terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Importa-se de repetir???

«A grande penalidade existe porque João Dias agarrou Gaitan, mas este, com o braço esquerdo, empurrou primeiramente o seu adversário. Logo, a primeira infracção devia ser assinalada, mas, não o tendo sido, a grande penalidade é justamente assinalada

Eu nem vou discutir aqui se o penalty favorável ao Benfica é bem ou mal assinalado. O facto é que já vi penalties bem mais descarados do que este serem assinalados e não merecerem a bênção da imprensa desportiva como este mereceu, mas enfim, dou de bandeja. Não admito é que queiram fazer das pessoas parvas com análises hipócritas como esta de Jorge Coroado, publicada hoje no jornal O JOGO, claramente elaborada para agradar aos interesses encarnados.
O ex-árbitro sabe perfeitamente que, se o avançado benfiquista cometeu falta antes do defesa, essa deveria ser assinalada primeiro, o que invalidaria a marcação de uma grande penalidade que só por manifesta desonestidade se pode considerar "justamente assinalada".
Eu até posso compreender que Jorge Coroado já tenha suportado, ao longo da sua carreira, situações que só com muita paixão pelo futebol e pela actividade da arbitragem se consegue superar. O mesmo já relatou, por exemplo, o susto que apanhou quando adeptos benfiquistas lhe fizeram uma espera à porta do emprego e o ameaçaram com uma pistola apontada à cabeça, algo que, para a maioria das pessoas, seria suficiente para mandar tudo às malvas se estivessem no seu lugar. Mas, se Coroado está cansado ou se perdeu a capacidade de encaixe perante as reacções, muitas vezes pautadas por laivos de puro fanatismo, dos adeptos encarnados face à sua interpretação dos lances, faria um favor ao futebol se se afastasse definitivamente, em vez de nos presentear com este tipo de análises hipócritas em que finge concordar com aquilo que afinal não concorda. Assim não, sr. Coroado!

Sem comentários:

Enviar um comentário