terça-feira, 30 de maio de 2017

Corrupção provada!

Poucos dias depois da FPF apresentar uma proposta para alteração dos regulamentos no sentido de estabelecer em 200 euros o limite máximo admitido para os presentes aos árbitros das competições não profissionais, eis que a Liga segue o exemplo e define o mesmo limite em 150 euros para todas as competições por si organizadas. Esta medida foi aprovada em Assembleia Geral da LPFP, com os votos favoráveis de 27 clubes e 15 contra. Como se esperava (e não é difícil perceber os motivos), o Benfica foi um dos clubes que votou contra este novo regulamento. 

Depreende-se assim que a maioria dos clubes da 1ª Liga considera que o Benfica andou, durante vários anos, a cometer um crime de corrupção activa ao oferecer aos árbitros e delegados de jogo kits cujo valor ultrapassava largamente os 150 euros agora estabelecidos como valor máximo admissível. 

Tal como referi anteriormente, talvez a justiça desportiva seja impotente para penalizar este comportamento ilícito do clubezeco dos vouchers, tanto mais que os regulamentos desportivos eram até aqui omissos nesta matéria, mas recorde-se que a investigação da Polícia Judiciária, que ainda há bem pouco tempo procedeu a buscas no Estádio da Luz, ainda está em aberto. Queira o Ministério Público ter a decência de fazer transitar o processo para os tribunais e veremos o que poderá acontecer.

Enquanto o valor de referência foram os 300 euros admitidos pela UEFA, os vassalos do regime andaram preocupadíssimos em contar os cêntimos, garantindo que o valor dos kits do Benfica não ultrapassava o 250 euros, na pior das hipóteses. Agora que o limite legal foi estabelecido em 150 euros, já há quem venha dizer que os mesmos kits não valem mais de 100 euros. Se amanhã o limite legal for reduzido para zero euros, muito provavelmente o valor do kit descerá para valores negativos. Querem apostar? São as contas à moda do Polvo!

sexta-feira, 26 de maio de 2017

A assumpção do crime de corrupção

A FPF apresentou hoje um novo Regulamento Disciplinar para as competições por si organizadas. Entre as alterações ao regime actual agora propostas, destaca-se a definição do limite máximo das ofertas permitidas aos árbitros das competições não profissionais em 200 euros, valor acima do qual será considerado corrupção. 

Recorde-se que o kit que o Benfica oferecia aos árbitros da 1ª Liga até há bem pouco tempo, no conjunto dos vouchers de refeição, camisola do Eusébio e entradas para o museu, não excedia os 300 euros admitidos pela UEFA (argumento amplamente utilizado em defesa do clube lisboeta), mas ultrapassava largamente os 200 euros, o que é agora assumido como corrupção nas competições não profissionais. Logo, é legítimo afirmar que o clubezeco dos vouchers andou efectivamente a praticar um acto condenável durante vários anos, ainda que, por omissão dos regulamentos, tal não seja juridicamente punível. Pois, se os 200 euros para uns é corrupção, por que motivo não o é para todos? Quem define os limites de corruptibilidade, que para uns são os 200 e para outros são os 300 euros? Tal como existem árbitros de 1º e 2º escalão, também existem corruptos de diferentes escalões? Se o objectivo é tornar o futebol mais sério e transparente, porquê diferentes critérios? E sendo o futebol profissional mais exigente, não deveria ter critérios mais apertados?

Obrigado aos Deuses do futebol!

Celebra-se hoje o 13º aniversário da conquista da Liga dos Campeões Europeus pelo FC Porto em Gelsenkirchen. Vale sempre a pena rever as imagens deste jogo que ainda hoje nos fazem arrepiar de emoção. Obrigado aos Deuses do futebol por esta felicidade que nos enche a alma!

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Ranieri, pois claro!

Numa altura em que só a final da Taça de Portugal vai fornecendo algum assunto futebolístico, já se previa que a escolha do substituto de Nuno Espírito Santos se iria transformar neste turbilhão de informação e contra-informação com que a imprensa tem preenchido as páginas vazias das suas secções desportivas. Ora, sabendo que da lista de nomes sugeridos pelos jornais raramente sai a escolha final de Pinto da Costa, prefiro aguardar calmamente pelo anúncio oficial daquele que será o técnico para a próxima época, com a garantia pessoal do meu apoio incondicional, seja ele qual for. 

