serão seis, mas ainda assim são alguns) de portugueses que, ingenuamente, apoiem tamanho símbolo de corrupção política, resquício de um fascismo que se pretendia definitivamente erradicado deste país.

P.S. - Parece que o Benfica não tenciona recorrer da decisão. Por que será???

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Casuals

«Fonte policial confirma que os adeptos que este domingo provocaram os distúrbios junto à porta 25 do Estádio do Dragão eram apoiantes do Sporting: de acordo com o gabinete de Relações Públicas da PSP os referidos adeptos foram identificados através de tatuagens e outros símbolos do clube.
São suspeitos da prática dos crimes de participação em rixa e introdução em local vedado ao público, como a polícia já revelou em comunicado.

Outra fonte policial revelou ao Maisfutebol que os adeptos que provocaram os distúrbios são um dos sub-grupo de apoiantes do Sporting: os Casuals. São de resto elementos referenciados pela Unidade Metropolitana de Informações Desportivas.»

In Maisfutebol.
 
Hoje, num comunicado oficial publicado no site do clube, o Sporting afirmou o seguinte:

«Até ao momento, ao serem vistas as imagens televisivas e fotográficas disponibilizadas, verificou tratar-se de um conjunto de pessoas onde as únicas que se conseguem identificar são do clube da casa.» 

Será que agora, depois da PSP confirmar que este grupo de criminosos é efectivamente uma claque do Sporting, a direcção leonina vai condenar os actos dos seus adeptos ou irá hipocritamente continuar a tentar desviar as atenções, queixando-se, por exemplo, de lhes terem tirado a televisão?

domingo, 27 de outubro de 2013

Gostei muito de te ver, leãozinho

Depois da derrota frente ao Zenit, o FC Porto ficou a dever aos seus adeptos, não apenas uma vitória, mas uma vitória com uma exibição convincente. Calhou ao Sporting o infortúnio de vir ao Dragão pagar a factura e, honra lhes seja feita, os de Alvalade regressaram à capital sem nada a dever. Pagaram até ao último cêntimo!
Depois de uma semana em que a imprensa lisboeta carregou o Sporting em ombros elevando-o à condição de favorito para este jogo, aquilo que se viu afinal foi um leãozinho tolhido de medo, esmagado por um dragão muito superior a todos os níveis. Leonardo Jardim bem pode vir agora tentar inverter os factos afirmando que o Porto marcou dois golos sem o justificar, mas a verdade é que, se o resultado de 3-1 acabou por ser injusto, foi porque o golo dos visitantes constituiu um prémio demasiado simpático para uma equipa que praticamente se limitou a ver os dragões a jogar durante os 90 minutos. De facto, se excluirmos aquelas duas portentosas defesas consecutivas de Helton já a meio da 2ª parte, o Sporting pouco ou nada conseguiu fazer para contrariar o domínio avassalador dos azuis e brancos que conquistaram assim, com toda a justiça, três pontos que nos colocam ainda mais isolados no 1º lugar da Liga.

P.S. - Gostei de ver o presidente leonino sentado no banco. Depois de uma semana inteira a aturar as suas provocações e remoques, deu-me imenso gozo vê-lo ali como um porquinho cor-de-rosa, de olhos esbugalhados a olhar para todo o lado, meio aturdido, à procura do camião que atropelou a sua equipa. Fica mais uma vez provado que a melhor resposta para a bazófia e a parvoíce desta gentinha é aquela que o FC Porto tão bem sabe dar dentro das quatro linhas.

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Ensaio sobre a cegueira

Ficamos hoje a saber que o árbitro Bruno Esteves não viu os incidentes entre Jorge Jesus e a polícia no final do jogo entre o Benfica e Vitória de Guimarães, omitindo-os do relatório do jogo. Os seus dois auxiliares e o quarto árbitro também não viram nada. Paulino Carvalho e Carlos Santos, os dois delegados da Liga presentes no estádio, também não viram nada. E como se tudo isto não fosse suficientemente estranho, Emídio Fidalgo, responsável da Liga pela nomeação dos delegados que, como as imagens televisivas demonstram, estava bem no epicentro da confusão, também nada viu.
Com tanta cegueira junta, começo a ficar preocupado. É que, se o jogo tivesse sido transmitido pela BenficaTV, o mais provável é que a doença se tivesse alastrado a Portugal inteiro, já que é pouco provável que as imagens dos incidentes chegassem aos nossos olhos.

P.S. - Na sequência do castigo que lhe foi aplicado por ter agredido um "steward" no túnel da Luz, o Hulk ficou impossibilitado de jogar em DEZOITO jogos oficiais! Veremos quantos jogos de suspensão levará Jorge Jesus por ter agredido um agente da PSP em pleno relvado.

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Mentem com quantos dentes têm

Especialmente dedicado a certos adeptos do Sport Lisboa que, na sequência das declarações do seu presidente, tentam agora vir fazer das pessoas parvas alegando que Jorge Jesus não agrediu o agente da polícia, aqui fica este vídeo. Atente-se, por exemplo, ao segundo 56, no qual o treinador benfiquista agride o polícia com duas palmadas no braço, tendo, inclusivamente, atingido a cara do agente na segunda.
Estas mesmas imagens foram amplamente mostradas ontem pela SIC e só não vê a agressão quem não quer ver. Se o agente omitiu o facto de ter sido agredido no seu relatório, então está obviamente a mentir, o que torna o caso ainda mais grave por se tratar de uma evidente tentativa de branqueamento de um acto que constitui um crime aos olhos da lei.

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Alguém sabe como se chama aquele juiz-de-linha?

Ao contrário de Paulo Fonseca, não sou assim tão lesto a levantar a suspeição gratuita, estabelecendo uma relação infundada entre as declarações de Jorge Jesus proferidas a meio da semana e as lamentáveis arbitragens verificadas nesta jornada que influenciaram directamente os resultados de três jogos em benefício do Sport Lisboa. No entanto, há coincidências que, de tão estranhas que são, nos deixam a pulga atrás da orelha, principalmente quando acompanhadas por imagens como esta:
Repare-se na posição em que se encontra o juiz-de-linha: perfeitamente no enfiamento da jogada, sem ninguém a estorvar-lhe a visão e ainda com a linha da grande área a ajudar na apreciação do lance. Apesar destas excelentes condições, o referido juiz conseguiu a proeza de não ver o claro adiantamento do avançado estorilista no momento do passe, mas, em contrapartida, viu Otamendi jogar a bola com a mão... dentro da área.
Alguém me sabe dizer como se chama aquele juiz-de-linha? Tenho uma certa curiosidade em acompanhar as suas prestações ao longo da época.

Carta aberta ao Jorge Jesus

Caro Jorge Jesus:

A propósito dos incidentes que protagonizaste em Guimarães e das explicações que tentaste dar hoje à comunicação social, deixa-me explicar-te algumas coisas:

«Vi um adepto a ser bloqueado pelas autoridades».

Não se chama àquilo bloqueio. Chama-se detenção. Bloqueios é o que os teus jogadores fazem na marcação dos livres para impedir que os defesas adversários possam intersectar a bola.

«Tentei ajudar o miúdo a pedir para o largarem»

O Scolari também queria «protegê o minino» Quaresma e mandou um pêro na cara do Dragutinovic. Estes "miúdos" já são adultos e não precisam que tu os defendas, principalmente quando estão a cometer ilegalidades, percebeste?

«A minha ideia foi sempre a de poder ajudar em toda a situação»

Ajudavas mais se te metesses na tua vida e te preocupasses em fazer apenas aquilo para que te pagam que é treinar a equipa. E não, dar porrada nos jogadores adversários e nos polícias não consta no teu contrato.
 
«Não agredi ninguém.»

É curioso porque, no meu televisor, passaram umas imagens de um indivíduo parecidíssimo contigo a mandar umas palmadas no braço de um polícia. Ia jurar que eras tu, mas devo estar enganado. É que gajos com penteados como o teu andam para aí às paletes...

«Tentei sempre serenar os ânimos para que o adepto pudesse regressar com o seu troféu: a camisola.»

Nem quero imaginar o que pensará a tua mulher e os teus filhos desse teu conceito de "serenar os ânimos" à bofetada. De resto, uma camisola não é um troféu, sabes? Troféus são aquelas taças que os jogadores levantam quando ganham uma competição, mas é natural que tenhas alguma dificuldade em recordar-te disso porque é coisa que já andas há algum tempo sem conseguir fazer.

Um abraço e... vai ao médico.

P.S. - O presidente do Sport Lisboa já veio a público afirmar que não viu o JJ a fazer nada de especial e consta que 6 milhões de burros logo abanaram as orelhas em sinal de concordância. Incluindo o próprio polícia que levou as palmadas do JJ e que, pelos vistos, escreveu no auto que só foi empurrado... 

Um porco chamado lobo

Um porco não deixa de ser um porco por muito que lhe chamem outra coisa.
O FC Porto denunciou hoje, através do seu site oficial, um conjunto de comentários publicados por Nuno Lobo no seu perfil do Facebook que demonstram bem a baixeza de carácter deste indivíduo.
O facciosismo patente nas afirmações do presidente da Associação de Futebol de Lisboa que, com a maior dos descaramentos, veste a camisola encarnada para gozar despudoradamente com outros clubes da associação a que preside, designadamente o Sporting, já seria, por si só, de lamentar. Mas até este comportamento condenável passa para segundo plano quando comparado com os execráveis comentários de teor racista com que este verme se refere ao Hulk. 

