segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Estão a ver por que os odeio?

Custava muito àquela escumalha da imprensa da Capital do Império esquecer o clubezeco dos vouchers por um dia e dar o devido destaque de 1ª página a quem hoje verdadeiramente o merecia, tal como fez o jornal O JOGO?


Compare-se agora estas primeiras páginas dos pasquins lisboetas com as de 21 de Maio de 2016, um dia depois do clubezeco do regime ter vencido a mesma competição:


O que mais me revolta não é esta mentalidade mesquinha da maralha de Lisboa, que nos foi imposta e a que nos fomos habituando ao longo de muitas décadas de centralismo obsceno. O que mais me revolta é haver ainda muita gente do Norte de Portugal que se diz orgulhosa das suas raízes, mas que come e cala perante esta postura insultuosa e ultrajante da capital do país, como se não passassem de meras marionetas nas mãos do poder centralista. 

Taça do Rendimento Social de Inserção

Lá diz o povo, na sua infinita sabedoria, que pau que nasce torto tarde ou nunca se endireita. Há de facto coisas que parecem destinadas a correr mal, por mais voltas que lhe tentem dar. É o caso da Taça da Liga, ou Taça CTT, que na verdade deveria passar a chamar-se Taça do Rendimento Social de Inserção. Porquê? Porque marcar a final da competição, disputada entre duas equipas minhotas, para o Estádio do Algarve, às 20:45 de um Domingo, é restringir a assistência a gente desempregada que não tenha de ir trabalhar no dia seguinte. Ou isso, ou vão trabalhar de directa, depois de seis horas de condução em estrada, à noite e debaixo de chuva. E depois admiram-se que o estádio esteja às moscas...

Tal como Augusto Inácio previa, o Moreirense causou mesmo uma surpresa que deixou o país de boca aberta, conquistando um troféu que, pelo que se foi assistindo no desenrolar da competição, estava desde logo destinado às prateleiras do museu do clubezeco do regime. Lá terão os voucheristas de preencher o espaço com uma jarra...

Resta agora saber como é que os dirigentes da LPFP, que tiveram estas ideias brilhantes para aumentar o interesse da Taça CTT, vão explicar aos estrangeiros que o Campeão de Inverno português vai em 14º lugar da classificação.

domingo, 29 de janeiro de 2017

Ide rezar ao Senhor dos Aflitos

O Porto não desarma na luta pelo título nacional e o nervosismo começa a apoderar-se dos voucheristas que, pelo andar da carruagem da arbitragem na primeira volta da Liga, já deviam pensar que o tetra eram favas contadas. O Polvo começa a sentir o bafo quente do Dragão na nuca, causando-lhe arrepios, suores frios e outras reacções sintomáticas. 

Há um iluminado, autor de um conhecido blogue de apoio às cores do clubezeco do regime, que decidiu, esta semana, fazer um brilhante estudo sobre a percentagem de jogos do FC Porto arbitrados por juízes da Associação de Futebol do Porto, pretendendo assim insinuar que os Dragões têm beneficiado da proximidade regional para daí retirarem dividendos desportivos dentro das quatro linhas. Ora, para começar, não deixa de ser caricato ver os voucheristas usarem este tipo de argumentos regionalistas para atacar os rivais, tanto mais que, durante décadas, alimentaram o mito do seu clube possuir mais adeptos na região do Porto do que o próprio FC Porto. Como é fácil de ver, o discurso vai mudando conforme as conveniências e a tão apregoada hegemonia do número de adeptos desaparece quando lhes interessa passar a ideia de que os árbitros da A.F. do Porto são todos pró-FC Porto.

Numa perspectiva regionalista, é muito mais estranho e merecedor de análise o facto de Nuno Almeida, da A.F. do Algarve, ser conhecido como "Ferrari Vermelho de Monte Gordo" e João Pinheiro, da A.F. de Braga, ser conhecido como "Mostovoi", mas isso, aos olhos dos iluminados do regime, não suscita qualquer suspeita. Já para quem estiver atento, é fácil perceber o nível de isenção destes árbitros quando arbitram jogos do clube lisboeta que tanto idolatram. Assim se vê como a questão da região de que são originários tem muita importância...

