quinta-feira, 15 de maio de 2014

Maior que o FCP??? Só se for na Playstation!

Há cerca de um ano, após a derrota do Benfica frente ao Chelsea na final da Liga Europa, eu escrevi aqui:

«Para vencer uma competição internacional onde só jogam as melhores equipas de vários países europeus, é necessária uma combinação rara de qualidade, organização, competência, empenho, convicção e sorte. Chama-se a isso ter estofo internacional, algo que não está ao alcance de qualquer clube, nem acontece por mero acaso.»

O Benfica até pode ganhar alguns títulos nacionais de x em x anos, mas já demonstrou que não tem estofo para vencer além-fronteiras. Este facto não é de agora. Mesmo nos seus tempos áureos, quando deteve a hegemonia do futebol português durante 40 anos, as conquistas internacionais do clube do regime resumiram-se a apenas duas Taças dos Campeões Europeus, conquistadas em dois anos consecutivos, no auge da carreira de Eusébio, o que, convenhamos, não condiz com a imagem actual de grandeza fictícia sustentada artificialmente em torno dos lisboetas. Por outro lado, o insucesso do Benfica ajuda a enaltecer ainda mais as conquistas do FC Porto, demonstrando que o sucesso dos azuis-e-brancos nas últimas décadas não acontece por mero acaso, mas fruto de um trabalho excepcional, sem precedentes nem equivalência no futebol português. O FC Porto é, destacadamente, o clube nacional com maior palmarés internacional, o único que engrandeceu Portugal com as suas conquistas além-fronteiras no último meio-século e, consequentemente, aquele que mais nos orgulha a todos de sermos portugueses. E já imaginaram o nível que o FC Porto teria atingido se beneficiasse de todas as condições extraordinárias de que só o clube do regime goza no nosso país? Portugal teria um campeão europeu no mínimo de 3 em 3 anos!

1 comentário:

  1. O FCP tem que se decidir: ou é um clube fortemente bairrista, uma "nacão entrincheirada contra os interesses da capital", ou é um "orgulho para TODOS os portugueses". Estou à vontade para falar até porque participei em celebracões de vitórias europeias do seu clube. Há uma identidade de cultura regional fortemente vincada no FCP nos ultimos 20 ou 30 anos (principalmente). O mandato de Pinto da Costa assentou na luta contra Lisboa o motor de locomocão do seu clube, e uma forma de reunir em torno de uma causa os seus adeptos. Com fundamentos razoáveis dada a natureza erradamente centralista do país (que não afectou só o Porto nem o norte, de resto), e esticando ao limite a animosidade, aproveitando todas as pequenas ou grandes oportunidades de brandir a bandeira, comprando guerras e, sempre que necessario, fabricando ameacas. Resultou, de resto. Os resultados estão à vista, no campo e fora dele. De resto, a mensagem continua a ecoar fortemente nesta nova era das redes sociais. Este blog é prova disso: a mensagem anti está bem viva, com o acumulado de anos e anos para subverter o que for preciso em nome da narrativa. O caldo onde se misturam razões históricas válidas com factóides e mitos urbanos inventados a bem de uma causa comum. O FCP é um clube que, para o melhor e para o pior, vai buscar a sua forca ao bairrismo e ao orgulho regionalista. A bem dessa fonte de combustivel, pisou tudo o que tinha que pisar. Competencia e bom trabalho teve, com toda a certeza. Mérito também. Mas não tentem vender a ideia de que tudo é alvo nessas vitórias, tudo é razoável nos métodos e que foi só com trabalho e organizacão que as glórias chegaram. Mais do que isso, para quem tanto acusa os outros de "virgens ofendidas", branquear a política de conflito permanente de Pinto da Costa, parte integrante da sua estrategia de ascencão ao topo do futebol nacional, com tudo o que isso implicou ao longos de décadas nos bastidores do mesmo, é perder à partida a moral para criticar (ainda para mais com tamanha veemencia) quem quer que seja que tente fazer sequer metade do que foi feito nos ultimos 30 anos, por repreensivel que seja. E é, como já tive oportunidade de lhe dizer aqui, hipotecar parte da identidade de um clube e fazê-la refem do ódio a um rival. Basta tomar este blog como exemplo: não me dei ao trabalho de os contar, mas duvido que menos de metade dos posts aqui colocados sejam, de uma forma ou outra, sobre o Benfica. É que a grandeza de um clube não se mede só em títulos.

    ResponderEliminar