Eis os comentários em causa:

«Agora... Calma e concentração, rapazes!!! Agora teremos pela frente equipas de futebol: Estugarda e Marítimo!!! De ballet como a de hoje já não apanharemos muitas mais!!! FORÇA CAMPEÃO!»
 21 Fevereiro 2011, após o final do jogo da Liga Sporting, 0-Benfica, 2
 

«Para mim foi o melhor em campo... Grande passe aquele para o segundo golo... o golo do macaco Hulk... HU HU HU HU»
 21 de Abril 2011, após o final do jogo da Taça de Portugal, Benfica, 1-FC Porto, 3
 

«… não podíamos ter bananas no campo. Senão o incrível macaco comia-as»
 21 de Abril 2011, após o final do jogo da Taça de Portugal, Benfica, 1-FC Porto, 3
 

«… dia 18 de Maio vais sentir-te orgulhoso por seres do País do vencedor da Liga Europa! E vais ficar muito feliz quando vingarmos a derrota [vitória] que o Villarreal obteve [conseguiu] sobre o clube da sempre 2ª cidade de Portugal...»
21 de Abril 2011, após o final do jogo da Taça de Portugal, Benfica, 1-FC Porto, 3

Espero que o FC Porto tenha a coragem de não se ficar pelas ameaças e que denuncie este criminoso à UEFA. Sempre quero ver o que fará a instância que gere o futebol europeu, sempre tão preocupada em punir os clubes pelos comportamentos racistas dos adeptos, perante esta vergonha descarada protagonizada pelo presidente de um órgão oficial de futebol.

domingo, 8 de setembro de 2013

Influência arbitral

Existe um blogue intitulado "Influência arbitral" cujo autor elaborou um extenso estudo estatístico sobre a influência das decisões arbitrais nos jogos realizados pelo FC Porto, SL Benfica, SC Braga e Sporting CP. O estudo baseia-se nos dados recolhidos a partir do site oficial da LPFP referentes aos 150 jogos das últimas quatro épocas. Admitindo que os dados são verdadeiros, o estudo é interessante e vale a pena ler, já que autor procurou analisar quantos pontos foram ganhos ou perdidos por estas quatro equipas após a marcação, a seu favor ou contra, de penalties e expulsões decisivas, ou seja, que tiveram influência no marcador.

Infelizmente, o autor começa por afirmar que não é sua pretensão catalogar as decisões como correctas ou incorrectas (o que, à partida, demonstra a intenção de manter a objectividade do seu trabalho), mas não consegue desligar-se da sua afinidade clubística quando, na hora de tirar conclusões, vicia a interpretação dos factos em benefício do Benfica, passando a ideia de que o clube da Luz é o mais prejudicado de todos. Nada mais falso, como facilmente se constata pela análise dos dados.

Geralmente, entende-se como "influência arbitral" apenas os erros dos árbitros que alteram o desfecho de um jogo, ou seja, que têm intervenção directa no resultado final, falseando a verdade desportiva. Como tal, as decisões favoráveis ou desfavoráveis a que este estudo se refere nunca poderão servir, por si só, para retirar ilações sobre os favorecimentos e prejuízos das equipas. Por exemplo, se uma equipa vencer com um penalty marcado em cima do minuto 90, isso não significa necessariamente que haja um favorecimento, pois, se a decisão tiver sido correcta, a decisão do árbitro será uma contribuição para a verdade desportiva e não o contrário.
Nesta perspectiva, é muito mais importante analisar quantos pontos conquistou cada equipa sem a intervenção arbitral, ou seja, sem que tivessem sido fruto de um penalty ou expulsão (pois esses temos a certeza de que foram limpos), do que propriamente quantos pontos foram ganhos por decisões dos árbitros, já que estes serão sempre sujeitos à subjectividade dos critérios de quem vê os lances.
Como se observa pelo gráfico, a equipa que conseguiu mais pontos nos últimos 150 jogos sem qualquer intervenção dos árbitros foi... o FC Porto! Os azuis-e-brancos conquistaram 343 pontos, contra 334 do Benfica, 268 do Braga e 246 do Sporting.
Este dado é muito importante pois deita por terra a teoria defendida pelos nossos rivais de que o FC Porto só ganha com as ajudas dos árbitros, mas o autor do estudo, inexplicavelmente, procurou ignorar este facto nas conclusões finais. Obviamente, não era um assunto do seu interesse...

Para uma correcta análise comparativa entre as quatro equipas, interessa confrontar os saldos das decisões arbitrais a favor/contra de cada uma delas. Assim sendo, vamos agora ver o gráfico respeitante aos penalties assinalados a favor e contra nos últimos 150 jogos:
Neste item, o FC Porto é a equipa com o saldo mais favorável, contando com 31 penalties, enquanto que o Braga tem o saldo menos favorável com apenas 9.
Repare-se, no entanto, que o Benfica tem mais penalties a seu favor (21) do que o Braga e o Sporting juntos (20). Mais: a diferença do saldo do Benfica para o do Porto é de 10 negativos, mas para o Sporting é de 10 positivos, ou seja, neste capítulo, o Benfica tem tantas razões de queixa em relação aos rivais do Norte como o Sporting tem do seu vizinho da 2ª Circular!

Analisemos agora o que se passa em relação ao saldo de expulsões a favor/contra:
Mantém-se a tendência do item anterior, ou seja, o FC Porto apresenta o melhor saldo, com 22 expulsões a seu favor, enquanto que os leões são a única equipa com saldo negativo (-1).

Repare-se, no entanto, que o Benfica leva também uma vantagem óbvia em relação ao Sporting: 15 favoráveis aos da Luz contra -1 dos de Alvalade. Mais: em relação ao Porto, o Benfica tem menos 7 expulsões a seu favor, mas, em compensação, tem mais 16 do que o Sporting. Resumindo: a diferença de saldo do Sporting em relação ao Benfica é maior do que o dobro da diferença do Benfica em relação ao Porto!

Repare-se ainda no gráfico seguinte que traduz o saldo das decisões arbitrais (penalties + expulsões) a favor/contra:
Pelo que já vimos antes, o FC Porto é, logicamente, a equipa com saldo mais favorável de decisões (53), enquanto que o Sporting é a equipa que goza de menos decisões favoráveis (10).

Ainda a respeito das expulsões, note-se que o Benfica é, destacadamente, a equipa com mais tempo de jogo em superioridade numérica. Tem cerca do dobro do Porto e o TRIPLO do Sporting!

Perante estes dados, como é possível alegar que o Benfica é a equipa mais prejudicada das quatro em análise, se até uma criança com idade escolar percebe que o Sporting é a equipa com menos decisões favoráveis???

Conclusão:

Está provado que o FC Porto foi a equipa que conseguiu mais pontos nos últimos 150 jogos sem qualquer intervenção dos árbitros. Este facto, por si só, deveria deitar por terra qualquer dúvida quanto à justiça dos títulos conquistados pelo Porto nas últimas épocas, mas é óbvio que, para os nossos rivais, os factos nunca são convincentes quando não vão ao encontro dos seus interesses. Vai daí, há que levantar a suspeição, viciando a interpretação dos dados e colocando o Benfica numa posição de vítima, mesmo quando os dados apontam numa direcção bem distinta. 
Mesmo admitindo que o Benfica tem pior saldo de decisões do que o FC Porto, é também notório que estas duas equipas estão muito acima do Braga e do Sporting em todos os itens analisados. Por outras palavras, o Benfica pode queixar-se de ser prejudicado em relação ao FC Porto, mas também ele é claramente beneficiado em relação às restantes equipas. Ora, se o FC Porto não merecesse ser campeão pelo facto de beneficiar do maior número de decisões de arbitragem (como defendem os nossos rivais), então o Benfica também não mereceria, visto beneficiar muito mais do que o Sporting. Assim sendo, se o título fosse atribuído com base nestes critérios, o campeão teria de ser o Sporting, visto ser a equipa mais prejudicada pelos árbitros. Obviamente, esta é uma leitura que não interessa aos adeptos do Benfica (incluindo o autor do estudo) fazer.

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Resultados da votação on-line

À pergunta "O que se poderá esperar do FC Porto na presente edição da Liga dos Campeões", posta à votação aqui no blogue, um total de 78% dos votantes respondeu que o Porto ultrapassará a fase de grupos, mas a maioria não acredita que os dragões tenham capacidade para conquistar o 1º lugar. Apesar disso, apenas 15% considera que o Porto irá passar para a Liga Europa e 7% diz que será eliminado.

sábado, 31 de agosto de 2013

Um grupo complicadinho...

Mesmo não se podendo considerar um "grupo de morte" dado o menor palmarés internacional dos adversários que nos caiu em sorte, a verdade é que só por manifesta ingenuidade se poderá considerar que o sorteio da Liga dos Campeões foi favorável aos dragões.

Nem o facto do FC Porto ter eliminado o Atlético de Madrid nas duas últimas eliminatórias disputadas entre estas duas equipas parece abalar a arrogância espanhola. A imprensa do país vizinho mostra-se muito satisfeita pelo facto dos colchoneros terem evitado colossos como o Bayern e o Chelsea, a quem efectivamente reconhecem superioridade, e não têm quaisquer dúvidas de que "el Oporto" não terá a menor hipótese de levar a melhor sobre o clube secundário da capital espanhola.
Veremos se assim será, mas uma coisa parece certa:  o Atlético está diferente das épocas anteriores, para melhor. Apesar de ainda não terem conseguido colmatar completamente a saída de Falcao, os colchoneros fizeram uma excelente época e, em teoria, apresentam-se como o adversário mais perigoso do grupo.


O Zenit defrontou-se recentemente com o FC Porto e levou a melhor ao arrancar um empate a zero no Dragão e uma vitória por 3-1 em São Petersburgo. Na memória dos portistas ficou a triste cena de Danny a festejar o golo imitando um cão urinando contra a bandeira de canto, mas o pior mesmo foi a eliminação do FC Porto da Liga dos Campeões ainda na fase de grupos. 
O regresso dos russos ao Dragão traz um motivo acrescido de interesse para todos nós: Hulk, antigo ídolo azul-e-branco, defrontará agora o Porto com a camisola adversária. Más notícias para nós, conhecendo, como conhecemos, os dotes extraordinários e o poder explosivo do brasileiro que tantas saudades deixou por estas bandas. 
A  juntar à boa qualidade da equipa russa há ainda o facto dos jogos se realizarem nos últimos meses do ano, altura em que as temperaturas em São Petersburgo atingirão já valores negativos.

O Áustria Viena é um caloiro nestas andanças da Liga dos Campeões, mas nem por isso é nosso desconhecido já que foi eliminado pelo FC Porto em 2002, a contar para a Taça UEFA. Trata-se de um clube de menor dimensão, sem expressão europeia, de quem não se espera grande oposição, mas que poderá, ainda assim, ter uma palavra a dizer, principalmente nos jogos em sua casa.
A deslocação a Viena trará boas recordações a todos os portistas que viveram as emoções da conquista da primeira Taça dos Campeões Europeus, frente ao Bayern de Munique, ainda que o velhinho Estádio do Prater tenha sofrido grandes alterações, chamando-se agora Ernst Happel.
Foi já em Dezembro de 2010 que o FC Porto regressou Viena, desta vez para derrotar o Rapid Vienna num jogo disputado debaixo de um intenso nevão.