Também não causa suspeita aos idólatras do regime o facto de vários juizes da A.F. de Lisboa estarem sempre nos primeiros lugares da classificação dos árbitros, não obstante terem sido protagonistas de algumas das mais escandalosas arbitragens dos últimos anos, como é exemplo o recente jogo Chaves-Porto, arbitrado pelo inigualável João Capela, que ditou a eliminação precoce dos Dragões da Taça de Portugal, ou o clássico de Alvalade, disputado entre o Porto e o Sporting, arbitrado por esse portento da arbitragem chamado Tiago Martins, a quem o Rui Vitória se atirou como um cão raivoso no final do jogo com o Moreirense, não obstante o jovem ter poupado duas expulsões claras aos seus pupilos. Vistas bem as coisas, de que adiantaria ter 100% de árbitros portistas na A.F. Porto, se todos os centros de decisão (Conselho de Arbitragem incluído) onde os caldinhos são cozinhados estão centralizados na Capital do Império?

À luz do argumento usado pelo autor do blogue em causa, fica por explicar por que motivo é que Artur Soares Dias, um árbitro da A.F. do Porto, no clássico do Dragão entre o Porto e o Benfica ter decidido sistematicamente em favor dos encarnados nos quatro lances passíveis de penalty na área do Benfica, incluindo no corte com o braço do Mitroglou que o juiz transformou ridiculamente numa falta contra os portistas. Também por explicar fica o facto deste árbitro portuense ter sido o único alvo das ameaças protagonizadas por dois alegados elementos dos Super Dragões no Centro de Treinamento da Maia. Faz todo o sentido que os portistas ameacem precisamente aqueles que, segundo insinua o iluminado autor do blogue, beneficiam o FC Porto, não faz? Faz, faz... Tal como faz muito sentido que Manuel Oliveira, outro árbitro da A.F. do Porto que ontem arbitrou o Estoril-Porto, tenha feito vista grossa a um penalty descarado por puxão da camisola a André Silva ainda com o resultado em 0-0 e tenha mostrado o cartão amarelo ao Rui Pedro por pretensa simulação noutro lance em que bem podia ter assinalado penalty a favor dos Dragões. Para quem quer beneficiar o FC Porto, não está nada mal, não senhor. Que faria se não quisessem... 

A azia é mais difícil de disfarçar


Apesar das múltiplas razões de queixa das arbitragens que o FC Porto continua a ter nos seus jogos, os Dragões têm conseguido contornar as adversidades e encontrado o caminho para as vitórias, o que está a causar um visível mal-estar ao Polvo instalado no futebol português. Andam todos muito nervosos lá para as bandas da Capital do Império Ultramarino, e isso nota-se na forma como a imprensa lisboeta reage a quente logo após o término dos encontros. 

O penalty assinalado a favor do FC Porto foi UNANIMEMENTE considerado como bem assinalado por todos os analistas de arbitragem, mas o jornal Record veio imediatamente pôr em causa a legitimidade da decisão do juiz Manuel Oliveira, alegando que o avançado portista "cavou" a falta. Posteriormente, já depois de terem surgido as primeiras análises a frio (incluindo a de Marco Ferreira, que escreve precisamente para o Record), o artigo foi alterado, tendo sido substituída a palavra "cavou" por "ganhou". Tarde demais! Podem apagar as letras, mas a azia é mais difícil de disfarçar!

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Foi para isto que se conquistou a liberdade de imprensa?

O FC Porto, através da sua newsletter Dragões Diário, denuncia hoje mais uma falsa notícia publicada pelo jornal A BOLA. Na sua edição de ontem, o pasquim lisboeta afirmava que os Dragões estariam interessados na contratação de Lima, antigo avançado do Benfica, algo que o clube desmente frontalmente. Ao que parece, o jogador, agora ao serviço do Al Ahli, limitou-se a vir fazer tratamento numa clínica em Portugal, o que serviu imediatamente de pretexto para a imprensa da capital fazer um filme de ficção.

Infelizmente, o jornal A BOLA assemelha-se cada vez mais a um daqueles indivíduos que padecem de um distúrbio mental grave e mentem compulsivamente sem a menor consciência da gravidade dos seus actos nem a mínima preocupação sobre as suas consequências. Ou isso, ou avariou-se-lhes o calendário e pensam que todos os dias é 1 de Abril. Hoje, o mesmo jornal volta à carga com mais uma pseudo-notícia do mesmo género e que, como facilmente se adivinha, não deverá passar de mais uma das suas tretas inventadas à pressão mas que tanto agradam à massa acéfala encarnada. Alega agora A BOLA que o FC Porto está a tentar o empréstimo de Eder, o herói português da final do Europeu de França, que tem contrato com o Lille até 2020. Aguarda-se pelo desmentido de amanhã... do Dragões Diário, claro. 

A mentir por mentir, A BOLA sempre podia dizer que o FC Porto está interessado em contratar o Messi ou o Cristiano Ronaldo. Afinal, já ninguém acredita nestas tretas mesmo e sempre divertia o pessoal. E assim vai a comunicação social deste país. Foi para isto que se conquistou a liberdade de imprensa em Abril de 74?

