segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Disto não falam eles!

Enquanto os ministros da propaganda vão cumprindo a sua missão de desviar a atenção das mentes simplórias do nosso povo, escalpelizando pretensas ilegalidades nos golos do FC Porto (como este que as imagens demonstram inequivocamente não existir),  vai-se simultaneamente assistindo ao completo branqueamento das incidências de outro jogo que, por envolver um protagonista muito querido do regime, merecem um tratamento diferenciado. É o caso do lance que as imagens documentam, ocorrido poucos minutos antes do intervalo do confronto entre o Benfica e o Marítimo:
Talisca, que já tinha um cartão amarelo, tem esta entrada que se vê nas imagens e que dispensa mais comentários. Qualquer árbitro, em circunstâncias normais, consideraria o lance merecedor do segundo amarelo e consequente expulsão, mas, neste caso, as circunstâncias não eram normais, simplesmente porque o protagonista enverga a camisola sagrada do regime. Registe-se que, nesta altura, o Benfica ganhava ainda pela margem mínima e jogaria a 2ª parte do jogo reduzido a dez jogadores.
Compare-se agora o critério de Carlos Xistra neste lance com o de Paulo Baptista no jogo Benfica-Penafiel, no qual não teve contemplações ao expulsar Tony com o segundo amarelo por... isto:
 
Apesar do Benfica ser uma das equipas mais faltosas da Liga e de deter o recorde de maior número de faltas cometidas num só jogo (28, no Dragão, frente ao FC Porto), os encarnados não tinham visto, até esta  jornada, um único cartão vermelho. A explicação para este estranho facto é simples: a dualidade de critérios da arbitragem portuguesa em favor do Benfica é por demais evidente! E depois admiram-se que o clube do regime tenha sofrido 3 (TRÊS!) expulsões nos seis jogos que disputou na Liga dos Campeões!

Como se isto não bastasse, Talisca acabou por se fazer expulsar, já no final da partida, com um segundo amarelo por indicação do Jorge Jesus, com o intúito de cumprir um jogo de castigo no próximo compromisso para a Taça da Liga. Uma entrada muito dura, uma tesoura às pernas do adversário, que nas competições europeias poderia muito bem ter sido punido com vermelho directo, mas não em Portugal:

1 comentário:

  1. @ Rodrigo

    não se fala porque não convém. e porque nós ainda somos o segundo classificado, os que vão atrás do prejuízo.

    mas, estou certo de que ainda seremos muito felizes, esta época. Maio está próximo, mas ainda há 17 finais pela frente.

    abr@ço
    Miguel | Tomo II

    ResponderEliminar