Mesmo correndo o risco de sermos acusados de imaturidade por Leonardo Jardim, desafio-vos agora a votar naquilo que esperam que a nossa equipa consiga alcançar nesta fase de grupos. Se possível, com a razão e não tanto com o coração, já que aquilo que todos desejamos é, obviamente, a conquista do troféu.

Resultados da votação on-line

À pergunta "Seria benéfico emprestar Iturbe por mais um ano?", posta à votação aqui no blogue nos últimos cinco dias, 46% dos votantes respondeu que "Sim, a um clube europeu" e 54% respondeu que "Não, precisamos dele". Nenhum dos votantes validou a hipótese de Iturbe regressar ao River Plate.

Obviamente, não podemos ter a pretensão de considerar que uma amostra tão pequena (13 votantes) seja representativa da opinião global dos adeptos portistas, mas não deixam de ser curiosas estas percentagens tão próximas de votos que expressam duas visões perfeitamente antagónicas desta questão. 

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Leonardo Jardim, o maduro

Instado pelos jornalistas a pronunciar-se sobre o derby lisboeta de amanhã, Paulo Fonseca afirmou:

«Disse desde o início que o Sporting estava mais forte. Está pronto para entrar nesta luta, acredito no Sporting.»

Parece-me evidente que o treinador do FC Porto se limitou a fazer uma análise com base nas boas prestações que o Sporting teve neste início de época, designadamente nas duas vitórias obtidas com goleada. Mas, mesmo que por detrás das suas palavras existisse uma segunda intenção, não creio que a forma correcta e respeitosa com que as proferiu justificasse uma resposta tão azeda como aquela que mereceu do seu congénere leonino:

«É uma opinião pouco consistente, estamos com duas jornadas do campeonato e é imaturo estar a avaliar uma equipa com duas jornadas. Alguns têm essa capacidade, eu não tenho.»

O Porto e o Benfica já se assumiam como candidatos ao título ainda antes da liga começar, não porque sejam imaturos ou tenham a capacidade de adivinhar o que vai acontecer, mas simplesmente porque entram na competição com ambição e consciência do seu valor. Já o treinador do Sporting, ao fim de duas jornadas e outras tantas vitórias, parece ainda não saber o que esperar da sua equipa, a ponto de (pasme-se!) achar imaturo considerá-la pronta para lutar pelo título. Enfim, cada qual é como é, mas a mim cairia muito mal escutar tais palavras do treinador da minha equipa.

P.S. - Faz hoje precisamente um ano que previ aqui que o Sporting não passaria do 6º lugar e não falhei. Este ano não me arrisco a fazer tal premonição, precisamente porque o Sporting me parece mais forte e melhor orientado. Mas isto, certamente, é porque sou imaturo...

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Iturbe: mais uma eterna promessa?

Paulo Fonseca afirmou recentemente que Iturbe está a trabalhar bem e que conta com ele para a época desportiva, dando assim por encerrada a questão de um eventual empréstimo. Confirmando esta ideia, o técnico portista fez entrar Iturbe para a ala esquerda, por troca com Licá, aos 77 minutos do jogo de ontem frente ao Marítimo, dando assim ao argentino uma oportunidade de que já não beneficiava desde Setembro de 2012. No entanto, nos cerca de 15 minutos que esteve em campo, o jovem pouco ou nada rendeu, desiludindo, uma vez mais, todos aqueles que ainda acreditam no seu potencial. 
Mesmo considerando a provável saída de Varela, Iturbe continuará a ter concorrência de peso para as posições que poderia ocupar na equipa portista, pelo que, atendendo ao seu baixo índice de aproveitamento, dificilmente o argentino conseguirá garantir o estatuto de 2ª escolha e muito menos o de titular. Como tal, não acredito que a hipótese de empréstimo do esquerdino a um clube de Espanha ou Itália esteja totalmente fora das cogitações de Paulo Fonseca, tanto mais que não parece faltar clubes interessados. Além de Inter, Verona e Espanhol, surgiu hoje mais um nome a juntar ao lote de possíveis destinos para Iturbe: o Génova. 
Sinceramente, acho que seria mesmo benéfico, quer para o clube, quer para o próprio jogador, um ano de experiência na Liga espanhola ou italiana. Caso contrário, o argentino arrisca-se a tornar-se mais uma daquelas jovens promessas que nunca passaram disso mesmo: uma promessa.

Faltou pouco para a humilhação

O FC Porto realizou hoje o primeiro jogo da época frente ao seu público e não defraudou as expectativas dos 41000 adeptos que ali se deslocaram, ansiosos por ver jogar os tri-campeões nacionais. A superioridade portista foi de tal forma evidente ao longo dos 90 minutos que não deixa espaço a qualquer crítica, excepto pelo número escasso de golos marcados. De facto, a exibição azul e branca merecia números (ainda) mais desequilibrados, tantas foram as oportunidades flagrantes criadas junto da baliza do Marítimo. Se tal não aconteceu, deve-se apenas a uma boa exibição do guarda-redes adversário e a algum desacerto que se vai notando em Jackson Martinez, que parece ainda muito distante da sua melhor forma. Questiono-me mesmo se o colombiano não andará ainda a sonhar com outros voos...
Os insulares, de quem muito se esperava depois da vitória conseguida no seu reduto frente ao Benfica na 1ª jornada, foram completamente manietados por uma pressão muito alta da equipa azul e branca, um dado que espelha já o trabalho efectuado por Paulo Fonseca, bem conhecido por implementar este tipo de jogo nas equipas que treinou anteriormente. O sufoco sentido pelo Marítimo foi de tal ordem que se traduziu numa completa ausência de remates à baliza de Helton, com a excepção de um ou dois lances isolados que pouco perigo causaram para as redes portistas. Nem deu para assustar...
Perante a excelente exibição de toda a equipa a que se assistiu, torna-se difícil destacar um jogador de entre os muitos que protagonizaram hoje boas prestações. No entanto, numa altura em que se fala da possível titularidade de Quintero em detrimento de Lucho, seria injusto não dar o devido relevo ao argentino, que fez hoje um jogo irrepreensível. Não que o jovem colombiano não tenha, também ele, confirmado uma vez mais os dotes com que vem conquistando os adeptos desde a sua chegada a Portugal (foi pena aquele portentoso remate não ter entrado...), mas não há dúvidas de que "El Comandante" não quis deixar os seus créditos por mão alheia e demonstrou que ainda tem muito, mas muito, para oferecer ao Porto.
Uma última palavra para Licá: tenho de confessar que, inicialmente, este jogador não me convenceu. Acreditei mesmo que se tratava de mais um "flop" daqueles que fazem a pré-época com o restante plantel e depois desaparecem sem deixar saudade, regressando ao seu ponto de origem ou transitando, por empréstimo, para algum clube secundário. A verdade é que, agora, quanto mais vejo Licá, mais surpreendido fico com a espontaneidade e os rasgos de criatividade com que destroça por completo a defesa contrária, ora abrindo espaços para a entrada dos seus companheiros na área (como aconteceu no lance do primeiro golo), ora aparecendo ele mesmo na cara do guarda-redes adversário (como aconteceu no segundo golo). A juntar a tudo isto, uma entrega total e uma alegria contagiante que deixam transparecer o orgulho com que veste a camisola listada de dragão ao peito. Numa só palavra: brilhante!
 

sábado, 24 de agosto de 2013

Juan Quintero

Juan Quintero, jovem colombiano contratado recentemente ao Pescara, tem merecido rasgados elogios graças às suas excelentes exibições e aos belos golos que marcou, quer na pré-época, quer na primeira jornada frente ao Vitória de Setúbal. Os próprios adeptos portistas demonstram já muito carinho por Quintero e até já há quem diga que Paulo Fonseca deveria conceder a titularidade ao colombiano em detrimento de Lucho Gonzalez ou, em alternativa, atribuir-lhe um lugar na ala em substituição de Varela, uma situação semelhante ao que acontecia por vezes com James Rodriguez. O que é certo é que, a julgar pelas suas recentes declarações, o treinador do FC Porto não descarta esta segunda possibilidade, o que parece mesmo indicar que Quintero está bem próximo de beneficiar de uma oportunidade como titular, quem sabe já amanhã, na recepção ao Marítimo.
Recorde-se que Quintero foi contratado ao Pescara por cerca de 5 milhões de euros, tendo o FC Porto garantido apenas 50% do passe do jogador. Só o tempo dirá se não estaremos a criar expectativas demasiado optimistas, mas, até ao momento, todos os indícios apontam para que estejamos perante mais um grande negócio à Pinto da Costa. É que, não tenhamos dúvidas, ver Quintero jogar é um dos motivos que levará amanhã muita gente ao Dragão.

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Estão abertas as apostas!

Tenho lido várias mensagens de pessoas a dar palpites sobre quanto tempo conseguirá aguentar ainda Jorge Jesus como treinador do Benfica antes de ser demitido. Há quem diga que se aguenta até ao Natal, mas há também quem, como eu, acredite que não passará da 3ª jornada, altura em que o Benfica defrontará o Sporting. Por esse motivo, decidi disponibilizar neste blogue um contador de tempo que foi iniciado às 17:45 do passado domingo (a hora a que o Benfica iniciou o seu primeiro jogo desta época) e que nos dirá exactamente quanto tempo decorrerá até que o catedrático da chiclete levará o chuto da Agremiação de Carnide. Estão abertas as apostas!

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Já estão a olhar para cima!

Qualquer vitória do FC Porto será sempre motivo de inveja e de contestação lá para as bandas de "Lisvôa", principalmente quando sucede a uma derrota do "mais maior grande do mundo e arredores". Esta noite, foram muitos os benfiquistas (ou melhor, alguns, já que por aqui, felizmente, não prolifera tal espécie) que eu vi a acompanhar o jogo do FC Porto frente ao Vitória de Setúbal, na esperança de que o tri-campeão começasse a época com uma escorregadela, poupando-lhes assim a azia de verem o seu "glorigozo" sozinho no fundo da tabela classificativa logo na primeira jornada. Azar nítido! Já estão a olhar para cima e a coisa ainda agora começou. Nada a que não estejam habituados.

P.S. - É bom estar de volta ao vosso convívio depois de umas merecidas férias. 

