sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Porta 18

Esta semana, ficamos a saber que, em Julho deste ano, a PJ deteve José Carriço, director do Benfica, que se encontrava na posse de, nada mais, nada menos que 9,5 quilos de cocaína. O caso veio agora a público com um atraso de um mês e pela mão de apenas dois jornais (JN e CM), o que atesta bem o desinteresse manifestado pela generalidade da comunicação social, o qual contrasta frontalmente com a postura assumida noutros casos, envolvendo outros emblemas. Tudo perfeitamente normal, conhecendo, como todos conhecemos, o manto de protecção de que o Benfica goza junto dos lobbies da capital. 
Entretanto, a direcção encarnada já veio a público afirmar que (pasme-se!) não se responsabiliza por actos perpetrados pelos seus funcionários e que não tolerará qualquer atentado ao seu bom nome. Não precisam de se preocupar, digo eu. Afinal, se há poucos anos tivemos de aceitar que o Benfica não tinha qualquer ligação com as armas de fogo com calibre de guerra, bastões e armas brancas encontradas pela PJ numa arrecadação do Estádio da Luz, porque haveríamos agora de suspeitar sequer que o clube tem alguma coisa a ver com o tráfico de droga realizado dentro dos seus escritórios por um dos seus directores?

1 comentário:

  1. E NAO ESQUECER QUE A COCAINA NOS PNEUS DO VIEIRA TAMBEM NAO TEM NADA A VER COM O VIEIRA PORQUE ERA REALMENTE PO TALCO PARA SEU BIGODE FICAR MAIS BRANCO.

    ResponderEliminar