terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Contra facts non sunt argumenta

É verdade que Jorge Sousa deixou passar em claro dois penalties contra o FC Porto neste confronto com o Nacional da Madeira - as imagens demonstram-no e contra factos não há argumentos - mas não deixa de ser sintomático que Rui Vitória tenha tido de esperar até à 13ª jornada para encontrar motivos de queixa da arbitragem num jogo do FC Porto. Da nossa parte, os motivos começaram logo aos 10 minutos do primeiro jogo que os encarnados fizeram na corrente época, quando o árbitro Tiago Martins ignorou uma grande penalidade óbvia cometida pelo Luisão sobre o avançado estorilista Bonatini. Não deixa também de ser curioso que as queixas do treinador do Benfica sobre alegadas diferenças de tratamento aos três grandes surjam precisamente na mesma semana em que a Comissão de Instrução e Inquéritos da Liga Portuguesa de Futebol Profissional arquivou as queixas do Sporting contra o Benfica pelas agressões cometidas por jogadores encarnados no confronto que os leões venceram por 3-0. Afirma a referida Comissão que, depois de analisadas todas as imagens enviadas, se "verificou a inexistência de indícios suficientes para a instauração de qualquer procedimento disciplinar”. E ainda digo eu que contra factos não há argumentos...

Sem comentários:

Enviar um comentário