Ainda assim, perante as inúmeras manifestações de adeptos portistas em favor da vinda de Marco Silva, vejo-me obrigado a dizer que estou cansado de ver repetidos os erros cometidos pelo FC Porto ao longo dos últimos anos e, nesse sentido, espero que estas manifestações não passem de meros devaneios dos adeptos e não o reflexo de reais intenções da SAD portista. A política de contratação de jovens talentosos e ambiciosos, mas inexperientes e sem currículo, já deu provas de ser desastrosa. Marco Silva é apenas mais um que encaixa perfeitamente nesse perfil e que está destinado ao fracasso ainda antes de começar a época. Ah, e já agora, Sérgio Conceição é outro.

Aquilo que o FC Porto precisa urgentemente é de alguém que seja possuidor de uma notável bagagem de experiência e conhecimento, capaz de pôr a equipa a vencer e a convencer, não só nas competições nacionais como internacionais. Alguém que, pelo seu carácter forte e pela sua notável carreira, seja capaz de merecer o respeito do grupo de trabalho, mesmo de jogadores como Maxi Pereira e Iker Casillas que têm mais futebol no dedo mindinho do pé esquerdo do que muitos treinadores imberbes da nossa praça. Alguém que seja capaz de encarar os grandes jogos de peito aberto, sem medos nem tremores, transmitindo para dentro do campo esse mesmo estado de espírito. Resumindo: o FC Porto precisa de alguém como Claudio Ranieri ou outro de dimensão semelhante.

Parece uma piada dos Monty Python, mas não é!



Agora que o campeonato terminou, o jogador encarnado Andreas Samaris foi finalmente suspenso por quatro jogos pelo soco que deu a Diego Ivo no jogo Moreirense-Benfica, na 28ª jornada da Liga. A decisão do Conselho de Disciplina da FPF poderá ainda ser alvo de recurso por parte do clube lisboeta, deixando assim o jogador disponível para jogar a final da Taça de Portugal, pelo que o castigo não terá qualquer consequência prática na época em curso. Parece uma piada bem ao estilo dos Monty Python, não parece? Pois... mas não é.

Recorde-se que este caso reunia todas as condições para ser alvo de um processo sumário, mas a Comissão de Instrução e Inquéritos da Liga (CIIL) recusou-se a analisar o mesmo, alegando que, pela gravidade da agressão, o jogador deveria ser julgado tendo por base uma moldura penal superior à prevista nos processos sumários. No entanto, constata-se que a suspensão agora aplicada pelo Conselho de Disciplina (CD) enquadra-se no limite previsto nos processos sumários, o que levanta muitas suspeições sobre a actuação da justiça desportiva. De facto, ou a CIIL inventou um subterfúgio legal com o objectivo de adiar a resolução do caso para uma altura em que a suspensão do jogador não representasse qualquer prejuízo para o clube, ou o CD aplicou uma suspensão inferior àquela que a gravidade da agressão exigia. Alguém aqui faltou à verdade e existem motivos mais do que justificativos para uma investigação por parte das autoridades, mas, infelizmente, todos sabemos que tal não irá acontecer, ou não estivessem em causa os supremos interesses do clubezeco do regime.

Este caso é a cereja no topo do bolo de uma época completamente viciada em favor do clubezeco dos vouchers. Desde a arbitragem à justiça desportiva, tudo se conjuga sistematicamente em benefício do clube lisboeta, graças a um intrincado sistema montado e controlado por agentes pró-benfiquistas bem instalados na hierarquia dos órgãos de decisão. O benfiquismo é um cancro que corrói, não apenas o desporto, mas a sociedade em geral, e que tem de ser controlado, sob pena de arrasar completamente a credibilidade das competições nacionais.

terça-feira, 23 de maio de 2017

Tretabatoteiros!