Propaganda fascista da Capital do Império

Logo que o Danilo Pereira foi expulso em Moreira de Cónegos, iniciou-se uma campanha movida pela intelectualmente corrupta imprensa lisboeta com o claro objectivo de branquear a atitude do árbitro e, consequentemente, motivar a suspensão do jogador portista. Assumindo uma postura de total facciosismo e de viciação da verdade dos factos bem ao jeito dos métodos comuns em Portugal nos tempos do fascismo, os jornais da capital começaram por afirmar que Danilo teria perdido a cabeça e agredira o árbitro com uma peitada nas costas. Depois, perante a estupefacção e o enxovalhamento que a situação causou a nível global, mudaram completamente o discurso, passando a defender a tese de que o Danilo foi expulso por "bocas" ao árbitro (um argumento que lhes dava muito jeito, já que as imagens não permitiam perceber quaisquer palavras saídas da boca do jogador e, como tal, prevaleceria sempre a versão do árbitro). Pois eis que agora, numa nova inversão de critérios, vêm novamente acusar Danilo de atingir intencionalmente o árbitro, recorrendo-se para tal de uma interpretação completamente distorcida de imagens de vídeo inéditas entretanto "descobertas".

O vídeo demonstra que, num primeiro momento, Danilo corre efectivamente na direcção do Luís Godinho em jeito de protesto pelo atraso intencional ao guarda-redes do Moreirense não assinalado pelo árbitro, mas TRAVA cerca de 3 metros antes deste e RECUA, dando três passos para trás. É Luís Godinho que, na sua corrida desenfreada à retaguarda, sem ver por onde ia, CHOCA com Danilo!


A imagem seguinte mostra o exacto momento em que Danilo trava. Como facilmente se observa, o jogador encontra-se ainda a cerca de 3 metros de distância de Luís Godinho. A partir deste momento, Danilo inverte o sentido do seu movimento, recuando três pequenos passos antes de ser abalroado pelo árbitro.

  
Daqui se prova que, não só não existe qualquer agressão ao árbitro como os corruptos da Capital do Império tentam agora impingir ao público, como também não foi Danilo a provocar o contacto. Mas nem sequer é essa a questão principal. O que está por explicar desde o primeiro minuto é isto: se Luís Godinho não tinha acesso a imagens quando expulsou o Danilo, como podia saber se o jogador tinha ou não provocado o contacto intencionalmente, ainda para mais sabendo-se que, no momento do choque, o jogador ia a andar para trás? Agiu de má-fé expulsando o jogador às cegas, ou vê pelo olho traseiro?

A corrupta imprensa da capital pode entender que, com estas estratégias vergonhosas e estas mentiras infames, vende mais papel aos acéfalos que aceitam tudo o que lêem sem sequer questionar a verdade dos factos, mas nós não temos a obrigação (e nem sequer o direito!) de pactuar com estes métodos fascistas quando está em causa a dignidade de um jogador que, além de possuir um currículo exemplar, contribuiu recentemente para a conquista de um título europeu inédito para Portugal ao serviço da Selecção Nacional. Os portugueses não são assim tão cegos e tão ingratos! Quem age desta forma vergonhosa e quem pactua com ela não é digno de se dizer português! 

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

O Benfica vai de Ferrari...

Mais uma prova de que toda esta celeuma em torno dos árbitros não irá mudar absolutamente NADA no futebol português, é o facto do Conselho de Arbitragem ter nomeado Nuno Almeida para apitar o próximo jogo do clubezeco dos vouchers. O polvo está vivo, de boa saúde e mexe-se bem! 

Para a deslocação a Guimarães, um dos jogos mais difíceis que os lisboetas vão ter nesta segunda volta do campeonato, os dirigentes da arbitragem decidiram nomear nada mais nada menos que o Ferrari Vermelho de Monte Gordo, um árbitro assim conhecido no seu meio por ser fervoroso adepto dos encarnados. A ver vamos o que irá acontecer, com a certeza porém de que já se esgotou completamente a margem de manobra que os árbitros tinham para os erros grosseiros em favor do clubezeco do regime e, principalmente, em prejuízo do FC Porto.

Estariam armados com Kalashnikovs?

