quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Quem nos leva os nossos fantasmas, quem nos salva desta espada

Tal como o FC Porto salienta hoje no seu site oficial, ​foram poucas as vezes em que o clube empatou na primeira mão de uma eliminatória europeia ao longo da sua história, e menos ainda as vezes em que, estando nessa situação, conseguiu dar a volta ao resultado na 2ª mão. É claro que existem excepções e o Porto refere uma delas para motivar as hostes para o jogo de hoje, em Frankfurt, onde os Dragões terão de, uma vez mais, contrariar a tendência histórica: em 2003/04, o empate na primeira mão das meias-finais da Liga dos Campeões acabou por levar o Porto à final de Gelsenkirchen. É verdade, mas não esqueçamos que, nessa altura, tínhamos à frente da equipa um senhor chamado José Mourinho. Agora, temos um menino chamado Paulo Fonseca.
Apesar de tudo parecer jogar contra nós, vamos a Frankfurt com a fé na bagagem. Em condições normais, esta equipa alemã não seria propriamente temível para os portistas e não será exagero afirmar que o principais adversários a defrontar esta tarde (18:00) serão os nossos próprios fantasmas, criados e alimentados ao longo de uma época de inconstâncias, incertezas e inseguranças. Esperemos pois que esses fiquem esquecidos no aeroporto e que a equipa saiba dar uma resposta dentro do campo que nos restitua uma réstia de esperança para o resto da época. 

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Adivinha-se uma época desastrosa

Ainda recentemente, aquando do aniversário de Jorge Nuno Pinto da Costa, escrevi aqui um texto em que salientei a inigualável obra do mítico presidente à frente do FC Porto e referi a imensa gratidão que todos os adeptos azuis-e-brancos lhe devem. Como tal, não assumo as críticas que algumas pessoas me dirigiram no seguimento do meu post anterior. Não sou mal agradecido e muito menos tenho a memória curta. Simplesmente, abomino aquela atitude passivo-depressiva, tão típica dos nossos rivais, de viver à sombra das glórias do passado enquanto encolhem os ombros perante a mediocridade que grassa nos seus clubes, ano após ano. Recuso-me a seguir esse rumo, até porque não foi esse o caminho que o próprio Pinto da Costa nos ensinou.

Sei de fonte segura que foi Pinto da Costa que sugeriu em primeira mão a contratação de Paulo Fonseca em detrimento de outros nomes que foram postos em cima da mesa e sei também que foi o presidente que defendeu a sua continuidade como treinador quando surgiu a primeira contestação entre os elementos da SAD perante as péssimas exibições e os maus resultados. Felizmente para nós, Pinto da Costa não costuma enganar-se, mas desta vez enganou-se. E tal como normalmente acontece quando se engana, defende teimosamente as suas convicções até às últimas consequências, muitas vezes em prejuízo do próprio clube. Obviamente, não estamos assim tão mal que se justifique entrar em histerias, nem devemos dar ouvidos aos patetas que já vão falando, pela enésima vez, em finais de ciclo. Afinal, há quatro anos também perdemos o campeonato e agora somos tri-campeões nacionais, o que diz tudo sobre  a nossa capacidade de dar a volta por cima das adversidades, mas também é importante que os dirigentes saibam ouvir as vozes contestatárias dos adeptos quando a insatisfação se faz notar de forma tão evidente.

Eu gosto de Paulo Fonseca. Recordo-me do brilho que ostentou no seu olhar quando apareceu pela primeira vez de dragão ao peito, deixando transparecer um orgulho de fazer inveja a qualquer indefectível adepto. Considero-o boa pessoa, simpático, afável, humilde, de trato fácil. Mas, infelizmente, estes predicados passam rapidamente para segundo plano quando se assume a função de técnico de uma equipa habituada a vencer e a convencer, não só a nível interno, mas também a nível internacional. Aquilo que se esperava de Paulo Fonseca era que prosseguisse a senda de sucesso do clube, mas não foi isso que se viu. Paulo Fonseca tem potencial para ser um bom treinador - já o provou ao serviço do Paços de Ferreira - mas não tem presentemente a experiência, a competência e a capacidade necessárias para dirigir um clube da dimensão do FC Porto. Ora, esta experiência fracassada, a juntar à de Vítor Pereira, já deveria ter servido de lição para a SAD portista. Compreende-se que, face aos lucros obtidos com alguns treinadores anteriores, vendidos ao Abramovic por uma pipa de petrodolares, se tenha visto aqui um negócio rentável. Em teoria, a táctica é perfeita: contratam-se técnicos jovens e ambiciosos, em princípio de carreira e, como tal, baratos do ponto de vista salarial, e faz-se deles treinadores vencedores projectando-os no mercado internacional graças à "montra" da Champions. Depois é só esperar que algum milionário morda o anzol. Já em termos práticos, isto traz riscos muito elevados, pois um clube que alcançou um nível nacional e internacional de excelência não pode dar-se ao luxo de pôr à frente da equipa um treinador sem experiência, capaz de delapidar por completo o trabalho de muitas décadas de sucesso.