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Papagaios num galinheiro só podia dar confusão

Passando os olhos pela blogosfera, nota-se hoje uma diferença abismal nos ambientes que se vivem nos blogues afectos ao FC Porto e ao Benfica. De facto, se o Dragão transpira paz e sossego, com os adeptos a debaterem serenamente as saídas de jogadores por verbas avultadas e a entrada de novas promessas que nos enchem de renovadas esperanças para o sucesso da próxima época, já no galinheiro da Luz parece estar instalada a confusão. Tudo porque, na sequência das notícias trazidas a público recentemente pelo Correio da Manhã dando conta do alegado interesse do Benfica no (ainda) guarda-redes do Sporting Rui Patrício, o clube da Luz publicou ontem um comunicado no seu site oficial que espelha bem o nível rasteiro do seu autor:

«Pelo segundo dia consecutivo, o Correio da Manhã insiste em contactos do SL Benfica pelo guarda-redes do Sporting Rui Patrício. Ou as fontes do jornal fumam substâncias proibidas ou, então, é o jornalista que assina a peça.
Não há, nem houve contactos por Rui Patrício. A notícia é falsa, mas as substâncias
proibidas devem ser boas, dada a insistência do referido jornal diário na falsidade.
Quanto a Fábio Coentrão, é bom recordar que o jogador foi vendido, há dois anos, ao Real Madrid por 30 milhões de euros.»

Não sejamos hipócritas. Que o Correio da Manhã é regido pelos princípios da pulhice e do chico-espertismo já todos nós sabemos e não me custa admitir que o Benfica possa ter motivos para se sentir indignado com o comportamento de um pasquim que é useiro e vezeiro neste tipo de artimanhas para vender papel. Aliás, se há clube que já por muitas vezes sentiu na pele a perseguição dessa gentalha é precisamente o FC Porto, para revolta dos portistas e gáudio dos benfiquistas. Eu próprio escrevi aqui recentemente um texto onde, de forma veemente, manifestei o asco que pseudo-jornalistas como Otávio Ribeiro e Querido Manha me causam com os seus artigos de opinião populistas e demagógicos que mais não são do que o extravasar de frustrações clubísticas. Mas convenhamos que deve existir uma grande distância entre aquilo que pode ser escrito num blogue por um mero adepto como eu e a mensagem oficial transmitida pela direcção de um clube. Nessa perspectiva, acusar os jornalistas de fumarem substâncias proibidas vai muito além daquilo que se pode considerar aceitável, principalmente porque tal acusação é feita sem qualquer fundamento concreto, mas apenas com o intuito de achincalhar e descredibilizar.
O que é certo é que, por razões desconhecidas, o referido comunicado desapareceu hoje do site oficial do Benfica, o que só veio aumentar a celeuma e o mal-estar. Se, por um lado, há benfiquistas que contestam o teor da linguagem utilizada, conscientes de que a mesma não se coaduna com a imagem de grandeza que defendem para o seu clube, outros há que se manifestam revoltados pela retirada abrupta do comunicado naquilo que consideram ser uma demonstração de cobardia por parte da sua direcção.
Recorde-se que ainda recentemente o mesmo clube emitiu um comunicado informando o público da sua intenção de não comparecer à final de hóquei em patins, a disputar no Dragão Caixa com o FC Porto, mas, logo no dia seguinte, outro comunicado dava conta da inversão de intenções. Ora, independentemente dos motivos que levaram a tal procedimento, uma coisa me parece indiscutível: estes constantes volta-faces espelham a desordem e a falta de liderança que reina no clube da Luz, onde alguns papagaios parecem usufruir de uma estranha liberdade para emitir comunicados sem pés nem cabeça, escritos num linguajar próprio da ralé, perante a passividade de uma direcção que, incapaz de os controlar, se limita a ir limpando a esterqueira causada por tais aves raras.

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Toma e embrulha!

No passado dia 13, o jornal espanhol A MARCA dedicou um extenso artigo de duas páginas inteiramente sobre o FC Porto. Já o havia feito pouco tempo antes quando escreveu sobre o presidente Pinto da Costa. Em ambos os casos, tece rasgados elogios à direcção portista e à política de gestão que faz do clube português um exemplo de sucesso único no Mundo.

Desta vez, o jornal chegou mesmo ao ponto apelidar os dragões de "Rei Midas do futebol europeu", um "dragão dos ovos de ouro" que "compra barato e vende caro", como se lê no artigo. "Compra bom, bem e barato, ganha títulos, vende e volta a renascer. Na última década, investiu 241 milhões de euros e recebeu 541 milhões. Foram-se Falcao, Hulk, Carvalho, Pepe, Quaresma e Deco, entre outros, e os dragões nunca deixaram de vencer. Os números falam por si: o FC Porto de Pinto da Costa conquistou 20 das últimas 32 ligas".

Estes elogios, tecidos por um jornal estrangeiro, só podem encher de orgulho qualquer coração portista. São a antítese do comportamento execrável de uma imprensa lisboeta intelectualmente corrupta, vendida aos interesses da capital que, em vez de enaltecer aquilo que o nosso país tem de melhor, vai alimentando o ego de milhões de parolos, iludindo-os com o lixo saído das cabeças doentias de gente frustrada e medíocre como Otávio Ribeiro, Fernando Guerra, Leonor Pinhão, Querido Manha, entre outros. Já é tempo de haver uma vassourada e correr com essa gentalha do panorama jornalístico português, mas, enquanto isso não acontece, a nossa resposta só pode ser uma: a continuação na senda do sucesso!

terça-feira, 11 de junho de 2013

As melhoras, sr. Otávio Ribeiro

Otávio Ribeiro é mais um daqueles jornalistazecos de meia-tigela que pululam na corrupta imprensa lisboeta, bem conhecidos de todos nós por, tal como os touros, não conseguirem disfarçar a sua atracção pelo vermelho. Como bom benfiquista que é, ainda anda por esta altura a tentar digerir o melão indigesto que o seu clube lhe serviu em prato de plástico, tarefa essa que, a julgar pela azia que transparece nos seus artigos de opinião, não se tem afigurado nada fácil.
Depois de ter ajudado a encher os peitos encarnados de desmedidas ilusões e irrealistas expectativas, o director do Correio da Manhã vem agora em busca de vitórias morais e de justificações alternativas para a hecatombe que se abateu sobre as pobres cabeças encarnadas. 
Como é fácil de constatar para qualquer observador distante, o desastroso final de época do Benfica deve-se unicamente à incompetência de um treinador medíocre e à sobranceria de um clube que gosta de se pôr em bicos de pés, tomando como certas as vitórias ainda antes delas acontecerem, mas esta realidade não serve para acalmar as conturbadas mentes encarnadas. Qualquer benfiquista que se preze não se satisfaz com as verdades nuas e cruas, principalmente quando estas o obrigam a olhar exclusivamente para o seu umbigo. Há, portanto, que engendrar enredos mais rebuscados, de preferência envolvendo os árbitros e os odiados inimigos do Norte, nem que para tal se tenha de inventar estúpidas relações de causa/efeito. É disto que o povo gosta, é isto que a imprensa lisboeta dá.

No seguimento desta política, Otávio Ribeiro publicou hoje um artigo de opinião onde afirma o seguinte:

«Com a contratação de Paulo Fonseca, o eterno presidente do FC Porto visa apostar num valor emergente da nossa excelente escola de treinadores e também reforça o agradecimento ao Paços de Ferreira por aquele passeio ameno na última jornada da Liga.»

Sub-repticiamente, este canalha (desculpem o termo, mas há que chamar os touros pelos nomes) insinua que a contratação de Paulo Fonseca ao Paços de Ferreira tratou-se, em certa medida, do pagamento de um favorecimento da equipa minhota ao FC Porto no jogo que ditou a conquista do título. Sem nada que sustente tamanha acusação, levanta suspeitas gratuitas sobre a existência de um crime de falseamento de resultados, pondo assim em causa o próprio desfecho de todo o campeonato.  

Recorde-se que, antes de defrontar o clube da Luz, o presidente do Marítimo afirmou publicamente que nada faria para evitar que o Benfica fosse campeão, mas não há registo de qualquer reacção de Otávio Ribeiro a tal afirmação. Pois eu nem quero imaginar o que diria o director do Correio da Manhã se tivesse sido o presidente do Paços de Ferreira a fazer semelhante afirmação antes de defrontar o FC Porto. Com toda a certeza, por esta hora, não se limitaria a levantar meras suspeitas, mas a exigir a impugnação do campeonato.

Compreendo que os dirigentes dos dois clubes nortenhos tenham mais que fazer do que se preocuparem com escumalha desta estirpe. Se o fizessem, perderiam tempo e recursos preciosos em inúmeros e infindáveis processos judiciais. No entanto, é revoltante que, num estado de direito democrático, haja gentalha que julgue que a carteira profissional de jornalista - e os direitos que lhe estão associados - possam servir para a manifestação abusiva de opiniões pessoais que mais não são do que o explanar de frustrações e ressabiamentos clubísticos. 
Na falta de melhor solução, resta-nos aconselhar o director do Correio da Manhã a consultar um médico no sentido de lhe ser receitada uma pomada para o inchaço da cabeça e um antiácido para a azia. As melhoras, sr. Otávio Ribeiro.

Pedido a Paulo Fonseca

Este ano, conquista a Liga dos Campeões no nosso salão de festas, o Estádio da Luz!

quarta-feira, 5 de junho de 2013

O garoto amuou

O Sporting, em comunicado oficial divulgado hoje, fez saber que cortou relações institucionais com o FC Porto, alegadamente por causa de uma discussão que aconteceu entre o presidente Bruno de Carvalho e o administrador da SAD portista Adelino Caldeira momentos antes da final da Taça de Portugal de andebol.
Antes de mais, condeno a atitude de Adelino Caldeira que, encontrando-se em representação do FC Porto, não deveria ter abordado o presidente leonino da forma como fez. Mesmo que  tivesse motivos para tal, a atitude, o momento e o local foram totalmente inadequados. No entanto, lamento muito que os leões tenham tomado uma posição tão radical por motivos tão fúteis. Afinal, compreende-se que um dos maiores clubes portugueses, uma instituição centenária com enorme responsabilidade no panorama desportivo nacional, corte relações com um dos seus pares só por causa de um arrufo entre dois dirigentes? Será que Bruno de Carvalho se julga tão superior ao clube a que preside que coloque os seus próprios amuos acima dos interesses institucionais? Será que amanhã também irá cortar relações com a RTP devido às caricaturas que lhe foram feitas no programa humorístico "Anticrise"? Enfim, ridículo e lamentável, é o mínimo que se pode dizer.