Esta escumalha da arbitragem cada vez mete mais NOJO! Enquanto andaram metade da época a viciar completamente a verdade desportiva das competições nacionais com erros grosseiros sistemáticos em prejuízo do FC Porto, estava tudo bem, Não havia cá reuniões, nem declarações, nem manifestações de indignação. Mas bastou que aparecessem dois indivíduos (DOIS, não "um grupo" como a corrupta imprensa lisboeta logo tratou de inventar) no centro de treinos da Maia a mandar umas bocas aos árbitros para se sentirem ameaçados, chamarem a polícia e  até (pasme-se!) convocarem uma reunião de emergência! 

Podiam aproveitar essa reunião para discutir a quantidade infame de penalties escandalosos que já ficaram por marcar a favor dos Dragões esta época, os golos limpos que nos foram anulados, ou ainda aquela expulsão ridícula do Danilo que enxovalhou o futebol português aos olhos do Mundo, mas não, isso não lhes interessa, isso não lhes importa! 

E afinal, o que se passou assim de tão grave na Maia? Agrediram algum árbitro? Partiram os dentes a alguém? Estavam armados com Kalashnikovs? Deviam estar, pois só assim se compreende que dois indivíduos causem tanto pânico num grupo de homens em excelente forma física. Mas não. Segundo o Jornal de Notícias, tudo se resumiu a umas bocas mandadas ao Artur Soares Dias, como por exemplo: "Vê lá se apitas bem, ó filho da puta"! De facto, têm razão os árbitros para se sentirem indignados. É que chamarem-lhes filhos da puta já faz parte do seu quotidiano, agora dizer-lhes para arbitrarem bem, isso não se faz! Há limites...

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Que final-four empolgante!

Vou já comprar bilhetes para ir ao Algarve ver esta final-four empolgante:

Moreirense - penúltimo classificado da 1ª Liga.
Vitória de Setúbal - 9º classificado da 1ª Liga.
Rio Ave ou Marítimo - 6º e 8ª classificados da 1ª Liga, respectivamente.
E claro, o clubezeco dos vouchers...

Está tudo em aberto, ninguém adivinha quem vai ganhar! Obrigado, senhores árbitros internacionais de pacotilha!

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

A anedota do alentejano


Apenas dois meses depois de lhe terem concedido o estatuto de árbitro internacional, Luís Godinho deve ter achado que era altura de ser conhecido além fronteiras e zás, objectivo atingido, está de parabéns!

É sabido que os alentejanos não gostam que se faça anedotas sobre eles, mas depois o que acontece? Mandam um alentejano arbitrar um jogo a Moreira de Cónegos (uma vila pertencente ao concelho de Guimarães que a esmagadora maioria das pessoas não saberia sequer apontar no mapa) e este, em menos de 24 horas, torna-se motivo de chacota global. É obra! Há gente que nasce mesmo com queda para ser gozado, quer lhes agrade quer não.
A expulsão de Danilo Pereira atingiu um tal patamar de ridicularidade que até a imprensa estrangeira menciona o caso com humor e estupefacção. Por exemplo, o jornal AS, de Espanha, publicou o vídeo do atropelo de Luís Godinho a Danilo e consequente expulsão, intitulando-o como "a expulsão mais injusta da história". Muito mais cáustico é o Mirror, de Inglaterra, que afirma: "Esta deve ser a mais ridícula expulsão de sempre", "Já vimos muitas decisões escandalosas de árbitros ao longo dos anos, mas nunca se viu isto numa competição de elite como a Taça da Liga".

Na internet, a inusitada situação é também mencionada em vários sites com espírito jocoso. O Total Football afirma que "o jogador do Porto foi expulso depois do árbitro o ter abalroado" e termina dizendo em tom de ironia "e nós ainda pensávamos que Mike Dean era mau", numa alusão ao árbitro inglês que, na passada segunda-feira, expulsou injustamente Sofiane Feghouli, um jogador argelino ao serviço do West Ham, no confronto com o Manchester United. Na mesma onda, o Sport Bible também pergunta: "Será Luís Godinho o Mike Dean português?" Já os franceses da SO FOOT.COM , num pequeno artigo intitulado "Cartão vermelho inexplicável em Portugal", diz que "o jogador teve a infelicidade de se encontrar no caminho do árbitro quando este recuava".  

Refira-se a propósito de Mike Dean que a Federação Inglesa despenalizou o jogador do West Ham, por considerar que a decisão do árbitro foi injustificada. Veremos agora se haverá em Portugal a mesma coragem e decência para despenalizar Danilo daquilo que, como qualquer pessoa séria pode ver, não passou de um destempero de um árbitro incompetente e desonesto, um internacional de pacotilha sem categoria absolutamente nenhuma.

domingo, 1 de janeiro de 2017

Desejos para 2017

Desejos para 2017? Que o Porto seja CAMPEÃO!!! A saúde e a paz virão por inerência!