quinta-feira, 1 de maio de 2014

Em nome dos interesses na nação

Foi divertido assistir, ao longo da semana transacta, à indignação do Benfica (e da máfia jornalística que em torno dele orbita) motivada pela queixa que a Juventus apresentou junto da UEFA por causa da cotovelada que o Enzo Pérez deu em Chiellini no jogo da 1ª mão das meias-finais da Liga Europa. Esquece-se esta gentinha hipócrita de que, se há clube pródigo nesse tipo de artimanhas, é precisamente o clube do regime!
Desde os célebres processos sumaríssimos aplicados a dedo a jogadores portistas por força das reclamações encarnadas, à execrável tentativa de roubar o lugar do FC Porto na Liga dos Campeões à custa de queixinhas à UEFA, tudo valeu nos últimos anos para levar (ou tentar levar) o Benfica ao colinho. É claro que, quando este tipo de jogadas de secretaria surjem por iniciativa do clube lisboeta, logo a corrupta imprensa da capital trata de mascarar a farsa com uma pretensa "luta pela verdade desportiva", enquanto que a mesmíssima estratégia protagonizada por outrem já é vista como uma tentativa de viciar o jogo, ou, na melhor das hipóteses, como uma demonstração de medo perante o poderio benfiquista (Sim, nós bem vimos o "medo" que a Juventus demonstrou hoje num jogo em que dominou praticamente durante todos os 90 minutos... Nós bem vimos o "medo" que os italianos sentiram ao verem os adversários sistematicamente a pontapear a bola para onde estavam virados e a queimar tempo com a entrada forçada da equipa médica...).
Até o Platini, tão aplaudido que foi pelos benfiquistas quando proferiu uma série de declarações lamentáveis contra o Porto, viu-se agora acusado de querer levar a Juve à final mesmo sem ter dito uma única palavra sobre o assunto, mas, como se esperava, o arquivamento do processo sem dar atendimento às pretensões italianas não correspondeu à inversão das acusações. Afinal, é tão legítimo afirmar que Platini pretendia apoiar a Juventus, como é legítimo afirmar que pretendeu proteger o Benfica ao fechar os olhos à cotovelada de Enzo Pérez, mas isso já não convém dizer, em nome dos interesses da nação.  

1 comentário:

  1. @ Rodrigo

    modo de ironia on

    sabes, tão bem como eu (ou melhor), que tudo o que apontas é fruto de décadas de escutas e de uma corrupção sem fim que apenas atinge clubes mais a Norte. a Sul do Douro, todos os clubes são impolutos e um verdadeiro exemplo de gestão de de Verdade.

    modo de ironia off

    abr@ço
    Miguel | Tomo II

    ResponderEliminar