Boas notícias nos chegam da capital

Gosto de histórias com final feliz e a novela em torno da renovação de Jesus pelo Benfica teve ontem o melhor desfecho que se poderia desejar... pelo menos na perspectiva azul e branca.

Em Novembro de 2012, escrevi aqui um artigo onde manifestava a minha surpresa pelo facto de Jorge Jesus ocupar a 18ª posição na lista dos treinadores mais bem pagos do mundo, com um rendimento líquido anual de 2,1 milhões de euros. Nessa altura, a minha estupefacção não se prendia apenas com os valores extremamente elevados e completamente desfasados da realidade portuguesa, mas também porque tais valores não se coadunam com o curriculum medíocre de um treinador que, em quatro anos como técnico de um dos maiores clubes nacionais, não foi além de 1 campeonato ganho. Ora, meio ano decorrido desde então, eis que o Benfica renova o contrato com o mesmo treinador, desta vez com a agravante deste ter juntado ao seu pobre palmarés mais uma época desastrosa em que muito prometeu e nada conquistou. E como se isso não fosse por si só motivo suficiente para causar estupefacção, ainda se acrescenta o facto de, fazendo fé nas notícias que tem vindo a público, Jesus ter visto o seu contrato melhorado em termos salariais! Nada mau para quem esteve com um pé fora do clube, não vos parece? É caso para perguntar que posição ocupará JJ depois disto na lista dos mais bem pagos do mundo: 12ª? 10ª? Que inveja deverão sentir os seus colegas de profissão a quem a sorte não bafeja com tanta facilidade. Há gente que nasce mesmo com o cu virado para a lua...

Errar é humano. Mas o que se poderá dizer quando se repete o mesmo erro, não duas, não três, mas quatro vezes seguidas? Ninguém é assim tão burro. Que deve haver gente na direcção benfiquista a embolsar muita "guita" com este negócio já ninguém duvida. O que não se compreende é o silêncio por parte dos adeptos que vão assistindo a tudo isto com a maior das calmas. E ainda, pasme-se, há quem concorde com a decisão...
De certa forma, compreendo a atitude dos adeptos encarnados. Para quem se habituou a ver o clube pouco ganhar ao longo de duas décadas, o facto do Benfica ter chegado à final de uma competição europeia - algo que não acontecia há mais de 20 anos - constitui uma lufada de ar fresco. Mas o que esta gente não compreende é que, no futebol como em tudo na vida, o "quase" significa o mesmo que "nada".
As cenas pouco dignificantes protagonizadas por Jesus e Cardozo no Estádio Nacional demonstram que o balneário está dividido e, no seio do plantel, não deverá ser apenas o paraguaio a manifestar a sua desilusão e revolta com o trabalho do "mister". Há, obviamente, um desgaste emocional que, mais cedo ou mais tarde, virá ao de cima e se reflectirá no rendimento da equipa encarnada. Já se adivinha como isto irá acabar: dentro de pouco tempo estarão novamente a lamentar-se, atirando as culpas para o Pinto da Costa, os árbitros e a má sorte. São tão previsíveis...

Alguém poderá ser tão ingénuo a ponto de acreditar que isto aconteceria no FC Porto? Alguém acredita que Pinto da Costa manteria à frente da equipa um homem que demonstrou tanta incapacidade de obter resultados práticos, não obstante os muitos milhões de euros investidos no plantel e as condições extraordinárias que lhe foram proporcionadas? São estas "pequenas" coisas que marcam a diferença entre o sucesso e o fracasso e, por muito que isto lhes custe a admitir, o FC Porto está muitos anos-luz acima da concorrência.

terça-feira, 4 de junho de 2013

Hino ao desporto

Quem acompanha este blogue sabe que não é habitual falar-se aqui das modalidades amadoras, mas esta é uma das raras vezes em que se justifica plenamente uma excepção.
Contrariando todas as expectativas negativas criadas em torno deste jogo pelos nossos rivais, a verdade é que a final da Liga Europeia de hóquei em patins acabou por ser um hino ao desporto e uma excelente propaganda para a modalidade. Num jogo impróprio para cardíacos, as equipas defrontaram-se com extremo empenho e profissionalismo, mas sempre nos limites da correcção, dando assim um grande espectáculo com muitos golos e emoção. Venceu o Benfica com justiça, graças ao golo de ouro, tal como também o FC Porto teria sido um justo vencedor se a sorte lhe tivesse sorrido no prolongamento. Está assim de parabéns  a equipa encarnada pelo título que conquistou, mas também o FC Porto que, mesmo na hora da derrota, soube honrar o nome do clube e do país, dando uma imagem de desportivismo e de civismo que começa a tornar-se rara no desporto nacional. Nesse capítulo, realce para Reinaldo Ventura que, no final do jogo, foi o primeiro a acercar-se dos adversários para os felicitar pela vitória, e para o público que, não obstante a desilusão, presenteou os vencedores com aplausos. Um exemplo a reter, portanto.
Há que dizer, no entanto, que esta vitória encarnada não é de todos os benfiquistas, mas apenas dos jogadores e dos poucos adeptos que, contrariando a vontade da direcção benfiquista, fizeram questão de marcar presença no Dragão Caixa. Ninguém tem dúvidas de que a direcção benfiquista foi a principal culpada pela época desastrosa que o clube da Luz acabou por ter no futebol após vários meses pautados por atitudes prepotentes e festejos antecipados. Ora, foi por um triz que o Benfica não saiu derrotado também desta final ainda antes dela começar, mais uma vez graças à prepotência de dirigentes que, como é fácil de constatar, não andam no desporto pelo desporto, nem tão pouco pela defesa do clube que dirigem, mas sim pelas suas próprias vaidades e interesses mesquinhos.
Com uma birrinha própria de uma criança da escola, a direcção encarnada decidiu vir dizer "assim não brinco!" num comunicado emitido durante a madrugada que faz corar de vergonha qualquer pessoa naquele clube que ainda possua a noção do ridículo. Mais do que um insulto para o FC Porto, para a PSP do Porto e para a CERH, esta posição verdadeiramente patética e irresponsável do clube lisboeta, manifestada num texto que mais parece ter saído da mente conturbada de um bêbado acabado de sair de um bar do Bairro Alto, constituiu uma gritante falta de respeito para com a sua própria equipa que, com suor, havia conquistado o pleno direito de jogar esta final.
Por aqui se vê que nem o Vieira nem os seus sequazes alguma vez praticaram desporto ao mais alto nível. Se o tivessem feito, nunca cometeriam a desfaçatez de privar os jogadores do seu momento de glória em nome de politiquices imbecis. Enfim, um comportamento execrável, a acrescentar a tantos outros protagonizados pela mesma gentalha que, por exemplo, ainda recentemente andou a apelar aos seus adeptos para que não fossem aos estádios de futebol.
Felizmente para todos os amantes da modalidade, prevaleceu a vontade dos jogadores que levantaram a sua voz e exigiram realizar o jogo. São eles, unicamente eles, os verdadeiros obreiros desta vitória, e é para eles que reitero os meus sinceros parabéns, pelo título e pela coragem demonstrada.

domingo, 26 de maio de 2013

A época de sonho virou pesadelo!


«Aconteça o que acontecer, esta época será brilhante, mas poderá ser ainda muito mais brilhante se conquistarmos as três provas em que estamos inseridos. Pode ser uma época de sonho

Entrevista de Jorge Jesus à TSF, 10 de Abril de 2013.

Há pouco mais de um mês atrás, era só arrogância, prepotência e jactância lá para as bandas da Luz. Falava-se em "época de sonho"e em "tripletes", as vitórias eram "limpinhas", convocavam-se conferências de imprensa para insultar o FC Porto, já se festejava o campeonato a quatro jornadas do fim, já se reservava o local dos festejos, os adeptos exigiam a renovação do contrato de Jorge Jesus e a imprensa lisboeta ia enchendo as primeiras páginas com parangonas do tipo "Águia já cheira o título". Agora, é vê-los a chorar, agarrados à cabeça, tentando perceber como é que a época terminou sem a conquista de um único título. Foi-se o campeonato, foi-se a Liga Europa, foi-se a Taça de Portugal e nem a Taça da Liga, que nos últimos anos foi a tábua de salvação do SLB, escapou à seca. A época de sonho do Benfica virou um pesadelo que teve até empurrões e discussão com direito a transmissão televisiva em directo. Para o circo ficar completo, só faltou mesmo o Cardozo enfiar um soco bem dado no meio dos olhos do "Jasus". E faltou tão pouco...

Parasitagem

Parasita:
1. Ser que come ou vive à custa alheia.
2. [Figurado]  Pessoa inútil, supérflua.
3. [Botânica]  Diz-se das plantas que nascem e se desenvolvem sobre outras plantas.
4. [Zoologia]  Diz-se do animal que, interior (entozoário) ou exteriormente (epizoário), vive à custa da substância de outro.

Na mesma semana em que o Marítimo - cujo presidente tentou, de forma indecente e oportunista, lucrar à custa de um jogador emprestado por um clube brasileiro - foi condenado pela FIFA por incumprimento do acordo que tinha com esse mesmo clube, eis que surge mais uma polémica à boa maneira portuguesa (que é como quem diz, idiota, estéril e sem fundamento), que vem, uma vez mais, pôr a nu a parasitagem que prolifera no futebol português. Tudo porque determinados jornais lisboetas (quem mais poderia estar na origem desta imbecilidade?...) decidiram levantar suspeitas sobre o valor encaixado pelo FC Porto na transferência de João Moutinho para o Mónaco, insinuando que o negócio foi feito no sentido de evitar que o Sporting recebesse uma quantia elevada respeitante aos 25% da mais-valia realizada a partir dos 11 milhões de euros. Ora, a respeito disso, urge dizer o seguinte:

1) O João Moutinho não veio para o FC Porto de borla. O Sporting encaixou 11 milhões de euros pelo seu passe, um valor que constitui a maior transferência de sempre entre clubes portugueses.

