segunda-feira, 13 de maio de 2013

Mexia, mexia, mas era daqui pra fora!

Que o Benfica goza em Portugal de uma protecção política que lhe permite beneficiar de condições especiais do foro financeiro e desportivo que mais nenhum clube tem, é uma verdade insofismável. Que o clube do regime goza de uma espécie de "imunidade diplomática" que lhe permite passar sempre impune, sem a mais pequena beliscadura, mesmo quando se vê envolvido em situações altamente suspeitas e merecedoras de intervenção das autoridades, também. Até aqui, não há novidade. O que não é vulgar é vermos políticos e outras figuras públicas reconhecerem tal facto, mesmo que de uma forma encapotada.

Quando o presidente executivo da EDP afirmou, nas vésperas do clássico do Dragão, que espera que o Benfica vença o campeonato porque "é bom para o país e para o PIB nacional", as suas palavras não constituíram o simples desejo do adepto António Mexia de ver o seu clube ser campeão. Há, por detrás desta declaração, a mensagem implícita de que beneficiar o Benfica não constitui um atentado à verdade desportiva, mas antes uma missão que nós, cidadãos nacionais, devemos assumir como necessária, em nome dos interesses da nação. Numa altura de crise em que os portugueses se vêm cada vez mais "à nora" para pagar as contas no final do mês, imagino o efeito que estas palavras não terão produzido nas mentes mais fracas deste povo. Quantos não terão mesmo pensado que, se se inscreverem como sócios do SLB, terão direito a um desconto na factura da luz...
Esta táctica de transformar os interesses mesquinhos do clube da Luz em supremos desígnios da nação não constitui novidade. Trata-se ainda de um resquício dos tempos da "Velha Senhora", quando o Benfica era elevado a uma condição superior à própria Selecção Nacional  e os seus jogadores eram entendidos como património do Estado. Nada de novo, infelizmente. Mas lamenta-se que, quase quatro décadas volvidas sobre a Revolução dos Cravos, ainda existam "figurões" que, ocupando lugares de responsabilidade, insultem a inteligência de milhões de pessoas com este tipo de demagogia própria dos regimes fascistas.

2 comentários:

  1. Apoiado!
    Foi este tipo de coisas que me fez portista.
    No início dos anos 70, quando o FCP não ganhava nada, eu, um puto que andava na primária e via todos os meus colegas a ser benfiquistas, "porque sim", "porque era o que lhes mandavam ser", "porque era o que já se sabia que ia ganhar", "porque nos jornais e na tv só se podia falar deles", " porque os adversários antes dos jogos já diziam que ia ser uma honra perder com eles", resolvi, do alto dos meus 8 anos de idade ser do contra! Vou ser PORTISTA!
    E nunca me arrependi, bem pelo contrário. E longe estava eu de imaginar as alegrias que o meu clube me ia dar ao longo da minha vida.

    ResponderEliminar
  2. Afinal Sr. Mexia está redondamente enganado. Coisa que não deveria estar com o lugar que ocupa. Como Presidente da " EDP ", deveria saber o que abaixo se deixa explicado.

    Ora leia com atenção:



    O PIB CRESCE QUANDO O PORTO É CAMPEÃO









    14/05/2013 Por Ricardo Ferreira Pinto




    futebol e pib
    clicar para ver a 100%
    Não sei quais foram os métodos usados por Carlos Guimarães Pinto para chegar às conclusões a que chega, mas suponho que tenha sido pura invenção.

    Mas sabes uma coisa, João? Começando pelos últimos anos, em 2010 o Benfica foi campeão e o PIB desceu 3%. Já em 2011 o Porto foi campeão e o PIB subiu 5%.

    Outro exemplo: em 2005 o Benfica ganhou o campeonato e o PIB subiu 3%. Mas no ano seguinte ganhou o Porto e o PIB subiu 5%. E no ano anterior, 2004, o Porto fora Campeão Nacional e Campeão Europeu e o PIB subira 14%.

    Ou seja, o que me parece por estes números é que o PIB sobe mais quando o Porto é campeão e não o contrário. Para continuar a comparar, terei de ir a 1994, ano em que o Benfica foi Campeão pela última vez no séc. XX – já agora, nesse ano o PIB subiu 5%. Mas no ano seguinte, com o Porto Campeão, subiu 18%.

    Os inícios dos anos 90 são paradigmáticos. Benfica campeão em 1989 e 1991 e subida do PIB de 8 e de 13%. Porto campeão em 1990 e 1992 e subida do PIB de 30 e de 22%.

    E recuando mais ainda, poderia ir aos anos 80. O Benfica foi campeão em 1983 e 1984 e o PIB desceu 11% e 8%, respectivamente. O Porto voltou aos títulos e o PIB logo subiu 8% em 1985 e uns extraordinários 43% em 1986.
    Os dados do Banco Mundial não deixam dúvidas. Podemos agora acabar com os disparates?

    Nota: Limitei-me à comparação directa entre os campeonatos ganhos pelo Porto e pelo Benfica em anos consecutivos.
    Em quase todos os anos que não estão presentes no gráfico, foi o Porto o campeão, mas aí não havia termo de comparação com o Benfica, que desde 1983 ganhou apenas nos anos representados no gráfico.

    PS o quadro não pode ser visto pois a caixa não deixa copiar,mas deixo o link: http://aventar.eu/2013/05/14/o-pib-cresce-quando-o-porto-e-campeao/

    ResponderEliminar