sábado, 20 de janeiro de 2018

Labrego é quem não sabe ler

Se há coisa que me provoca uma profunda náusea, é ver gente mesquinha aproveitar-se de acontecimentos trágicos envolvendo terceiros para daí obter proveitos próprios. Por exemplo, detestei ver alguns partidos a tentar retirar dividendos políticos dos incêndios de Pedrógão Grande, aproveitando-se da profunda revolta e consternação que essa tragédia causou em todos os portugueses. Há valores humanos, éticos e morais que deviam sobrepor-se a qualquer interesse, seja este de cariz político, desportivo, ou qualquer outro. Quem não compreende isto, revela uma baixeza de carácter verdadeiramente atroz.

Como se poderia esperar que, perante os súbitos danos surgidos no chão e nas paredes da bancada do estádio António Coimbra da Mota, as autoridades presentes no local pudessem ter outra reacção que não a de evacuar imediatamente os três milhares de pessoas que ali se encontravam? Quem é que, sendo minimamente consciente e responsável, deixaria de proteger a vida de todas aquelas pessoas, incluindo mulheres e crianças, resguardando-as de uma possível tragédia? Mesmo que se venha a admitir que tudo não passou de um susto, é óbvio que, naquele momento, foi feito aquilo que qualquer ser humano sabe que devia ser feito.

Ao contrário do que alega Nuno Saraiva, director de comunicação do Sporting, suportado por vários órgãos de comunicação social, o parecer do LNEC não afirma, em momento algum, que a bancada nunca esteve em risco e que a segurança da mesma esteve sempre assegurada. No seu ponto 6 - Análise das anomalias observadas e da informação obtida, é afirmado o seguinte:

"As anomalias existentes na zona interior da bancada são de tal forma expressivas que exigem a demolição da laje térrea e a elaboração de um projecto de reabilitação dessa zona”

Já no ponto 7 - Conclusões e recomendações, é dito o seguinte:

"Embora, até à data, não existam indícios de comportamento deficiente da estrutura da bancada, é necessário um melhor apuramento das causas das anomalias para se julgar sobre a evolução da respectiva segurança."

Não creio que Nuno Saraiva se ache mais entendido em matéria de Engenharia Civil do que os peritos do LNEC, a ponto de poder afirmar que tudo não passou de uma farsa com o intuito de viciar a verdade desportiva. Simplesmente, Nuno saraiva é mais um desses energúmenos sem carácter que acha que o resultado de um jogo de futebol é mais importante do que a vida das pessoas. Em suma, é gente que não presta.

Sem comentários:

Enviar um comentário