2) O interesse do FC Porto foi uma tábua de salvação para o Moutinho e para o Sporting. Numa altura em que o jogador se encontrava em litígio com o clube de Alvalade ao ponto dos responsáveis leoninos lhe chamarem "maçã podre", era evidente que Moutinho era visto como "persona non grata" e que o Sporting tinha pressa em ver-se livre dele o quanto antes. Mantê-lo na equipa naquelas condições representaria um elevado risco de desestabilizarão do balneário e de desvalorização do passe do atleta.

3) O Sporting não tinha ofertas de outros clubes superiores ao valor pago pelo FC Porto. Como tal, o negócio foi bom para todas as partes envolvidas no negócio.

4) Em relação ao valor pago pelo FC Porto, a transferência para o Mónaco por 25 milhões de euros corresponde a uma valorização de quase 130% do passe de Moutinho. Em apenas 3 anos com a camisola azul e branca vestida, o jogador valorizou-se em mais do dobro. No entanto, tal poderia não ter acontecido se, por exemplo, o jogador contraísse uma lesão grave. Por esse motivo, a questão dos 25% da mais-valia nunca poderia ser encarada pelo Sporting como um lucro assegurado, mas antes como um possível encaixe financeiro extraordinário.

5) Se somarmos os 3,5 milhões de euros que o Sporting tem agora a receber aos 11 milhões pagos anteriormente, o Sporting encaixará cerca de 14,4 milhões, um valor muito superior ao que o clube de Alvalade alguma vez arrecadaria se tentasse negociar o jogador directamente com qualquer clube estrangeiro.Tal como José Filipe Nobre Guedes, ex-administrador da SAD leonina, afirmou hoje à comunicação social, o passe de João Moutinho não valia mais do que os 11 milhões que o FC Porto pagou em 2010, pelo que o negócio acabou por ser muito rentável para os cofres do Sporting.

6) Quem manda no FC Porto é o FC Porto. É legítimo que o Sporting se preocupe com o cumprimento do acordo estabelecido entre os dois clubes, mas a partir do momento em que o João Moutinho se tornou jogador do Porto, o clube leonino deixou de ter qualquer tipo de direitos sobre as decisões quanto a uma possível transferência e respectivos valores envolvidos.

7) O Sporting não tem o direito de vir agora contestar os valores envolvidos na transferência de Moutinho. Será preciso lembrar os seus dirigentes de que não foi o Sporting que valorizou o jogador ao longo dos últimos 3 anos, nem foi o Sporting que encontrou um clube interessado em pagar os 25 milhões que o Mónaco agora ofereceu? E se o Sporting esperava que o Moutinho fosse vendido pelo valor da sua cláusula de rescisão, porque não se preocupou em encontrar um comprador interessado em oferecer essa quantia, sabendo que teria muito a ganhar com isso?

8) O presidente do Sporting chegou ao cúmulo de insinuar que Pinto da Costa está senil pelo facto de ter vendido o Moutinho abaixo do preço da sua cláusula de rescisão. São inúmeros os exemplos de jogadores que foram vendidos abaixo do preço da cláusula e se há presidente conhecido por realizar bons negócios é precisamente o Pinto da Costa. Portanto, estaremos atentos aos brilhantes negócios que Bruno de Carvalho fará no futuro e logo veremos se possui a esperteza e lucidez que o jovem dirigente diz faltar ao experiente presidente portista.

sexta-feira, 24 de maio de 2013

FIFA condena guardanapos da Madeira

A FIFA condenou o Marítimo a pagar 2,53 milhões de euros ao Atlético Mineiro por incumprimento do acordo que existia entre os clubes relativamente ao Kléber.
Recorde-se que Carlos Pereira, presidente do Marítimo, não poupou o FC Porto a um chorrilho de insultos na sequência da transferência do avançado brasileiro para o Dragão, chegando mesmo a acusar os portistas de tratarem o clube insular como um "guardanapo que se usa e deita fora". No entanto, o Marítimo já havia perdido os processos que interpôs na FPF contra os dragões e voltou agora a perder junto da própria FIFA, o que diz bem sobre a honestidade dos argumentos e a legitimidade das pretensões do clube funchalense.
Lamenta-se que os adeptos madeirenses se tenham deixado levar pelo discurso incendiário do seu presidente, deixando agora o clube na iminência de pagar uma quantia que, com toda a certeza, fará mossa nas suas finanças. Mas, atendendo a que, na sua maioria, torcem mais pelo Benfica do que pelo Marítimo em si, o mais provável é que não se mostrem minimamente preocupados com tal facto e até, quem sabe, culpem o Pinto da Costa pelo seu infortúnio. É o costume...

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Eu acreditei!

Eu não sou daquele género de pessoas que gosta de dizer "Eu bem disse que ia ser assim"! Depois das coisas acontecerem, é fácil fazerem-se análises e tirarem-se conclusões. No entanto, desta vez vão perdoar-me a petulância, mas não resisto a dizer: eu bem disse que ia ser assim! Eu acreditei!
A 18 de Março de 2013, o Porto atravessou a pior fase deste campeonato ao empatar na Madeira, vendo assim aumentada a desvantagem em relação ao 1º classificado para 4 pontos, o que, na opinião de muitos, deixava os dragões praticamente arredados da revalidação do título. Nessa altura, foram muitos os portistas que, precipitadamente, deram largas ao seu desapontamento nos blogues e fóruns de discussão, em muitos casos de forma exagerada e despropositada, descarregando a sua frustração nos mais variados alvos, desde o treinador aos jogadores, passando por dirigentes da SAD, etc. Nem o próprio presidente Pinto da Costa, figura central de tantas e tantas conquistas, escapou a essa vaga desenfreada de histeria, o que me deixou verdadeiramente triste e desapontado. Ora, numa tentativa de contrariar esses sentimentos negativistas, escrevi então um artigo intitulado "NO SURRENDER!" com o qual procurei remar contra a maré, não através de simples palavras de incentivo sem nexo, mas antes baseado em factos e convicções devidamente fundamentadas em cinco pontos, dos quais aqui transcrevo o seguinte:

«4) As equipas de Jorge Jesus são conhecidas por quebrarem no último terço do campeonato e o Benfica demonstrou na época passada que não é excepção. Tal facto deve-se, acima de tudo, pela obsessão quase doentia do treinador encarnado de esmagar os adversários, o que pode ser muito bom para o espectáculo e para o ego dos adeptos, mas retira margem de manobra para uma boa gestão do plantel ao longo de toda uma época.»

No mesmo dia, publiquei outro artigo intitulado "Eu acredito!" no qual afirmei o seguinte:

«Chamem-lhe optimismo, irrealismo ou insensatez, mas a verdade é que eu acredito que o Porto poderá mesmo ser campeão esta época, sim senhor! Por mérito próprio, mas também por demérito dos adversários, o título ainda está ao nosso alcance. O Benfica vai cair, isso é um facto. Só falta saber quando e onde, mas vai cair, e quando o fizer será com estrondo. Portanto, não parem de lutar! Não desistam! Não deitem a toalha ao chão! Acreditem e apoiem a equipa!»

Se agora recordo essas minhas palavras que o tempo acabou por demonstrar serem acertadas, não é para me vir gabar de falsos dotes de adivinhação, mas sim para relembrar todos aqueles que, nas alturas más, criticaram os elementos do nosso clube pondo em causa a sua competência e dedicação à causa portista, que os campeonatos só acabam à 30ª jornada e nunca antes! Se, com toda a legitimidade, criticamos os nossos rivais por terem festejado o título prematuramente, sejamos também capazes de condenar aqueles que, dizendo-se adeptos azuis e brancos, não estiveram à altura do que deles se exigia e falharam no apoio à equipa quando esta mais necessitava.

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Novo hino das papoilas saltitantes (Ser benfiquista)

(Entrada instrumental)

Ser benfiquista
é ter na alma
a frustração
de mais um ano
sem ver o clube
ser campeão!
É ter a percepção
da triste realidade
que a grandeza do Benfica
não passa de uma ilusão,
quando vê, ano após ano,
o Porto ser campeão!

(Instrumental)

Ser benfiquista
é ter a tola
como um melão,
por mais um ano
a ver o Porto
ser campeão!
Porque é
que o meu papá
me fez esta maldade?
Fez-me sócio do Benfica
quando tinha tenra idade
e agora eu vivo aqui
numa eterna infelicidade!

Lá lá lá lá-lá, lá lá lá lá, lá lá lá lá...

domingo, 19 de maio de 2013

QUE SE LIXE O PIB!!! SOMOS CAMPEÕES!!!


Contra todas as previsões, SOMOS CAMPEÕES!!!
Esta foi a vitória da fé e da perseverança do Dragão, contra a arrogância e a prepotência dos nossos rivais! VIVA O POOOOOOORTO!!!
E por aqui me fico, por agora, que a hora é de festejar!

quinta-feira, 16 de maio de 2013

Estofo internacional

Para vencer uma competição internacional onde só jogam as melhores equipas de vários países europeus, é necessária uma combinação rara de qualidade, organização, competência, empenho, convicção e sorte. Chama-se a isso ter estofo internacional, algo que não está ao alcance de qualquer clube, nem acontece por mero acaso.

P.S. - Fala-se muito na falta de sorte do Benfica pelo golo sofrido em período de descontos, mas, pelas minhas contas, foram "só" 6 ou 7 bolas nos postes sofridas pelos encarnados ao longo desta edição da Liga Europa, incluindo uma no penalty em Istambul que teria ditado a eliminação dos encarnados frente ao Fenerbahce e outra na final, num potente remate de Lampard que podia ter ditado o desfecho do jogo a favor dos londrinos bem mais cedo. Sofrer bolas nos postes é sorte. Sofrer golos em período de descontos não é azar, é aselhice.

segunda-feira, 13 de maio de 2013

Mexia, mexia, mas era daqui pra fora!

Que o Benfica goza em Portugal de uma protecção política que lhe permite beneficiar de condições especiais do foro financeiro e desportivo que mais nenhum clube tem, é uma verdade insofismável. Que o clube do regime goza de uma espécie de "imunidade diplomática" que lhe permite passar sempre impune, sem a mais pequena beliscadura, mesmo quando se vê envolvido em situações altamente suspeitas e merecedoras de intervenção das autoridades, também. Até aqui, não há novidade. O que não é vulgar é vermos políticos e outras figuras públicas reconhecerem tal facto, mesmo que de uma forma encapotada.