Hugo Miguel, que em Braga protagonizou uma das mais facciosas arbitragens das últimas décadas em ostensivo prejuízo do FC Porto e que praticamente sentenciou o afastamento dos dragões da luta pelo título, recebe agora o merecido prémio do Polvo: vai arbitrar a final da Taça de Portugal! 
Se o videoárbitro tivesse entrado em funcionamento mais cedo, o clubezeco dos vouchers nem sequer estaria nesta final, pois o golo que lhes permitiu vencer no Estoril (e que decidiu a eliminatória a seu favor) foi obtido em claríssima posição de fora de jogo. Na verdade, o justo finalista seria o Estoril, pois os empates a dois golos em casa e a três golos na Luz seriam suficientes para eliminar os tretabatoteiros. Não contentes pela final oferecida pelos árbitros, põem agora a apitar um lacaio do regime que teve um papel preponderante na conquista do tretacampeonato.
É por estas e por outras que, exceptuando os benfiquistas - que, por motivos óbvios, não querem admitir as evidências - já ninguém acredita na arbitragem portuguesa. Ou os clubes se juntam e varrem com esta máfia do futebol português, ou podem encomendar já as faixas de campeão para o clubezeco dos vouchers para os próximos dez anos!

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Diferenças

Marega, jogador do FC Porto emprestado ao Vitória de Guimarães, afirmou hoje que tem vontade de estragar a festa do Benfica, vencendo amanhã na Luz. Como se pode ver, os ex-jogadores do FC Porto desejam ajudar os portistas marcando golos ao Benfica. Já os ex-jogadores do Benfica ajudam os benfiquistas marcando auto-golos. Só esta época foram quatro...

Há recursos e recursos

O Sporting de Braga emitiu esta sexta-feira um comunicado em que dá conta da decisão do Conselho de Disciplina de anular o castigo ao seu jogador Inácio, que fora expulso no jogo com o Vitória de Guimarães B. Com base no relatório do árbitro, o defesa bracarense foi suspenso por dois jogos na sequência de uma pretensa agressão, mas o Conselho de Disciplina veio agora anular o castigo na sequência do recurso apresentado pelo clube arsenalista.

Não ponho em causa a justiça da decisão do CD, mas questiono-me sobre os seus fundamentos. Recorde-se que, no caso do Brahimi, nem os testemunhos de todos aqueles que assistiram in loco à situação foram suficientes para anular a acusação do 4º árbitro Tiago Antunes, acusação essa que não foi comprovada por nenhuma das imagens obtidas pelas várias câmaras televisivas presentes no local. Supondo-se assim que é preciso um motivo muito forte para que o Conselho de Disciplina contrarie a palavra de um árbitro, fico com curiosidade em saber o que poderá estar na base desta despenalização do jogador bracarense.

Polvo à Relvas

A cada dia que passa, a gastronomia portuguesa vai ficando mais rica à conta das inúmeras receitas de polvo que vão sendo criadas na Capital do Império Ultramarino. Ficamos hoje a conhecer mais uma: Polvo à Relvas.

Através da sua newsletter oficial, o FC Porto denunciou hoje que a delegada da Liga escolhida para o Benfica-Vitória de Guimarães da próxima jornada - um jogo decisivo em que, em caso de vitória, os lisboetas sagrar-se-ão campeões nacionais - é Helena Relvas, uma assumida adepta do clube da Luz. 
Que a senhora tem o pleno direito de torcer por quem ela quiser, é um facto, mas escolher como delegada para este importante e decisivo encontro uma pessoa que é adepta de uma das equipas em confronto só pode ser uma brincadeira de mau gosto ou mais uma descarada demonstração da falta de seriedade que grassa nos meandros do futebol português. Mais uma vez, e a exemplo do que aconteceu ao longo de toda a época, tudo se conjuga em favor do clubezeco dos vouchers, pois ninguém acredita que, caso existam incidências merecedoras de registo, esta fervorosa adepta encarnada irá prejudicar a festa do seu querido clube, cumprindo escrupulosamente a função que lhe é confiada. 

É por estas e por outras que o Benfica se tornou um cancro no futebol e na sociedade portuguesa e, como tal, deve ser combatido em nome da verdade e da justiça. Vergonhas como as que se foram assistindo esta época não podem continuar a repetir-se. Ultrapassou-se todos os limites da decência. Se não for de outra forma, o Ministério Público tem de intervir com coragem e firmeza.

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Mudou o nome mas o espírito permanece intacto

Caríssimos leitores e companheiros da blogosfera azul e branca, a partir de hoje o blog "O Porto é o Maior Carago!" passará a chamar-se "Reduto Portista". A acompanhar a mudança do nome, também o endereço será alterado, pelo que vos peço que actualizem a hiperligação.

http://redutoportista.blogspot.pt/

Muito obrigado.

Um abraço a todos.

Rodrigo G. Medeiros