É óbvio que a culpa não será só de Paulo Fonseca, nem os problemas são todos de agora. Aliás, é difícil garantir que a situação que agora se verifica seria diferente com outro treinador. No seguimento das políticas mantidas desde há várias décadas, a SAD tratou de vender vários jogadores importantes para os quais não conseguiu encontrar alternativas credíveis. Os reforços desta época ficaram muito aquém das expectativas e todos sabemos que, no FC Porto, a influência do treinador nessas escolhas é muito limitada. Talvez seja precisamente pela consciência da sua responsabilidade nesse processo que Pinto da Costa se mostra tão renitente em despedir Paulo Fonseca, mas convenhamos que, se tal tivesse acontecido no momento certo, se tivesse havido a coragem de assumir o erro e corrigi-lo, talvez o FC Porto ainda tivesse chances de, pelo menos, salvar a época com a conquista de um ou dois dos títulos que ainda tem ao seu alcance, designadamente a Taça Portugal e a Taça da Liga. Em vez disso, caminhamos a passos largos para assistir a uma das épocas mais desastrosas de que há registo nas últimas décadas.

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Sim, sr. Presidente!

Só os ratos fogem, mas só as toupeiras se mostram cegas e se escondem num buraco para fugir aos problemas. Ainda vamos a tempo de salvar a época. Restitua ao FC Porto a força e a determinação a que sempre nos habituou e acabe de uma vez por todas com este pesadelo. Demita Paulo Fonseca!

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Sporting Chorão de Portugal

Até meteu dó ver o Sporting a jogar no Estádio da Lã, perdão, da Luz. Os leõezinhos levaram um banho de futebol à moda antiga e só não perderam por uma mão cheia de golos porque na baliza esteve um Rui Patrício em noite inspirada, a contrastar com os avançados do Benfica que se fartaram de falhar oportunidades flagrantes. Quando uma equipa consegue fazer o seu primeiro remate enquadrado com a baliza adversária aos 82 minutos de jogo, está tudo dito!
Por muito que o patético presidente leonino tente enganar os adeptos com a verborreia a que já nos habituou, a verdade é só esta: o Sporting perdeu no Dragão por 2-0 num jogo em que a vitória portista foi justa e sem casos de arbitragem, depois empatou em Alvalade com o FC Porto para a Taça da Liga também num jogo sem casos de arbitragem e agora perdeu na Luz por 2-0 sem argumentos para culpar a arbitragem. Isto são factos!
O que irão inventar agora para disfarçar a mediocridade? A queda da cobertura, ou outro argumento ridículo como o do atraso de 2 minutos e 45 segundos? É lamentável que a Liga tenha dado o seu aval a este processo vergonhoso e desonesto que, como se comprova, não passa de uma artimanha para levar artificialmente uma equipa medíocre às meias-finais de uma competição. Veremos na próxima terça-feira se a FPF alinhará também com essa farsa.

P.S.- Imaginem se a queda das placas da cobertura tivesse acontecido no Dragão. Alguém acredita que o Burro de Caralho teria ficado caladinho como um rato, como agora ficou?

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Comissão de burla e vigarice

A Comissão de Instrução e Inquérito (CII) considerou existir intenção de dolo da parte do F.C. Porto porque, segundo se lê no acórdão, «os dragões terão impedido o árbitro de dar início ao jogo à hora marcada com a intenção de causar prejuízos à outra equipa que consigo disputava a passagem à meia-final da competição.» E em que pressupostos se baseia a CII para tecer tal acusação? Pois, apesar dos portistas explicarem que o atraso deveu-se «à necessidade de sujeitar a exames médicos o jogador Fernando Reges que, perto do final do período de aquecimento, sentiu fortes dores no seu joelho direito», a comissão não se fez rogada em concluir que «Nada faz supor, porém à luz dos juízos da razoabilidade e de bom senso que devem nortear a valoração da prova, que tal justificação só agora apresentada corresponda à verdade.» E porquê? Porque (pasme-se!) «o nome do jogador constava da ficha técnica e iniciou o jogo como titular.»