Quando o presidente executivo da EDP afirmou, nas vésperas do clássico do Dragão, que espera que o Benfica vença o campeonato porque "é bom para o país e para o PIB nacional", as suas palavras não constituíram o simples desejo do adepto António Mexia de ver o seu clube ser campeão. Há, por detrás desta declaração, a mensagem implícita de que beneficiar o Benfica não constitui um atentado à verdade desportiva, mas antes uma missão que nós, cidadãos nacionais, devemos assumir como necessária, em nome dos interesses da nação. Numa altura de crise em que os portugueses se vêm cada vez mais "à nora" para pagar as contas no final do mês, imagino o efeito que estas palavras não terão produzido nas mentes mais fracas deste povo. Quantos não terão mesmo pensado que, se se inscreverem como sócios do SLB, terão direito a um desconto na factura da luz...
Esta táctica de transformar os interesses mesquinhos do clube da Luz em supremos desígnios da nação não constitui novidade. Trata-se ainda de um resquício dos tempos da "Velha Senhora", quando o Benfica era elevado a uma condição superior à própria Selecção Nacional  e os seus jogadores eram entendidos como património do Estado. Nada de novo, infelizmente. Mas lamenta-se que, quase quatro décadas volvidas sobre a Revolução dos Cravos, ainda existam "figurões" que, ocupando lugares de responsabilidade, insultem a inteligência de milhões de pessoas com este tipo de demagogia própria dos regimes fascistas.

A dois Paços do título

A imensa explosão de alegria que se fez ouvir no Dragão quando a dupla Liedson/Kelvin concretizou a jogada mortífera que culminou com a bola no fundo da baliza encarnada, foi um daqueles momentos épicos que deixam marcas no corpo e na alma de qualquer adepto fervoroso. Dir-se-ia que, nos poucos segundos que durou a cavalgada vitoriosa dos dois brasileiros, o mundo azul-e-branco deu uma gigantesca cambalhota, não apenas no resultado do jogo em si, não apenas na classificação do campeonato, mas, acima de tudo, na esperança da conquista de um título que, escassos momentos antes, estava literalmente entregue ao rival lisboeta. Mas, apesar da euforia que legitimamente se libertou após o apito final de Proença, não nos podemos esquecer de que o campeonato ainda não acabou. Temos ainda, na próxima jornada, a derradeira prova, aquela que irá ditar se o Porto merece ou não ser campeão num campeonato marcado pela inconstância de uma equipa que nem sempre soube estar à altura do que lhe era exigido.
O Porto esteve a poucos minutos de perder definitivamente o campeonato pois, em cima dos 90 minutos, o empate a uma bola servia perfeitamente às pretensões encarnadas. Convenhamos que, nessas condições, só um milagre impediria o Benfica de conquistar o título na última jornada frente ao Moreirense, uma das piores equipas da Liga, que se encontra a um passo da descida de divisão. Mas o futebol é mesmo assim e por isso desperta tantas paixões, tantas emoções, tantas incertezas. Quando já poucos acreditavam na vitória, eis que os deuses da bola, num daqueles seus desvarios de refinada ironia, vestiram a pele de um fedelho de 19 anos que, em dois toques de magia, pôs a bola no fundo da baliza de Artur. Num jogo de tudo ou nada, Kelvin deu-nos tudo.
Há, contudo, que conter a euforia. Se, nas semanas que antecederam este encontro, foram muitas as vezes que criticamos os nossos rivais, antevendo o descalabro que os festejos precipitados e desmedidos lhes iriam causar, sejamos também nós inteligentes a ponto de perceber que só com muita concentração e entrega conseguiremos ultrapassar esse dificílimo obstáculo chamado Paços de Ferreira. As portas da felicidade estão já ali, escancaradas, na Mata Real, mas tal como os deuses da bola nos acompanharam nos derradeiros segundos do clássico do Dragão, será com a mesma facilidade que nos voltarão as costas se permitirmos que a soberba se apodere dos nossos espíritos.

terça-feira, 7 de maio de 2013

O céu é azul...

... e o inferno também! No próximo sábado, todos ao Dragão! O pensamento só pode ser um: GANHAR! GANHAR! GANHAR!

segunda-feira, 6 de maio de 2013

quarta-feira, 1 de maio de 2013

O papagaio saiu da gaiola

Há poucos dias atrás, questionei aqui o porquê do papagaio Gabriel andar tão caladinho. Parece que o meteram na gaiola, mas ele lá conseguiu sair e não perdeu tempo a convocar uma conferência de imprensa para desfiar um chorrilho de bestialidades mesmo ao gosto da populaça.
O discurso, próprio para acéfalos, não pôde ser interrompido pelos jornalistas e é fácil de perceber porquê: os argumentos são tão falaciosos e desprovidos de fundamento que até a contra-argumentação de uma criança poderia causar embaraço ao director de comunicação do Benfica, senão vejamos:

«Durante uma semana mantivemos o silêncio que hoje termina.»

Mantiveram os silêncio simplesmente porque não tinham argumentos para contrariar a polémica que se instalou após a actuação criminosa do João Capela na Luz. Por mais que tentem disfarçar, eles mesmos sabem que o juiz lisboeta inclinou o campo a favor da equipa da Luz e teve influência directa no resultado final. Mas o mais vergonhoso, é terem o descaramento de virem falar do seu próprio silêncio como se fosse algo de transcendente. Logo eles que tanto gostam de se armar em donos da moral e dos bons costumes, nunca hesitando em apontar o dedo acusador aos outros, calaram-se como ratos perante este escândalo, esperando que a poeira assentasse. Se fossem gente séria, como tanto apregoam que são, seriam os primeiros a lamentar publicamente a torpe viciação da verdade desportiva a que todos assistimos, mas está visto que a sua interpretação do certo e do errado flutua ao sabor dos seus interesses mesquinhos. Ou alguém ainda duvida de que a atitude destes energúmenos seria perfeitamente oposta se a actuação criminosa de Capela tivesse o Benfica como vítima?

«Foi a campanha mais baixa, incendioso (???), fraudulenta e imoral que me lembro de existir desde que cheguei ao Benfica.»

O papagaio Gabriel terminou o seu discurso referindo-se a Pinto da Costa como "virgem ofendida e com ataque de amnésia", dando mostras de ter falta de espelhos em casa. Deve pensar que as pessoas têm a  memória curta e já não se recordam das campanhas "baixas, insidiosas, fraudulentas e imorais" feitas por ele mesmo nas épocas anteriores quando proferiu uma série de acusações aos árbitros, pondo em causa a justiça das vitórias do FC Porto. Afinal, quem não se lembra da 1ª página do jornal A BOLA dando destaque a frases do tipo «Título do FC Porto é um tributo dos árbitros»? A arrogância destes energúmenos é de tal ordem que pensam que só o Benfica tem o direito de reclamar a seu bel-prazer, não admitindo que os outros ajam de igual forma mesmo quando têm razões de sobra para tal.

«Uma campanha de insinuações e mentiras e que esperava retirar dividendos do clima de intimidação que foi criado.»

Pela mesma ordem de ideias, podemos então concluir que os célebres "murros na mesa" do Benfica também tinham como objectivo criar um clima de intimidação para os árbitros, ou nesse caso já vão alegar que tinham nobres intenções? Mais uma vez, a falta de memória desta gente é por demais evidente. Agem hipocritamente como se fossem donos da verdade ou tivessem o direito divino de decidir quem tem e quem não tem liberdade para expressar a sua indignação quando se sente prejudicado, como é claramente o caso actual do Sporting e do FC Porto. 



«Esta campanha foi criada por alguém que, em qualquer país da Europa seria um caso de estudo das cadeiras de Direito penal, mas que em Portugal continua a ser recebido na Assembleia da República.»

Que triste figura faz o clube da Luz nesta tentativa constante de branquear tudo o que de podre se passa debaixo do seu próprio tecto, recorrendo à cassete já gasta do Apito Dourado. Julgará esta gentalha que as pessoas têm a obrigação de aceitar a imposição das vontades e dos interesses mesquinhos dos encarnados, sob o pretexto estafado do Pinto da Costa, do sistema e outras tretas do género? É dessa forma ridícula que pretendem justificar escândalos como o Estorilgate ou o Campeonato dos Túneis? É assim que pretendem desculpar arbitragens como a do Lucílio Batista na final da Taça da Liga ou do Capela no último clássico?

 «Grande parte do currículo de trinta anos que tem deveria ser apresentado como cadastro e não currículo»

Como é possível estes energúmenos virem mostrar-se muito indignados com aqueles que contestam o mérito da liderança do Benfica na corrente edição da Primeira Liga, e ao mesmo tempo terem o despudor de porem em causa 30 anos do passado de um clube rival? Houve mesmo quem chegasse ao cúmulo de lançar a suspeição sobre a Taça dos Campeões Europeus brilhantemente conquistada em 1987 frente ao colosso Bayern de Munique por causa dos desvarios de um drogado, mas comportam-se como virgens ofendidas porque, coitadinhos, estão a ser sujeitos à crítica. Uma vez mais, insultam com o maior dos descaramentos e exigem dos outros um respeito que não demonstram ter por ninguém.

«Só há uma equipa na I Liga em Portugal que à 27.ª jornada não sofreu um único penálti contra. Deve ser um caso único na Europa.»

Esta questão dos penalties que alegadamente terão ficado por marcar contra o FC Porto vem na sequência de um artigo publicado por João Querido Manha no jornal Record que já aqui mereceu uma análise. A propósito disso, adorei ver as "trombas" com que ficou o Querido Manha quando Jorge Coroado, em pleno programa CM Sport do canal do Correio da Manhã, afirmou peremptoriamente que Carlos Xistra não tinha cometido quaisquer erros graves no jogo FC Porto-Vitória de Setúbal (uma opinião que, aliás, foi partilhada pelos restantes elementos do Tribunal d'O JOGO). Recorde-se que Querido Manha acusou Carlos Xistra de ter perdoado pelo menos um penalty ao Porto nesse jogo. Teria sido bem mais honesto da parte deste jornalista fazer uma análise dos cartões vermelhos de que o Benfica já beneficiou esta época, não só directamente nos seus jogos, mas também indirectamente nos jogos das equipas adversárias ocorridos imediatamente antes do confronto com os encarnados. Segundo a informação que corre na blogosfera, foram "só" 11 jogadores expulsos em jogos do SLB e nada mais nada menos que 18 (DEZOITO!) jogadores adversários impedidos de defrontar os encarnados por motivos de suspensão disciplinar. É obra!

