sábado, 2 de dezembro de 2017

¿Para qué existe el VAR?

Foto de Baluarte Dragão.

Como já vem sendo habitual, a imprensa espanhola acompanha as principais incidências do futebol português e, nesse sentido, o jornal MARCA não podia deixar de fazer referência ao clássico do Dragão na sua edição de hoje. Obviamente, nem aos olhos dos jornalistas espanhóis passou em claro o erro clamoroso cometido aos 56 minutos, quando o árbitro Jorge Sousa, por indicação do seu assistente, anulou um golo limpo ao FC Porto. E à constatação da legalidade óbvia do lance, o autor do artigo acrescenta uma interessante questão:

«La jugada polémica del partido llegó en el minuto 56. El árbitro anuló a Héctor Herrera un gol legal por un supuesto fuera de juego previo de Aboubakar, el cual nunca existió. ¿Para qué existe el VAR en estas ocasiones? Todavía está por aclararse.»

É claro que, desde o apito final do jogo, já muitos analistas de arbitragem se desdobraram nas mais variadas desculpas e justificações para a ausência de intervenção do VAR nesta decisão verdadeiramente criminosa da equipa de arbitragem, mas não explicam - provavelmente por não existir explicação à luz da razão - as questões fulcrais que qualquer adepto de futebol gostaria de ver esclarecidas. Em primeiro lugar, como é possível um juiz de linha internacional cometer um erro tão grotesco como este, assinalando fora de jogo a um avançado que se encontra mais de 2 metros atrás da linha de anti-jogo? Em segundo lugar, por que motivo não aguardou o árbitro pela conclusão da jogada antes de apitar, dando assim a possibilidade do lance ser analisado pelo VAR?

Sem comentários:

Enviar um comentário