Por aqui se vê que esta palhaçada está toda encaminhada para levar o Sporting ao colinho até às meias-finais da Taça da Liga. Estes porcos da Liga começam por acusar o FC Porto de intenção de dolo visto que os dragões não apresentaram uma justificação para o atraso logo após o jogo, mas quando esta justificação foi apresentada em sede própria, pura e simplesmente desvalorizaram-na com base numa interpretação viciada dos factos.
Então o facto do Fernando ter sido titular retira credibilidade à alegação de que o jogador foi sujeito a um exame de última hora para averiguar a sua condição física??? É assim tão estranho, na cabeça destes imbecis, que um jogador sinta dores no final de um aquecimento e a sua situação tenha de ser reavaliada, mesmo que depois se conclua estar apto para jogar??? Se não tinham intenção de aceitar a justificação apresentada pelo FC Porto, pois que assumam definitivamente o seu facciosismo neste processo, mas não venham insultar a inteligência das pessoas com esta verborreia hipócrita!
Esta escumalha anda a brincar com o futebol, é o que é! Fazem-se passar por justiceiros, mas aquilo que se vê é que se estão a preparar para expulsar de uma prova a equipa que venceu legitimamente dentro das quatro linhas para colocar artificialmente, no seu lugar, a equipa que perdeu. E isto, em qualquer parte do mundo civilizado, constitui uma clara viciação da verdade desportiva, por muito que a tentem disfarçar de outra coisa qualquer.

Flagrante tentativa de viciação da verdade desportiva

Está mais que visto que o Sporting está desesperado por ganhar alguma coisa e tudo parece encaminhar-se para que os leões sejam levados ao colinho na Taça da Liga! De facto, é preciso não ter vergonha absolutamente nenhuma na cara para perder desportivamente dentro das quatro linhas e tentar depois ganhar um lugar a que não se tem direito nas meias-finais com base num processo de secretaria! Por muito que tentem disfarçar esta vergonha, a verdade é que estamos perante uma das mais flagrantes tentativas de viciação da verdade desportiva de que há memória em Portugal, só possível graças à conivência da Liga presidida por esse execrável senhor chamado Mário Figueiredo!
Se o Sporting ganhar esta palhaçada de processo, vai-se abrir um precedente gravíssimo em Portugal. A partir de agora, as equipas nem precisarão de se esforçar para ganhar, pois bastará inventar uma infracção qualquer do adversário (até 1 minuto de atraso será suficiente pois os regulamentos não estipulam qual é o tempo de tolerância) para conseguir a sua eliminação da prova e ocupar o seu lugar na fase seguinte. Só um acéfalo não entende a gravidade desta situação absurda e as consequências nefastas que daqui poderão advir futuramente!
O mais caricato de tudo isto é que o próprio Sporting foi punido em Janeiro de 2010 precisamente por ser reincidente no atraso do início dos jogos da Taça da Liga, mas aí a punição resumiu-se a uma simples multa! Por aqui se vê a hipocrisia e desonestidade dos dirigentes leoninos que, escondidos numa máscara de pseudo-justiceiros, exigem para os outros uma severidade na aplicação dos regulamentos que não se aplicou ao seu clube em situações semelhantes! Se é esta a transparência que o Sporting pretende para o futebol português, estamos conversados. Está visto que, na cabeça desta gente, a Justiça tem dois pesos e duas medidas, a usar de forma diferenciada de acordo com os seus interesses mesquinhos.

P.S - O Porto derrotou o Estoril e, à partida, está nas meias-finais da Taça de Portugal onde defrontará o Benfica. Eu digo "à partida" porque agora  temos de esperar para ver se ninguém inventa um pretexto para tentar eliminar o Porto na secretaria. Não sei se houve alguns segundos de atraso no início do jogo ou algum jogador portista jogou com as cuecas sujas, o que também deve ser contra os regulamentos. Seja como for, caso o Porto consiga vencer alguma das competições em que está envolvido (o que me parece difícil, senão mesmo impossível, graças ao péssimo futebol que vem praticando) aconselho os adeptos a esperar, no mínimo, 24 horas antes dos festejos, só por via das dúvidas...