«Esta campanha odiosa tem a colaboração de jornalistas e alguns meios de comunicação social que amplificaram esse ruído, contestando o mérito da liderança do Benfica, de uma forma desprezível", disse ainda o director de comunicação dos encarnados.»
  
Ouvir o clube do regime, o clube mais protegido de sempre pelo poder político, o clube mais apoiado pela intelectualmente corrupta imprensa lisboeta, queixar-se de ser prejudicado pela comunicação social é uma daquelas anedotas que, de tão ridículas que são, nem sabemos se havemos de rir ou de chorar! 
A forma como alguns jornais tentaram branquear a arbitragem criminosa do sr. Capela desviando as atenções do público para outras questões, invertendo completamente aquela que tem sido a sua habitual postura sempre que o Benfica se diz prejudicado pelos árbitros, foi de tal forma despudorada que até meteu nojo! Compare-se, a título de exemplo, as primeiras páginas d'A BOLA apresentadas ao lado. Serão precisas mais palavras para denunciar a obscena dualidade de critérios editoriais deste (e outros) jornais?

Ponto a  ponto se percebe que os argumentos utilizados pelo Benfica nesta conferência de imprensa são do mais ridículo e desonesto que se possa imaginar. Este autêntico atentado à inteligência das pessoas só é explicável à luz do mau-estar sentido entre as hostes benfiquistas, motivado pela reacção (mais do que justificada) do público após a obscena adulteração da verdade desportiva a que todos assistimos no clássico da Luz. No entanto, mesmo admitindo que a melhor resposta para este pulhice seria o completo desprezo, é necessário que os dirigentes do FC Porto compreendam que não se pode continuar a assistir impávida e serenamente a estes ataques sujos de gentalha vil que faz do clube azul-e-branco o alvo constante das suas frustrações e descargas de bílis. Esta escumalha há muito que ultrapassou os limites do razoável e merece uma posição firme por parte da Direcção portista.





terça-feira, 30 de abril de 2013

Miguel Sousa Tavares - Cristalino como água!

«Caro Eduardo Barroso: Carta recebida, carta respondida. Aqui vai, pois. Primeiro de tudo,retribuo o que é sincero: a estima e admiração, a tal «amizade à distância» e as cordiais discordâncias desportivas ou desencontros de paixões antagónicas. E, a seguir, declaro que sei que partilharmos algumas outras paixões, essas não antagónicas: o amor pela Baía de Lagos e Ria de Alvor, na parte ainda a salvo dos piratas, pelo peixe grelhado, pelos livros e pela música, pelo futebol como arte irracional, por um puro fumado ao final da tarde, com os olhos magoados de sal e de azul, nesses dias de tréguas de Verão, sem vencedores nem vencidos, a que chamam «defeso», e onde nada é mais importante do que ver a felicidade a desaparecer devagar no horizonte em todos os finais de dia, sabendo que estará de volta na manha seguinte. Pensando nisso, nesse teu gosto pela beleza das coisas, tenho pena de ti, cujo clube joga no horrendo Estádio de Alvalade, enquanto que o meu joga no mais bonito estádio que conheço. (Toma isto como um indicador, mais um, da desgraça que se abateu sobre o teu clube nas últimas décadas, comparada com a glória que levou o nome do meu aos quatro cantos do mundo). Sobre a minha última crónica aqui, tu dizes, e com razão, que o que mais me indignou no que fizeram ao teu Sporting na Luz foi o que disso sobrou para o meu FC Porto. Pois claro que sim! É que, desculpar-me-ás que te diga, quem se quis atingir não foi o Sporting (vegetando num 7ºlugar a 37 pontos do Benfica!), mas, obviamente o FC Porto, disputando com o Benfica um campeonato ponto a ponto. E, se dúvidas restassem, bastaria atentar nos comentários dos benfiquistas à capelada da Luz: o alvo deles não eram vocês, mas nós. Assim, enquanto que uns, assobiando para o ar, diziam coisas piedosas tais como «não há derby sem casos» ou «tirando as polémicas, o Sporting não leve nenhuma oportunidade de golo» (pudera, se o árbitro negou todas!), os outros, os institucionais, lá vieram com o Apito Dourado e o «Papa» e o passado - na versão deles e com o condão de desculpar todo o presente e qualquer futuro. Vocês, desculpa que te diga, foram apenas um peão na engrenagem, como a Académica e outros neste campeonato, colocados no caminho do «legado de transparência e verdade». E agora que o novo presidente do teu clube me parece tão ansioso por encontrar uma fórmula de amizade e vassalagem com o campeão da verdade e transparência, deixa apenas que te recorde coisas de um passado recente de tal campeão: - todos os clubes tem claques pouco recomendáveis, mas o único clube que tem claques condenadas em tribunal criminal, enquanto organização, é o SLB. O único cuja claque matou um adepto adversário em pleno estádio foi o SLB (numa final da Taça contra o Sporting). O único cuja claque atacou um autocarro de um clube adversário no seu estádio, deixando um jogador em coma, e nem um pedido de desculpas apresentou, foi o SLB (num Benfica-Porto em hóquei em patins, na Luz); - o único clube cujo treinador insultou, com gestos de uma ordinarice inimaginável, os adeptos adversários em pleno pavilhão destes e nada lhe sucedeu, foi o SLB (no último jogo do campeonato de basquete do ano passado). - o único clube que disputou a primeira Liga com um director de futebol que era simultaneamente presidente de outro clube da primeira Liga, foi o SLB, com José Veiga. - o único clube que, em consequência do facto anterior, convenceu o adversário a transferir um jogo em sua casa para campo neutro e onde o jogo lhe era mais favorável, foi o SLB, num decisivo jogo contra o Estoril, transferido para o Algarve; - o único clube que compra, ou anuncia o seu interesse em comprar, jogadores de um clube adversário nas vésperas de o ir defrontar, é o SLB (o último consumado foi o Jardel, do Olhanense, comprado na manhã do próprio jogo e logo impedido de o disputar); - o único clube que tem um presidente na cadeia (e só depois de ter perdido a reeleição e se ter apurado que roubara o proprio clube) é o SLB; - o único clube que montou toda uma operação engendrada ao pormenor e com cumplicidades no topo para retirar da competição o melhor jogador do adversário principal, foi o SLB (com o vergonhoso episódio do túnel da Luz, através do qual o Hulk foi afastado do campeonato num momento decisivo); — o único clube cujo presidente foi apanhado nas célebres escutas do Apito Dourado a escolher literalmente um árbitro para um jogo junto do presidente da Liga, foi o SLB; — o único clube cujo presidente ousou afirmar que era mais importante ter os homens certos nos lugares certos da estrutura da Liga do que ter uma boa equipe, foi o SLB; - o único clube que, tendo ficado em terceiro lugar no campeonato, montou uma estrangeirinha para afastar o campeão (que lhe ganhara com mais de 20 pontos de avanço) e assim tentar conquistar um lugar de acesso à Champions, foi o SLB; — o único clube que vos conquistou uma Taça da Liga através de uma arbitragem tão transparente e verdadeira que a Taça ficou para sempre conhecida pelo nome do árbitro, foi o SLB; — o único clube que o Fisco e a Comissão de Acompanhamento das Dividas dos Clubes se esqueceram de controlar,permitindo que durante anos estivesse na ilegalidade e em condições de concorrência desleal, foi o SLB; - o único clube cuja direcção, precisando de favores do governo, compareceu a um acto público de campanha eleitoral de um partido politico que as sondagens davam como vencedor (e veio a sé-lo), foi o SLB, na campanha de Durão Barroso. Porque, meu caro Eduardo Barroso, há uma diferença abissal entre nós e eles, entre os portistas e os benfiquistas. Eles são incapazes de jamais reconhecerem mérito aos adversários, e nós sim (ainda há três semanas aqui o fiz). Eles não se importam de ganhar nem que seja por decreto-lei e nós importamo-nos. Eles têm a imprensa desportiva a cortejá-los, temê-los, branqueá-los, reverenciá-los, e nós não. Não encontrarás um portista que não reconheça que, de facto, o golo do Maicon na Luz, na época passada. foi em obtido em off-side, mas não encontraste um só benfiquista capaz de reconhecer, ao menos, um dos penalties que o Sr. Capela não viu. Assim como não viste um único a reconhecer que também o segundo golo do Benfica, no jogo da época passada contra o Porto, nasceu de um livre que não existiu, que talvez tenha havido um penalty por marcar contra o Benfica ou que, sobretudo, foi o Porto que fez por merecer ganhar o jogo. Eles são arrogantes e acham-se donos do futebol indígena, por direito divino, e nós não. Nós respeitámos e respeitamos o Benfica do Eusébio e as suas conquistas europeias da década de sessenta, mas eles vivem a repetir que tudo o que nos ganhámos, na Europa e no mundo, foi com batota - como ainda agora o voltou a dizer o seu presidente. Mas é por isso mesmo que o SLB é hoje dono de um estatuto, um triste estatuto, que eu devo confessar que também já foi nosso; o de ser o clube que, fora do universo dos seus adeptos, é o mais desprezado de todos. Quanto a vocês, Eduardo, o que eu digo e repito há anos é isto: que, quando, acumulando uma dívida de 500 milhões de euros, se consegue ficar habitualmente a 20,30 ou mais pontos de distância do campeão, tentar explicar isso com as arbitragens é tapar o sol com uma peneira. Mais, até: em minha opinião, o constante choradinho do Sporting com os árbitros tem tido o efeito de auto-desresponsabilização, com os resultados à vista. Até porque certamente não irás ver nenhum correligionário a reconhecer, por exemplo, que acabam de ganhar dois pontos ao Nacional com um golo exactamente igual ao tal do Maicon na Luz ou que ganharam um ao Guimarães graças a um penalty evidente perdoado no último minuto, em Alvalade. Mas é evidente que vocês não beneficiam de arbitragens à Capela. Nem vocês nem nós. Porque o sistema tem um nome e é SLB.»

Miguel Sousa Tavares in A BOLA

P.S. - Como é meu hábito, gostaria de salientar a negrito as partes principais deste brilhante texto de Miguel Sousa Tavares, mas não consegui pois dei comigo a salientar o texto todo.